Avançar para o conteúdo principal

"Uma "santa" volta vadia"

Hoje deu para me levantar cedo.
Eram 06h30 quando abandonei o vale dos lençóis e me preparei para ir passear a minha "santa", a solo e em modo vadio, como tanto gosto.
Já há algum tempo que não me atrevia a trilhar vales e cabeços em solitário, recordando alguns cantos e recantos onde já há bastante tempo não passava e quiçá, encontrar outros cantinhos para dar umas agradáveis pedaladas.
Abandonei a cidade ainda antes das 07h30 e tomei o rumo a Alcains, via Atacanha e Santa Apolónia.
Cruzei a vila e logo depois a N.18 e andei entretido nalguns carreirinhos, rumo a uma velha passagem sobre o rio Ocreza. Um velho e estreito pontão meio escondido entre os salgueiros que ladeia o rio.
Passei o rio e já nas proximidades da Póvoa de Rio de Moinhos, fui até à "Flôr do Outeiro" tomar o cafézinho martinal e degustar o delicioso pastelito de nata.
A manhã estava por minha conta, o stress já não me afeta com a mesma intensidade que em tempos idos e a paixão por uma voltinha de bicicleta ainda me faz vibrar um pouco, por isso, a tranquilidade e a contemplação da natureza, não carecem da minha parte qualquer tipo de esforço. acontecem de forma natural!
Já bem aconchegadindo entrei no estradão que segue em direção à rabaça e umas centenas de metros antes, virei à direita para Caféde.
Cruzei a aldeia, ainda meio adormecida e fui até às três toneladas, cuja conhecida dificuldade ultrapassei hoje de forma calma e descontraída, seguindo depois em direção a Tinalhas.
Não entrei na povoação e deambulei por cabeços e vales rumo ao Sobral do Campo, acabando por fletir à direita e virar o azimute à marateca, que daquele local tinha uma vista magnífica, um pouco prejudicada pela falta de brilho que o sol teimava em não ofrecer nesta bela manhã para pedalar.
O céu mantinha-se cinzento, com uma ou outra nuvem mais ameaçadora, acabando por ser ameaças vãs.
Resolvi seguir de novo em direção à Póvoa de Rio de Moinhos, voltando a cruzar o Rio Ocreza, mais a montante da vez anterior pedalando em bonitos estradões rumo à A.23, que cruzei numa passagem inferior e passndo a N.18, fui até ao Monte da Ordinha, onde virei de novo para Alcains.
Voltei a passar por Santa Apolónia e pela Atacanha, para chegar à cidade, pelas 12h15, com a "barriguinha" cheia de belos trilhos e singelas veredas.
Como o David Vila Boa tinha a loja aberta àquela hora, lá o consegui desencaminhar para me acompanhar numa bebida e dois dedos de conversa na pastelaria do João carteiro.
Uma voltinha vadia de vez em quando, faz-me ver "a coisa" noutra perspectiva, descarrega-me o stress, carrega baterias e acabo por lá deixar um ou outro pensamento dúbio, que por vezes me tolda a "mona" e baralha o pensamento.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…