Avançar para o conteúdo principal

"Uma aventura transibérica"

Já há algum tempo que tinha planeado esta aventura transibérica por asfalto. Já tinha inclusive lançado o desafio a um ou outro companheiro, mas por este, ou por aquele motivo, a "coisa" não aconteceu!
Este ano anda aí uma rapaziada a criar "endurance" para participar no Sky Road na Lousã e falei-lhes deste percurso. Ontem foi o dia D.
Eu, o Nuno Maia, o Rui Salgueiro e o Vasco Soares fizemo-nos à estrada pelas 07h de ontem em busca de aventura e evasão, entrando em Espanha pela Barragem de Cedillo e regressando a Portugal pela Barragem de Alcântara.
Com o fresquinho da manhã a "clamar" pelos manguitos que ficaram em casa, descemos a Vila Velha de Rodão e parámos na Bolaria Rodense, para o cafezinho da manhã acompanhado por um salgadinho.
Subimos a serra e descemos para a Vinagra, continuando por S. Simão e Salavessa para entrarmos em Montalvão, onde fizemos nova paragem no Restaurante o Rei do Camarão para comer umas sandes e nos despedirmos da comida portuguesa.
Seguimos em direção à Barragem de Cedillho que cruzámos sob o olhar atento do guarda que não autoriza ninguém a por o pé no chão nos passadiços da barragem. Apenas a passagem de viaturas é autorizada e em época sazonal.
Subimos a Serra de San Pedro e continuámos até à Aldeia de Cedillo que ladeámos, continuando até Santiago de Alcântara pelas áridas "dehesas extremeñas"
Parámos no largo junto à igreja e no bar La Plaza refrescámo-nos com um par de "jarritas de caña com limón" acompanhadas de "unos pinchos" para empurrar a coisa.
Já sequiados continuámos a nossa aventura pedalando por ondulantes e longas retas de asfalto, passando por Carbajo até chegarmos a Membrio, onde efetuámos a paragem para almoço no Mesón Fortuna.
Com uns belos "bocadillos de lomo caliente e unas jarras de cerveza com limón" ficámos de novo OK e prontos para continuar.
A travessia de "las dehesas de Brozas" foi uma passagem um pouco cansativa pela imensidão de terreno árido que mais se assemelhava a um deserto.
Valeu-nos a bonita passagem pelo Rio Salor com a sua bonita ponte medieval e a bonita visão de alguns veados um pouco mais à frente.
Foram kms de pedaladas em linha reta ondulante até chegarmos a cruzamento com a EX.207 para Alcântara.
Aqui fizemos nova paragem no café da praça para nos refrescarmos, descendo seguidamente á imponente ponte romana que cruza o Rio Tejo, logo após o paredão da barragem.
Ali estivemos um pouco registando o momento com as digitais e continuámos em direção a Piedras Albas, o derradeiro "poblado", antes de entrarmos em Portugal.
Cruzámos a fronteira em Segura e ainda com uma boa pedalada continuámos até à Zebreira para uma nova paragem para beber algo fresco e atestar bidons.
Ladoeiro foi o nosso próximo destino e feita a última subida do dia, a Monheca, passámos Escalos de Baixo para pedalar os derradeiros kms e entrar na cidade radiantes, após uma boa aventura transibérica, que culminou com 231 kms pedalados em grupo e em excelente harmonia.
Rapaziada animada e de boa companhia, fizeram com que esta aventura se concretizasse, contribuindo para mais um excelente dia de pedaladas.
No final, uma paragem na Esplanada das Laranjeiras, foi a sossega e a despedida, com a promessa de novas aventuras.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…