Avançar para o conteúdo principal

"Btt casual"

Não é meu hábito pedalar nas sextas feitas, tanto mais que a par das segundas feiras, são os dias em que me abstenho de pedalar, norma que vem da "asfáltica" por serem os dias que considero menos propícios a andar na estrada, derivado ao trânsito. Coisas!!!
Mas a convite do Silvério, para quem qualquer dia é bom para dar umas pedaladas, lá me convenceu pela 2ª sexta feira consecutiva e de facto até gostei.
Da primeira vez na semana passada, fui de SS e hoje com a minha Spark.
Mas o que é facto é que nem estava nada convencido de que hoje iria pedalar, pois contava com chuva persistente e até fiquei com a impressão de que toda a noite ouvira chover. devia estar a sonhar!!!
Lá me levantei pelas 08h e ao assomar à janela o piso estava enchuto, não chovera e até parecia estar um sol radiante.
O pior foi quando o frio me tocou nas orelhas!! Pôssa . . . estava um frio de rachar e bem distribuído pela forte ventania, até "arreganhava a venta".
Pelas 09h lá estava eu na Pires Marques, logo secundado pelo Silvério, que hoje reduziu o atraso habitual em cerca de 10 minutos. eheheh!!!
Como no passado Domingo não fui pedalar derivado à intempérie não cumpri a voltinha então programada pela zona da Carapetosa, Ferrarias Cimeiras e Calvos, pelo que propus a dita volta ao Silvério que acordou de imediato irmos pedalar para a zona.
Saímos então da cidade pelo Valongo e contornando os Maxiais subimos à Serra das Olelas que descemos seguidamente pela vereda paralela à estrada para o Complexo, com paragem programada no "Ramalhete" onde tomámos a habitual dose de cafeína.
Voltámos depois aos trilhos e pedalámos pelo estradão paralelo ao IP2, cruzando-o na passagem inferior e por trilhos e veredas, algumas bem singulares, chegámos à Estação de Sarnadas.
Passámos a via férrea e em estradão rumámos ao Rio Ocreza, com passagem pela Carapetosa.
Na estreita ponte que nos transporta para o outro lado do rio, agora com águas bravas, efectuámos uma breve paragem para comermos algo e apreciarmos a bonita paisagem agora criada com as algo revoltas águas do rio.
Depois foi a arfante subida às Ferrarias Cimeiras, típica aldeia cá bem do nosso querido interior e e entre charcas de água e trilhos enlameados e ondulantes lá fomos pedalando até chegar à Aldeia de Calvos, sobranceira ao rio, que desta vez nos pregou a partida com as suas águas tumultuosas na sua passagem na Loz da Líria, facto que eu já esperava, mas que como hoje a volta era "numa boa" e sem compromissos de maior, até deu para nos "mandarmos" pela rápida descida até ao rio e tornar a subir, após concluirmos o que já suspeitávamos.
Eram já quase 13h e de comum acordo, resolvemos regressar a Castelo Branco por asfalto, com uma derradeira paragem num café em S. Domingos para um frugal reabastecimento regado com duas apetitosas pretinhas, sagres claro!!! . . . e de novo nos fizémos à estrada.
A chegada à cidade deu-se por volta das 14h30 com 67 kms percorridos em excelente companhia e puro divertimento.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…