Avançar para o conteúdo principal

"A Marateca do Pinto Infante"

Quem cá do Burgo e redondezas não conhece os passeios pela zona da Albufeira da Barragem de Santa Águeda, vulgo Marateca!! Só quem anda distraído, ou não gosta mesmo de andar de bike!!!
Mais uma vez tive o previlégio de ser um dos cerca de 5o convidados para este passeio à moda antiga, onde a partida é dada com um "vamos lá embora malta" em vez dum painel todo xpto e a toque de corneta, as marcações estão na camisola do companheiro da frente e no colorido do pelotão que segue à nossa frente, nos abastecimentos as bebidas energéticas são substituídas pela energia fornecida pela boa geropiga, o arfar dos andamentos rápidos, os triques e traques das desmultiplicações metidas em esforço e o chega para lá, olha a esquerda e olha a direita, são substituídos pela algazarra proporcionada por um grupo divertido e por uma sã camaradagem, sempre em alegre cavaqueira e inserido numa paisagem que não deixa ninguém indiferente.
A tabela de classificações, bem deixa cá ver!!! Quem foi o primeiro. Alguém reparou quem foi o primeiro?. De facto ninguém sabe, ou não se lembra, pois isso é coisa que não importa.
O que importava realmente era a vontade de chegar bem perto daquela apetitosa malguinha de sopa entulhada no Restaurante "Tá-se Bem" a abrir caminho a um suculento bacalhau assado no forno. Isso sim vale a pena classificar!!!
Mas no meio disto tudo, eu sei quem foi realmente o primeiro. FUI EU!!!
Não é hábito ser o primeiro, nem nunca luto por ser o primeiro nestes passeios, ou melhor, nem sou dotado para ser primeiro nestes eventos, contudo fui o primeiro e pela pior das razões.
Eu até nem queria ser o primeiro e primeiro, porque passei ao lado duma bela geropiga, dum belo abastecimento e duns belos trilhos que nem sequer cheguei a pôr o olho em cima, quanto mais os pneus da bike.
E agora, já que falo em bike, pois claro, perdi tudo isto porque o raio dum pau se enfiou no desviador e torceu a ponteira, pois a dita bike não tem dropout.
E de tal maneira que tive mesmo que recorrer à assistência. Ainda tentámos adaptá-la a single speed e eu que até gosto de dar umas voltas nessa modalidade, mas nem assim. A cassete estava de tal modo apertada com a escora que não conseguia dar ao pedal.
Foi quase com a lágrima no olho que vi os meus companheiros abalarem alegres e divertidos em sentido inverso ao meu. E logo alí a 1500 metros estava a bela geropiga. Um azar nunca vem só.
Bem, lá fui eu até à estrada onde fui recolhido pelo amigo Carlos que me levou até à Lardosa e me deixou junto à minha viatura.
Acabei por ir tomar o banhinho quente a casa e voltar à Lardosa para o almoço de convívio com aquela malta amiga e divertida.
O tempo, o famigerado mau tempo que últimamente me tem acompanhado nas minhas aventuras tinha que aparecer neste bonito passeio, que merecia um belo dia de sol.
Mas nada disso empobreceu ou desclassificou esta iniciativa pela Albufeira da Marateca, Póvoa e Tinalhas, apenas lhe deu outro colorido, um pouco mais cinzento na côr, mas muito mais divertido no que toca a peripécias e pedaladas.
A chuva, apesar das previsões meteorológicas, até nem chateou muito. E no fundo, quem não gosta de chapinhar um pouco na lama e conduzir a bike nestas circunstâncias!!! Poucos, creio eu.
E foram esses poucos, mas mesmo poucos, que hoje fizeram gazeta a esta bonita manhã de Btt, proporcionada pelo Pinto Infante a quem agradeço o convite e espero merecer estar presente na próxima edição.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…