Avançar para o conteúdo principal

"Orca"

Quando pela manhã dei uma espreitadela pela janela da cozinha, não gostei!
Parecia qua a chuva iria começar a cair a qualquer momento.
Seguiu-se a indecisão do vais, não vais, mas, acabei msmo por ir. Ia mesmo convencido de que desta vez não escapava . . . ia mesmo apanhar uma "molha"!!!
Eram 09h quando dei as primeiras pedaladas em direção à Orca, aldeia cuja designação atesta a importância do lugar desde os primeiros tempos de povoamento na Península Ibérica.
De fato, Orca é designação para um Dólmen bastante peculiar. Um monumento megalítico formado por uma anta de câmara poligonal e um corredor envolvido por uma mamoa.
Mas já chega de história!!!
Agora a pedalar, passei pelos Escalos de Baixo e de Cima e desci a S. Gens, onde afrontei a primeira subida do dia, a S. Miguel D'Acha.
Fugindo um pouco a velhos hábitos, não parei desta vez no Café da Dona Maria, mas sim na Pastelaria "Flor do Outeiro" ao cruzamento para Vale de Prazeres.
Ía com o sentido no "pãozinho de Deus" e no néctarzinho de pêra, que caíu que nem "ginjas"!!!
Já aconchegadinho, rumei então à Orca, descendo ao vale e passando a Ponte Medieval sobre a Ribeira do Taveiró, cheguei à Orca após concluir a suave subida.
Paragem na fonte para atestar bidon e continuei para Vale de Prazeres, onde passei pela subida do dia até á fonte, á meia encosta da Serra da Gardunha.
Desci para Alpedrinha e após passar o cruzamento das Atalaias, virei à direita para a Soalheira, onde parei, no Café das Bombas, para a dose cafeínica, que saborei, com tempo, espaço e sem stress.
Cruzei a Soalheira por algumas estreitas ruelas em paralelo, apreciando o traçado de algumas casas peculiares, até que cheguei ao largo principal, com a sua minuscula rotunda e pequena estátua em homenagem aos sapateiros. Fiquei hoje a saber, depois de tantas e tantas vezes que por ali passei, que a Soalheira é a terra dos sapateiros. E esta, heim!!!
Pela estreita estradinha das hortas, rumei à Barragem da Marateca, que contornei até ao paredão, seguindo depois para a Póvoa de Rio de Moinhos.
Sempre bonita, aquela extensa bacia hidrogáfica, cuja beleza pode ser espreitada em qualquer dos seus ângulos.
Marquei depois o azimute a Caféde e entrei na cidade pelos Buenos Aires, com 91 kms pedalados pelas bonitas estradas cá do nosso interior e, mais uma vez, de fatinho enxuto, apesar do céu bastante nublado a ameaçar chover a qualquer momento. Creio que o S. Pedro gosta de me ver por aí, pedalando numa boa!!!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …