Avançar para o conteúdo principal

"Virado a sul"

Acabado de chegar dumas mini férias nos Alto Pirinéus, lado francês, onde me fiz acompanhar da minha "asfáltica" para dar umas pedaladas em alta montanha, aproveitei a "embalagem" para matar já alguma saudade da minha "trilhadeira", encostada lá no fundo da garagem.
Assim, resolvi juntar-me à malta no Parque Infantil da Pires Marques, o nosso local de partidas e algumas chegadas das lídes betêtisticas.


Domingo, 24
AC, Fidalgo, Nuno Diaz, Jorge Palma, Álvaro e Pedro Antunes, seis companheiros menos escrupulosos aos alertas coloridos, quando a temperatura sobe ou baixa, o vento sopra ou não sopra, mais ou menos forte, resolveram dar umas pedaladas e "trilhar" um acumulado de quilómetros em busca de aventura e divertimento.
Como o AC já tinha chegado ao "Cais", calhou-me mais uma vez escolher um percurso para atormentar a musculatura.
Virámos a sul!!!
Rumámos aos Maxiais, onde não entrámos, optando por cruzar a antiga N.18 para apanhar o estradão que nos levou a mais un apeadeiro conhecido . . . o do Retaxo (Represa) . . . não para apanhar o comboio, mas para tomar o cafézinho matinal no restaurante "O Ramalhete", a sala de espera para quem viaja na REFER e o local de passagem, com paragem obrigatória, para os betêtistas de "baixa competição".
Dois dedos de conversa, um "olho" no jornal desportivo sempre à disposição e lá fomos nós em direcção à bonita aldeia de Amarelos, apesar de amarelos irmos nós de tantas nuvens de "lama em pó" termos já atravessado, normalmente os mais atrasaditos. eh eh eh!!!
Ao chegar o caminho alcatroado que desce para a estação de Sarnadas, uma surpresa, desta vez voltámos à direita para a Carapetosa onde pudemos fazer um teste "in loco" aos travões das nossas monturas na descida para a ponte sobre o Rio Ocreza, que dá acesso às Ferrarias.
O cheiro a "ferodo" inundou a zona e já parados na estreita ponte pudemos constatar que os discos de travões até tinham mudado de cor. Tinham agora uma cor violácea e derreteriam o que lá se encostasse!!!
Umas fotos da praxe, conversa banal e uns "xixizinhos" a grande altitude, com o cuidado de verificar se debaixo da ponte não existiria alguma "célula" do "BOOM" tão querido e desejado na nossa zona, (???) foi o tempo suficiente para arrefecer os "discos" e ganhar coragem para a subida às Ferrarias.
Chegados à aldeia, pedalámos no percurso por mim delineado aquando do meu "Raid", desta vez em sentido contrário, com passagem ainda na Aldeia de Calvos onde se inicía a bonita descida à foz da Líria e consequente subida às Benquerenças, desta vez as "Velhas", quase local de culto da rapaziada do pedal, alguns, cuja "crença" mais não é que a miragem daquela beleza acastanhada do seu casario xistoso em ruínas, agora inserido em paisagem verde desmaiado e aquele belo e pedregoso carreiro entre lages onduladas, que nos faz "babar" de prazer.
Castelo Branco estava à vista e para chegar a casa pouco mais faltava que alguns kms e a ansiada paragem no Bar da Associação do Valongo para o parzinho de bjecas, ornamentado por aquelas sementes de plantas fabáceas, vulgarmente conhecidas por "tremoço", que sempre põe alguém em "deliriun, deliriuns". Não acreditam?? Perguntem ao Fidalgo!!!eheheh
Um percurso circular no trajecto e longo na amizade que une esta rapaziada do pedal, que se junta periódicamente para umas pedaladas de prazer e aventura.


Terça Feira, 26
No passado Domingo, alguém comentou o belo passeio efectuado na terça feira anterior, ainda na minha ausência, ao Castelo do Rei Wamba.
Da malta presente, havia quem ainda não tivesse tido a oportunidade de efectuar esse passeio e outros, queriam repetir.
Assim, AC, Álvaro, Fidalgo, Jorge Palma e Filipe puseram "pés" à obra e mais uma vez rumaram a sul em direcção ao altaneiro Castelo do Rei Wamba, guardião das bonitas Portas de Rodão.
Num percurso mais linear e a pretender evitar alguns contratempos com alguns "ziguezagues" mesmo perdendo alguns belos "carreirinhos" e passagens "suí generis" em povoações algo fora da rede viária, seguimos quase sempre paralelos à A23, ou IP2 até a Alvaiade, onde ainda paralelos à IP2, fomos entroncar na antiga estrada para a Foz do Cobrão para subir à Portela da Milhariça, onde se encontra a passagem superior sobre a A23 e que dá acesso à Serra do Penedo Gordo, onde "palrando" e "bufando" chegámos ao cruzamento para o acesso alcatroado ao Castelo do Rei Wamba.
O espaço agora arranjadinho e bem arejado, impunha silêncio . . . aquelas majestosas paisagens faziam-nos transportar para sonhos inacabados !!!
O Tejo, atragantado à passagem pelas Portas de Rodão, alargava posteriormente ao mesmo tempo que a nossa visão se perdia no horizonte, sempre acompanhada pela linha da Beira Baixa, onde ainda pudemos apreciar o aproximar do comboio, agora em miniatura, criada pela distância e altura a que nos encontrávamos.
A sul, a planície começava a delinear-se com o início do Alto Alentejo e a norte a ondular-se com a Beira Baixa.
Se não fosse de Btt certamente não teria o previlégio de ir ao encontro destes momentos de prazer e comunhão com a natureza, pois de carro certamente e à semelhança de tantos outros, consideraria um desperdício deslocar-me aqui tão perto para apreciar um monumento tão singelo . . . imbuído naquela de . . . lá longe é que é belo . . . o norte, o sul, além, acolá, eu sei lá!!! Mas uma coisa é certa!!! De btt comecei a descobrir lindos recantos que inicialmente só pensava existirem noutros locais e que agora concluí que . . . tantos kms que fiz para ver coisas lindas, é verdade, mas que tão ou mais bonitas temos aqui, neste nosso belo recanto cá bem do nosso interior.
Têm dúvidas??? Apareçam às terças e domingos na Pires Marques, pelas 08h para pedalar. Mas sem as "choraminguices" das subidas, das descidas, dos kms, do tenho que cá estar a horas para ajudar a esposa a descascar as batatas, blá blá blá!!!
Apareçam só para se divertirem, desfrutar e imbuídos de espírito de aventura!!! O resto acontece naturalmente!!! Vão por mim!!!
O regresso fez-se pela Barragem do Açafal em direção à Atalaia e Sarnadas de Rodão onde entrámos nos trilhos iniciais até à cidade. A hora era digna e uma boa refeição esperava-nos certamente, mas antes teríamos que cumprir, é claro . . . com a usual "peregrinação" ao Santuário (Associação) da Nossa Senhora do Valongo, onde sentadinhos "comungámos" por duas vezes após 80 torturosos kms, antes da merecida refeição.
Desta vez conseguimos cumprir a promessa e trazer em harmonia o nosso companheiro Filipe a horas decentes. Batiam as 13h, quando entrámos no perímetro urbano da cidade.


E pronto!
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…