Avançar para o conteúdo principal

"A Magia do Btt"

Convívio, amizade, confraternização e puro divertimento, foram os ingredientes que "apaladaram" este passado domingo, lá para os lados da Sertã!!!
Após ter inicialmente declinado este convite feito pelo meu irmão Luís, por estar comprometido com o adiado convívio para as Ferrarias e que era para ter sido também ele um dia para mais tarde recordar, acabou por não se concretizar, por falta de aderência do pessoal, com excepção de um ou dois que não costumam falhar.
Pode-se dizer que este convívio não foi efectuado por falta de "quorum"!!!
Assim, resolvi telefonar ao meu irmão e aceitar o convite para dar umas pedaladas com subida ao Cabeço do Rainho e descida para o Vale do Soto, onde na aldeia de Vale do Soto nos esperavam seis corpulentos "Porcus Mansus", que em movimento circular assavam em outros tantos espetos, onde gradualmente ganhavam aquela cor alourada, que nos faz pecar por "gula"!!!
Vindos de diversas zona, juntaram-se na Avenida da Carvalha, na Sertã, 21 companheiros de todas as profissões e idades, prontos para um mágico dia de Btt, onde a amizade e companheirismo são o mote para este género de eventos, que lentamente vão ganhando terreno à moda "maratonesa" e aos competitivos passeios que em detrimento do convívio até dão a classificação final dos participantes!
Maratonas. Sim!!! . . . Passeios. Sim!!! . . . Competição. Sim!!!. . . Raides. Sim!!! Soft, Extreme ou assim assim, como queiram, mas cada coisa no seu lugar.
Após as apresentações e umas bicas no Bar da Carvalha, toca a carregar as bikes em carrinhas disponibilizadas para o efeito e onde o pessoal, melhor ou pior ajeitado, lá rumou até à Cruz do Seixo para dar início aos primeiros 3,5 kms de subida até ao Observatório do Picoto do Rainho, em plena Serra dos Alvéolos, onde após o forçado aquecimento, pudemos desfrutar de belíssimas paisagens a 360 graus. Soberbo, espectacular!!!
Para quem como eu, gosta de desfrutar a natureza em pleno, foi muito bela a magnitude de todo aquele enquadramento paisagístico.
O pessoal foi chegando ao alto a conta gotas e após algum tempo para repor as energias, os mais rápidos dispararam adrenalina por alí abaixo, secundados pelos não tão rápidos e a fechar todo aquele movimento ondulante e poeirento os restantes, onde me encontrava inserido, pois descer daquela forma é mesmo só para quem sabe ou é "arraçado de kamikaze"!!!
Fique a fechar o grupo com o meu irmão e ainda não tinha decorrido um km quando se deu a primeira baixa com o último do grupo a conseguir acertar com a roda da frente num "calhau" dissimulado no pasto, provocando uma queda aparatosa, felizmente sem consequências graves, além dumas quantas escoriações.
A máquina é ficou incapacitada de prosseguir com as manetes de travão partidas e uma delas, simplesmente desapareceu. Chiça!!! . . . foi cá um malho!!!
Os mais rápidos iam esperando pelos menos rápidos e assim chegámos à pista de Down Hill, que para mim só de olhar para aquelas regueiras e sulcos profundos, fruto da última prova ali disputada, há pouco tempo, até arrepiava.
Mas houve malta que ainda assim tentou fazer o circuito e creio que alguns o fizeram quase na totalidade.
Chegados à Aldeia do Soto, parámos no Café logo à entrada e ali descansámos um pouco apoiados por um par de "bjecas" bem fresquinhas e que limparam o pó acumulado nas gargantas, afinaram as vozes e prepararam os estômagos, pois a festa vinha a seguir!!!
Com as senhas préviamente cedidas a cada elemento do grupo lá entramos de bike no recinto, bem junto ao local onde os porcos estavam a ser assados no espeto e ali "ensarilhámos" as bikes à moda militar e fomos tomando posição para atacar o almoço que já eram bem vindo, não sem antes bebericar mais um par de minis para não deixar aquecer o radiador.
Depois do tabuleiro bem acondicionado com uma grossa e suculenta sopa com uns "topes" de enchido delicioso, um arroz de feijão, batata frita e febras a atestar o prato, pãozinho caseiro, broa e bebida à escolha, acondicionámo-nos num dos cantos do recinto, onde pintámos a manta e despejámos umas grades daquela loira bebida extraída da cevada, tornando o pessoal mais desinibido e alegre. Que dia!!!
Já tudo bem aconchegadinho e até houve quem dormisse a sestinha da ordem, era hora de regressar á base e ainda faltavam uns kms para percorrer de bike.
Lá iniciámos a nossa marcha de regresso, agora por alcatrão, pois o terreno irregular, os regos e as pedras, nesta fase, eram mesmo só para estorvar. . . por isso, nada melhor que alcatrão. . . e até dava para alguns seguirem o risquinho branco junto à berma para manterem a trajectória!!!
A meio do percurso de regresso e à passagem pela Praia Fluvial, ninguém resistiu ao banhinho!!!
Foi um dos momentos altos do dia com diversão a "rodos", com as peripécias da malta nas lides aquáticas.
Ensopadinhos até ao osso, retomámos o regresso agora em ritmo mais pachorrento.

Mais uma derradeira paragem numa outra aldeia, já no alto e antes de descida para a Sertã, para "molhar o bico", a maioria agora com água e outros, fiéis aos seus princípios não abandonaram a "bjecazinha", agora já com um efeito "embaciante"!!!

A chegada à Sertã em paralelo à Ribeira foi espectacular e divertida, acabando o pessoal de novo na Avenida da Carvalha, onde após arrumar as bikes houve tempo ainda para dois dedos de conversa e mais um par de imperiais, que seguramente já dariam para a derradeira viagem até casa.
Foi um dia para mais tarde recordar, onde reví alguns amigos e criei novas amizades, convivi com malta pura e divertida, que pratica esta singela modalidade, que é o btt, nas suas variadas vertentes, mas sempre com um verdadeiro espírito de camaradagem e companheirismo, onde a diversão é coisa fácil!!!
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Galeria de Imagens
Aldeia do Soto/Sertã

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…