Avançar para o conteúdo principal

"Castelo Branco - Fátima com a asfáltica"

Como sucede todos os anos, empreendi no passado Sábado dia 9, mais uma ciclo-peregrinação a Fátima, uma das minhas obstinações e que pretendo manter enquanto as pernas me o permitirem.
Neste ano de 2009, acompanharam-me o Joaquim Cabarrão, o Micaelo, o Álvaro, o Filipe e o Nuno, um companheiro emigrante na Suíça e que já há dois anos se junta à malta para dar umas pedaladas enquanto de férias na região.
Este ano houve uma pequena alteração de percurso, com um ligeiro aumento na quilometragem, pois ao invés dos anos anteriores, resolvemos este ano ir por Nisa, Abrantes, Martinchel, com passagem no paredão da bonita Barragem do Castelo de Bode, Tomar, Ourém e finalmente Fátima.
Partimos da cidade pelas 06h30 e chegámos a Fátima pelas 13h00, após 169 kms de aventura e algum sofrimento.
As nossas esposas e acompanhantes saíram pelas 10h e tal como programado, juntámo-nos no paredão da Barragem do Castelo de Bode, para um ligeiro abastecimento.
Não houve precalços, além de um furo na roda traseira da bike do Nuno que se resolveu com a mágica espuma da "Vitória" e o Álvaro, que no último terço do percurso apresentava alguns problemas físicos, acabando por trocar a bike pela viatura. Uma decisão de bom senso, pois nem sempre estamos ao nosso melhor nível.
O percurso foi sempre percorrido num andamento algo vivo, com algumas excepções e quando o desgaste acumulado já pregava uma ou outra partida, especialmente nas subidas.
Não há muito a dizer sobre o assunto, apenas que todos os companheiros cumpriram os seus objectivos, uns pela primeira vez, outros já com alguma veterania.
Apenas o Álvaro, que este ano se encontrava menos preparado não terminou a pedalar, mas nos anos anteriores, pois já é veterano nestas andanças, sempre concluiu o trajecto com à vontade e naturalidade.
Com mesa já reservada no Restaurante João Paulo II e após um banhinho retemperador com água quentinha lá nos dirigimos para o local onde nos foi servido o "repasto" à lá carte e convivemos em boa harmonia.
Depois do almoço, cada um tomou o rumo que quiz e eu fui ainda dar uma volta por outras bandas, pois tinha um assunto premente a tratar, regressando a casa, não antes sem uma paragem para a "janta" na agradável Tasquinha da D. Maria, alí para os lados de Porto de Mós, onde me deliciei com um bacalhauzinho assado na brasa à moda do lagareiro.
Um dia perfeito para mim, onde aliei o gosto de andar de bicicleta ao convívio com a família e amigos.
Foram no total 169 kms percorridos em 5h e 56m à media horária de 28,5 kms/h e com um acumulado de 2128 m.
Deixo aqui um agradecimento especial aos meus amigos que me acompanharam nesta minha obstinação anual e convidá-los para uma nova ciclo-peregrinação a Fátima, ainda este ano, nos dias 10 e 11 de Outubro, desta vez em Btt, numa distância algo superior aos 200kms, repleta de aventura e trilhos singulares.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…