Avançar para o conteúdo principal

"Há dias assim!!!

Ontem que beneficiava da disponibilidade de dois amigos, aproveitei para ir dar uma espreitadela numa secção de 40 kms, no norte alentejano, onde iremos passar no próximo sábado, dia 05 de Outubro, rumo ao Altar de Fátima em  Btt.
Sendo uma etapa algo longa e como é um percurso redesenhado, as surpresas desagradáveis relativamente à ciclabilidade dos trilhos não são muito bem vindas e eu gosto de me precaver, sobretudo quando sou acompanhado por amigos.
Mas ontem, houve um par de situações que me ultrapassaram. Não fosse eu um tipo em que habitualmente os problemas são para se resolver e não para dar abertura à nossa linguagem mais vernácula, ou dar um bom par de murros no capot do carro, o dia tinha ficado estragado.
Saí de casa pelas 07h e fui buscar o Vasco Soares e o Nuno Eusébio, os meus companheiros nesta pequena aventura.
Saímos em direção a Vila Velha de Rodão e parámos na Pastelaria Rodense para o segundo pequeno almoço composto pelo cafezinho matinal e pelo pastelito de nata.
Até aqui tudo bem. Apesar dos chuviscos que caiam desde a nossa saída de Castelo Branco, tudo apontava para que fossem passageiros.
Chegámos ao local de inicio, a bonita e castiça aldeia de Chão da Velha e quando olhei para o compartimento no tablier do carro onde usualmente coloco chaves e afins, verifiquei a falta das chaves de casa. Dei uma volta pelos bolsos e sacos e nada!!!
C'um catano!!! queres ver que deixei as chaves penduradas no portão da garagem!
Telefonei de imediato à minha esposa, mas esta já tinha saído para a escola. E agora!!!
A minha mulher é de fato uma SANTA!!! Voltou para trás e foi buscar as chaves que, sorte a minha, lá estavam penduradas no portão da garagem, entregando-as no café para que as recolhesse quando chegasse.
Ufa . . . desta já me safei! vamos lá dar umas pedaladas.
Preparámos as bikes e restante material e quando ia calçar os sapatos, fiquei surpreendido!
Minha nossa!!! Outra vez!!! Não pode ser!!!
Tinha levado os sapatos da bike de estrada, logo, era impossível pedalar com eles na bike de btt.
Bom lá tive que pedir desculpa à malta pela trapalhada.
Mas como também eles não se chateiam com qualquer coisa, concordaram em esperar 1 hora, o tempo que eu previ para regressar a casa e trocar os sapatos.
E assim aconteceu! Lá regressou o AC a Castelo Branco, trocou os sapatos e voltou ao Chão da Velha.
Entretanto começara a chover e quando lá cheguei, lá estavam eles debaixo de uma amoreira abrigados da chuva.
Não haja dúvidas de que a vida de betêtista é mesmo dura! eh eh eh!!!
Já com a situação normalizada, fomos então pedalar. Como ainda chovia qualquer coisita, vestimos os casaquinhos impermeáveis, mas, passados para ai uns trezentos metros, já suávamos e a chuva tinha parado.
Que maravilha. A temperatura foi aquecendo ao longo da manhã e a chuva não mais voltou, transformando o dia ideal para a pratica deste bonito desporto.
Lá fomos então pedalando, absorvendo aquelas bonitas paisagens norte alentejanas e desfrutando dos trilhos que me deixaram encantado. Tinha feito uma boa opção ao escolhê-los para estes caminhos de Fátima.
Tudo corria às mil maravilhas e ainda bem que resolvi ir fazer a edição destes trilhos, pois tive que efetuar uma alteração para evitar um bom par de "paredes" que até a empurrar a bike seria difícil.
O problema foi resolvido com a passagem por outra seção de trilhos e sem grande dificuldade. Correu bem, agora, venha de lá o fim de semana de 5 e 6 de Outubro, para que os bicigrinos, na sua maioria já "beatos" nesta peregrinação, que na vertente btt, vai já para a sua sexta edição.
Parámos numa das bonitas aldeias que iremos cruzar nos caminhos de Fátima, comemos um par de sandochas para criar "potência" e continuarmos esta edição dos trilhos.
A chegada ao Gavião deu-se por um bonito single track. Depois de nos refrescarmos com umas bebidas frescas e comermos mais uma sandocha, regressámos ao Chão da Velha por asfalto.
Foram 81 kms pedalados por bonitos trilhos, com paisagens magníficas e aldeolas bem castiças cá do nosso interior. Umas praticamente desconhecidas, outras nem tanto.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Ora aqui está uma prova de que os "pesadelos" podem ser transformados em "sonhos"!
Mas, com o Don António, também outra coisa não era de esperar!
Também é de louvar o empenho em introduzir, ano após ano, melhorias na peregrinação a Fátima em BTT.
Eu, como já disse, resta-me apenas "gozar virtualmente" com estas reportagens e "acompanhar-vos", podem estar certos, nos magníficos trilhos e momentos de convívio que seguramente vão acontecer!
ABRAÇO para TODOS
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…