Avançar para o conteúdo principal

"Vale do Rio Ponsul"


Altimetria

Percurso no Google

No passado sábado, fui até à foz do rio Ponsul, junto à Barragem de Cedillo, hoje fui até ao Vale do Ponsul, umas dezenas de kms a juzante.

É uma zona onde gosto bastante de pedalar e que não está ainda devidamente explorada.

Muita "malta" vai pedalar até ao Ponsul, mas sempre, ou quase sempre, por trilhos mais que batidos. Duas ou três formas de chegar ao rio, quando há seguramente uma dezena de trilhos para lá chegar, apenas é necessário explorá-los. E isso eu vou fazer de certeza!!!

Hoje, eu e o Filipe descemos ao Vale do Ponsul por um novo trilho em descida algo técnica, mas que foi um gozo tremendo.
Pelas 08h, já o Filipe estava na minha garagem para mais uma volta "terçafeirista".
Saímos com uma passagem pelo Parque Infantil da Pires Marques, não houvesse por alí algum companheiro distraído à nossa espera, pois a manhã de hoje não era de facto convidativa à prática da modalidade
Como não havia mais ninguém, continuamos a nossa jornada, rumando ao Vale do Ponsul pelo Monte da Rebouça até encontrarmos a tal descida, após algum vai e vem e que serpenteia pela Barroca do Cutileiro.
Lá puxámos o "rabinho" um pouco atrás para mandar "brasa" por alí abaixo.
Muitos regos, alguns bastante profundos, pedra solta e lenha, foi o nosso desafio até ao Monte Pinares, onde terminou a adrenalínica descida, com uma subidinha no meio, para pousarmos o rabo no selim.
Nem a "cacimbada" que prencheu toda a manhã, nos conseguiu estragar aqueles minutos de puro gozo!!!
Passámos o degradado casario do Monte Pinares em direcção ao rio, concretamente ao areal do Perquilhas.
Junto ao rio, pedalámos por uns quantos singles que nos divertiram "à brava", buscando uma passagem que eu conhecia, quando há já alguns anos por ali pescava.
Para trás e para a frente e juntando vários trilhos com belas passagens, lá conseguimos chegar ao local, mas não foi possível efectuar a passagem para o Monte Jambum, derivado ao rio já levar bastante caudal e o trilho estar já submerso.
Mas no verão vou atacar de novo para concluir o trilho e ver se consigo uma passagem em singles e trilhos pouco batidos, do Monte Sordo ao Monte da Ponte.
Dalí subimos ao estradão para passarmos pelo Monte Jambum e Monte da Ponte até entrarmos na En.18.8 e descermos à quase destruída Ponte Medieval, onde pretendíamos beber uma "bjeca" na tasca da "Ti Amélia", mas esta, o que não é habitual, estava fechada.
Por alí nos entretivémos um pouco com as peripécias dum pescador que acabara de pescar uma bela carpa e que queria devolver à água, mas não conseguia retirar o anzol, tendo que recorrer a um pequeno ramo que introduziu na boca do peixe.
Pescadores sem ferramenta adequada. É quase como betêtista sem câmara de ar de substituição, quando tem um furo. eheheh!!!
Encetámos então o regresso à cidade, também por trilhos que já há algum tempo não percorria, talvez por serem bastante durinhos!!!
Passámos então pelos montes do Chaveiro, Pote, Revelho e Revelhinho até chegarmos à Sapateira, onde resolvemos ainda passar pelo Monte do Vedulho e contornar o S. Martinho, pois ainda não era tarde.
Entrámos na cidade pelo single do Portal do Telheiro, que nos deu acesso à Carapalha, onde me despedi do Filipe junto à Rotunda do Tunel do Amieiro pelas 12h.
Foram 40 kms bem durinhos, mas cheios de adrenalina e divertimento, percorridos a baixa velocidade e sem "stress".


Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

FMicaelo disse…
40 km por esses lados são sempre durinhos! Bonitas paisagens, que nunca cansam... temos que lá voltar para descobrirmos essa passagem, e já agora porque não um cafezito em Monforte?!....eheheh Até à próxima - conto acompanhar-vos.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…