Avançar para o conteúdo principal

"Pedalando"

Numa manhã primaveril, propícia a umas boas pedaladas de bike, desporto que nos eleva o espírito e descarrega o stress acumulado dos dias anteriores, agruparam-se na Pires Marques cinco companheiros de pedaladas, ávidos por calcorrear uns quantos trilhos cá do "nosso quintal beirão", onde as bikes vão nascendo e criando raizes, distribuídas pelas variadas modalidades, o que é um bom apanágio para este salutar e lúdico desporto.
Eu AC, Joaquim Cabarrão, FMike, Carlos Sales e João Valente, fomos os protagonistas desta pequena aventura de quarta feira de cinzas.
A idéia para hoje era rever alguns velhos trilhos onde já não passava há bastante tempo e por isso, aproveitei o facto do grupo de hoje ser homogénio para com eles partilhar esta minha vontade.
Saímos da cidade pelas 08h10 com intenção de efectuarmos um circuito com passagem pela Carapetosa e Retaxo.
Com passagem pelo Pereiro, Vale do Romeiro e Quinta de Sto André chegámos ao Monte da Barreira, onde virámos à esquerda para o Formigo e Tapada da Abeceira, virando de novo à esquerda para pedalarmos num constante sobe e desce junto à A23 com passagem pelo Vale da Cruz para atingirmos uma zona menos desgastante que nos levou às Benquerenças e Azinheira.
Nesta abandonada aldeia serpenteámos por uns quantos single tracks bem coloridos pelo verde e tons acastanhados que despontam nesta época do ano criando bonitas paisagens, fazendo-nos sentir priveligiados pelos trilhos que enriquecem este nosso belo recanto, não só aqueles que já conhecemos, mas muitos outros que aguardam que os descubramos e que dia a dia se vão fechando envoltos em matagal sem que possam sentir o peso e o rolar das nossas bikes.
Da Azinheira fiz um desvio dos trilhos que inicialmente tinha delineado, para por proposta do João Valente efectuarmos uma visita ao seu avô e meu ex-companheiro de profissão e aceitarmos também o habitual convite para uma bela jeropiguinha, que o Ti Oliveira tem sempre disponível para a rapaziada.
Quando chegámos à quintarola do Ti Oliveira, na Represa, lá andava ele como de costume na sua labuta hortícula, o seu hóbi de eleição.
Ainda da Represa tomámos a habitual dose de cafeína no "Ramalhete" para voltarmos depois aos trilhos e passando pelo tunel sob a via férrea descemos para o Casal Farinheira pela zona da horta e subímos para o Palheirão, entrando na zona do eucaliptal onde pedalámos uns quantos kms até descermos para a ribeira da Carapetosa numa descida algo inclinada e sem descanso, inicámos a subida para a Aldeia da Carapetosa.
Uma aldeia com um perfil algo atípico com quase uma só rua com casas perfiladas de ambos os lados e com pouca vida.
Dalí rumámos ao Retaxo com passagem junto à Estação de Sarnadas e após passarmos sob o túnel da A23, virámos à esquerda para entrarmos noutro single track até junto da pequena barragem da serração, continuando entre a A23 e o IP2, passando pelos tùneis de ambas para entrarmos em velhos trilhos que nos conduziram ao Retaxo.
Aí subímos para as Olelas com passagem noutro "single" atingindo o Alto das Olelas, onde efectuámos uma pequena paragem no Complexo Turístico para uma foto de grupo e apreciar o explendor daquela bela paisagem com a nossa cidade como pano de fundo.
A descida efectuou-se pela parte mais inclinada e onde a rapaziada delira, continuando em direcção à cidade paralelos à linha férrea até à derradeira paragem no Bar da Associação do Valongo para a "sossegazinha" e dar dois dedos de conversa.
A chegada foi pelas 12h15 com 54 kms percorridos quase sempre com a cidade à vista e inserido num grupo de amigos que, tal como eu, são "amantes do pedal".

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …