Avançar para o conteúdo principal

"Raid a Marvão"

"A mui nobre e sempre leal Vila de Marvão, situa-se no Topo da Serra do Sapoio a uma altitude de 860 metros" - (in Wikipédia).
Foi para esta bonita Vila que pedalei durante 87 kms na companhia de 9 amigos do pedal numa iniciativa do Agnelo Quelhas, um também viciado destas "andanças"
Assim, pelas 07h30, juntei-me ao Agnelo, João Afonso, Fidalgo, João Valente, Luís Lourenço, Álvaro, Pedro Antunes e Sérgio Marujo, nas Docas, local de partida para esta bonita iniciativa.
Partímos por trilhos conhecidos e de pequeno grau de dificuldade, com passagem nas Benquerenças, (entrada) Represa e Sarnadas de Rodão, para entramos em Vila Velha de Rodão, local da primeira paragem do dia para a dose matinal de cafeína.
O grupo era animado e entre histórias e peripécias fomos conquistando kms e clicando nas digitais capturando imagens, tentando seleccionar as melhores, das que nos entravam pela retina ,plenas de beleza e harmonia e nesta primeira parte, explendorosas com o Rio Tejo como pano de fundo.
Num elegante carrossel ondulante, acompanhámos o Rio até que com alguma mágoa o abandonámos, para nos direccionar-mos para a Aldeia de Salavessa, onde chegámos sem grande dificuldade.
A partir daqui os trilhos passaram a ter outras formas e as paisagens outros contornos.
Com um bom andamento lá fomos ganhando terreno e aproximando-nos do nosso objectivo.
Numa curta e inclinada descida que daria início à "subida impossível", assim denominada pelo António Malvar, segundo o Agnelo, deu-se a primeira avaria do dia. A mola que segurava as pastilhas na minha roda dianteira, "aborreceu-se" de tanto aperto e simplesmente partiu-se, criando-me algum embaraço, pois estive muito perto dum monumental "tambolhão", que de tão atrapalhado que fiquei, nem decorei o nome do santo que me salvou. eh eh eh!!!
No início da dita subida, toca a despejar a ferramanta no chão e tentar solucionar o problema, pois alí não era zona onde um betetista que se preze, desistisse de tão bonita façanha.
Depois de tentar endireitar o que sobrara da mola com um pequeno alicate e paciência de relojoeiro, esta acabou por se partir, pelo que a solução momentânea foi continuar viagem com as pastilhas colocadas sem a respectiva mola e com as consequências que daí poderiam advir, mas que além do desgaste, barulho e falta de sensibilidade do travão, cumpriram a missão!!!
Já à entrada de Póvoa e Meadas, foi a vez do Luís Lourenço, cujas mudanças, solidárias com o 1º. de Maio (dia anterior) recusaram-se a trabalhar.
Mas depois duma desmontagem do "trigger", uns apertos de mola, uns pequenos safanões e uns esticansos de cabo, lá retomaram a sua missão de conduzir a corrente acima e abaixo, consoante o "capricho" do dono.
E quanto a avarias ficámo-nos por aqui.
Efectuámos a segunda paragem em Póvoa e Meadas e alí "merendámos" algo que nos ajudasse a continuar o nosso caminho.
Já no Alentejo mais profundo, rumáva-mos agora à bonita Vila de Castelo de Vide, conhecida como a "Sintra do Alentejo" derivado aos seus bonitos e abundantes jardins.
A chegada foi para mim espectacular e de um gozo tremendo, após ter conquistado a bonita e longa calçada pedalando muralhas adentro e por estreitas ruelas, Soberbo!!!
Mas não é só pelos jardins e pelo seu traçado medieval que Castelo de Vide é conhecida, pelo menos a partir de agora . . . e então aqueles belos e apetitosos "quisses" uns pastéis de nata tamanho XL com aquele docinho de "chila", que maravilha!!!
Foi então tempo de reunir a malta, descansar um pouco e continuar viagem, que outra bonita Vila aguardava ser por nós conquistada, quais mouros montados nos seus vistosos corcéis, desta vez de duas rodas, "ferrados" a borracha e guiados por "cavaleiros" já cansados e empapados em suor, de tempos mais modernos, ainda assim, com um largo sorriso nos lábios de tão gratificante conquista, fruto deste vício de pedalar em imensidões sem fim, na companhia de amigos e companheiros, alguns já de longa data.
A chegada a Marvão deu-se pedalando por bonitos trilhos e espectaculares single tracks "truncados" aqui e alí para as lides betetistas, que originaram umas quantas desmontadelas por dificuldade técnica.
À chegada, alguns familiares já nos esperavam e após um banho retemperador nas instalações da Santa Sasa da Misericórdia, rumámos à zona da Piscina Fluvial da Portagem, onde efectuámos um bonito piquenique na companhia dos familiares e restantes companheiros de aventura.
Sobre este evento, que realça bem o espírito que eu partilho sobre o btt, apenas três palavrinhas - "VIVA O BTT!!!"

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Slideshow

Comentários

Agnelo disse…
Caro amigo, agradeço a sua presença nesta aventura. Venha a próxima.
Parabéns pelas fotos e pelo relato.
Abraço
AQ

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…