Avançar para o conteúdo principal

"Por Tinalhas à Ribeira do Tripeiro num percurso circular"

Pelas 8h, nas Docas, o local de "embarque" da maioria das nossas voltas betêtisticas, juntaram-se, eu, o José Luís, o Pedro Antunes, o Luís Lourenço, o Nuno Dias, o Álvaro Lourenço e o Nuno Eusébio, para uma manhã descontraída, onde o btt funciona como uma terapia para as "mazelas" adquiridas ao longo da semana.
Depois da pergunta da praxe, se alguém tem algum percurso planeado, a resposta foi o silêncio.
Já sabia que seria eu a programar uma voltinha para a malta se divertir um pouco . . . e faço-o com muito gosto, pois gosto de partilhar com a rapaziada alguns trilhos que conheço por aí!!!
Saímos da cidade em direção à Atacanha e pela Coutada do Vaz Preto rumámos à Quinta de Valverde, uma passagem que pelas aramadas e passagens anti gado já colocadas no local, me parece que vai ter que ser alterada nas nossas voltas num futuro muito próximo . . . oxalá me engane!
Depois de passarmos pelo Penedo do Corvo e Vale Coelheiro, enfrentámos a primeira dificuldade do dia, a subida das "três toneladas", que nos deu acesso a Tinalhas, onde parámos no café junto à igreja, para a matinal dose de cafeína, para alguns, outros optaram pela "joína" e pela "cocacolina", agora em versão "atramossada"!
Abandonámos Tinalhas e depois de circundarmos a Quinta de S. José, cruzámos a M.550 junto ao Santuário da Rainha santa Isabel, para descermos até ao limite do Vale de Prande, seguindo depois pelo Vale das Barrocas, Barroca do Forno, Vale Sando, Manssama e Zebreira Grande, até às passadouras da Ribeira do Tripeiro, que dão acesso ao Chão da Vã.
Aqui virámos o azimute em sentido inverso e pelo Vale Cimeiro, rumámos ao Salgueiro do Campo.
O percurso de hoje era essencialmente plano, mas com um triozinho de "carocitos" para a malta não esmorecer.
A subida à Serra pelas inclinadas ruelas da aldeia, alertaram a rapaziada de que aquela, não era tão plana como parece.
Atingimos a cumeada depois de um bom par de rampas de respeito e seguimo-la, ladeando as antenas, com uma visão fantástica sobre o vale. Magnífico!
Descemos ao Palvarinho e parámos no café "Fontenário" para umas bebidas frescas e dois dedos de conversa.
Descemos novamente, agora à Ponte de Ferro, que cruza o Rio Ocreza na Azenha do Santo e enfrentámos a última dificuldadezita do dia, com a subida ao Penedo Gordo.
Virámos para o Cabeço da Barreira e seguimos para as casas do Formigo, onde andámos "à nora" com as novas aramadas e pela Tapada da Abeceira, chegámos à Talagueira, cuja barragem se encontrava hoje com "lotação esgotada", presumivelmente com um concurso de pesca.
Entrámos na cidade pela piscina praia e eu o Álvaro e o Pedro despedimo-nos da rapaziada, pois moramos no outro extremo da cidade.
Uma bela manhã de convívio, umas boas pedaladas e divertimento quanto baste, são já dados adquiridos quando se juntam alguns dos "habitués" destas andanças.
58 kms foram suficientes para descarregar o stress acumulado e partilhar bons momentos de diversão e camaradagem!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC 

Comentários

Fidalgo disse…
Impressão minha ou ficou uma cadeira vazia entre o Luis e o Pedro???? Quanta consideração, até me guardaram um lugar. Estou a ficar emocionado, ainda vou estragar o PC!!!!!

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…