Avançar para o conteúdo principal

"Betêtada Juncalina"

Assim é fácil!
Uns gajos de cá e uns gajos de lá, acompanhados das suas "grossalhudas", amizade despretensiosa, uns trilhos pra "malhar" e umas tascas pra visitar, alegria e constante boa disposição e um belo repasto no final, fazem estes dias serem especiais, simples e descontraídos.
Assim foi o dia de hoje, num excelente convívio com a rapaziada do Juncal do Campo.
O ponto de encontro foi pelas 08h00 junto ao campo de futebol daquela aldeia e depois dos cumprimentos da praxe e umas boas larachas, fomos molhar o bico com uma "giribita" no bar do clube.
Descemos depois à Zebreira Grande e tomámos o rumo ao Barbaído.
Cruzámos a aldeia e passada a Várzea Fundeira, cruzamos pela primeira vez a Ribeira do Tripeiro para a Várzea do Porto do Conde.
Fomos até à aldeia de xisto de Martim Branco onde tivemos uma paragem forçada derivado ao furo na roda da bike de um dos nossos companheiros.
Já com a anomalia solucionada continuámos, agora em direção à Carvalheira, com direito à apanha do famoso míscaro, com workshop e tudo.
O Luís Lourenço foi o carregador de serviço até à chegada á N112, onde os mesmo foram escondidos para recolha posterior.
Cruzámos a estrada e entrámos na Esteveira de Baixo, cruzando os novos olivais rumo a Chão da Vã, com paragem na tasca local para mais uma sessão de "angelica".
Cruzámos a povoação e um pouco mais à frente, voltámos a passar pela Ribeira do Tripeiro, agora com mais caudal, mas com as passadouras para os mais lestos e sem vertigens.
Seguimos para o salgueiro do Campo, que ladeámos em direção ao Palvarinho, com nova paragem no Café da Praça, para mais um "shot de giribita".
A passagem pela capela de S. Lourenço, fletimos à esquerda e fomos até ao Valado, onde entrámos em asfalto, pois a chuva prevista para as 12h00, fizera a sua aparição, para mais rápido chegarmos ao local onde tínhamos as viaturas.
Mas antes, uma derradeira paragem na casa de um dos companheiros do Juncal, para a última "angelica". desta vez enriquecida com umas boas "abêberas", antes do banhinho retemperador.
Já com o outro fatinho vestido, o de cerimónia, fomos até ao clube, onde enquanto esperávamos pela bela da feijoada, trocámos a jeropiga pelos branquinhos traçados, que caíam na mesa, que nem tordos. Ufa!!! É preciso estar bem treinado, senão é um daqueles empenos de cara à banda e andar de esguelha!!!
Estávamos nós entretidos nesta série de branquinhos, quando veio a ordem para subir ao "salão de cerimónia"!
Mesa posta e toca a malhar na "dita cuja".
Uma bela feijoada, feita por quem sabe, o belo do queijo fresco e também do curado, em formato XXL, pinga da boa, malta a condizer, foram o mote para um espetacular momento de animação, divertimento e sã camaradagem.
Já de papinho cheio e cafezinho tomado, somaram-se mais dois dedos de conversa e a despedida daquela malta porreira com um até à próxima.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC 
 
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …