Avançar para o conteúdo principal

"O aprazível Lurgo da Nogueira"

Hoje, a "modos" que de surpresa, resolvi "desencaminhar" os meu amigos para uma descida ao "Lurgo da Nogueira" um bonito vale circundado pela também bonita Ribeira de Alpreade, pejada de velhos moinhos, que lá mais para a frente penso revisitar e por ali criar um bonito percurso com passagem por Olêdo e S. Miguel D'Acha. (vamos vêr se me porto bem até lá!!!)
Eu AC, o Carlos Sales, o Filipe, o Joaquim Cabarrão, o Álvaro e o atrazado, com falta justificada, FMike, fomos os protagonistas que hoje "embarcámos" nesta aventura de mais uma manha de quarta feira em btt.
Mas para hoje estava reservada mais uma surpresa. . . e que surpresa!!!
Pelas 08h30 demos então partida para mais uma manhã de convívio e de pedaladas por alguns dos bonitos trilhos que enriquecem o nosso também bonito interior.
Saímos pela quelha que nos levou ao Alagão (ainda alagado) e após passarmos a Quinta do Curral do Prego, entrámos no Monte Brito, continuando pelo Alto da Cancelinha, Travanca, Quinta da Espadaneira, Quinta de Sta Apolónia e Alcains, pelos subúrbios, até à Estação e estradão para os Escalos de Cima, a aldeia das obras do "São Nunca à Tarde", pois nunca mais acabam de colocar o alcatrão naqueles 300 metros, que eram de calçada. Possa!!. . . quando é que vou poder ali passar com a minha asfáltica!!!
Dos Escalos rumámos à Lousa, onde entrámos pela zona do depósito, também em obras e parámos no café para atacarmos a merenda.
Alguns mais distraídos pediram logo a dose matinal de cafeína, que acabou por ser devolvida.eheheh!!!
O Mike meteu então a "mãozinha" no bolso do camelbag e de lá sacou duas belas "espécimens" de enchido caseiro, que acabaram por ornamentar uma bela mesa, com toalhinha e tudo. Que bonito!!!
Depois de cortadinhos ás rodelas, aquele belo chouriço e a saborosa alheira, substituiram com muita qualidade as "habituées" barrinhas energéticas.
Ninguém se queixou, nem os mais "padecentes" do terrível colesterol abriram pio. O que a malta é capaz de fazer em prol da amizade.eheheh!!!
Depois daquela oportuna sessão degustativa e depois de guardada a toalhinha e a navalha, pedimos então a matinal dose de cafeína que veio a colocar a cereja no topo do bolo.
Havia que continuar porque nem só de "enchido" vive o btt . . .eheheh!!!.
Descemos então ao Largo da Igreja e tomámos a quelha, agora alcatroada, que nos conduziu à Navancha, onde entrámos no estradão que nos levou o Cabeço do Monte, onde a paisagem era soberba, com todo o maciço serrano no horizonte e com aquela parcela central, onde se situa o ponto mais alto de Portugal, ainda nevada, num bonito visual.
Encetámos então a descida para o Lurgo da Nogueira entre paisagem verdejante com azinhal disperso, que nos deixava enxergar até quase às campinas de Idanha.
Parámos junto à passagem da Ribeira de Alpreade para o Bicho de Ferro para um par de fotografias e demos início à longa subida para o Vale da Pulga, alcançando seguidamente a Aldeia da Mata pela zona do cemitério.
Cruzámos a Povoação e entre quelhas e trilho algo pedregoso, chegámos às encostas da Ribeira de Alpreade, descendo seguidamente para aquele belo recanto junto à Ribeira do Salgueirinho e em subida "xistosa", alcançámos o casario do Coito do Leitão.
Aqui seguimos o estradão para o Alto da Monheca, entrando no caminho asfaltado para Belgais e cerca de 1 km mais à frente tornámos a descer, desta vez para o Vale das Ferrarias.
Seguiu-se uma subida um pouco dura para a Tapada do Caraca e zona do Barrão, onde terminaram as maiores dificuldades montanhosas e em rápido estradão, depressa chegámos ao Monte S. Luís.
Aí entrámos um estreito trilho, que apelidei de "ovelheiro" e descemos à Ribeira da Fonte Santa, onde fugindo à regra, hoje não parámos e entrámos em asfalto na Capa Rota, após a última subida do dia, digna de registo.
À chegada à estrada da Sra de Mércules, o pessoal separou-se e eu, o Mike e o Álvaro, fomos ainda até ao Bar da Associação da Boa Esperança para a "sossegazinha" da praxe.
Foram para mim 57 kms bem divertidos e com uma bela prova de "fumeiro", numa solarenga manhã, quase primaveril, culminando com chegada à cidade pelas 13h .
Fiquem bem
Vêmo-nos nos Trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…