Avançar para o conteúdo principal

"Rumo às Sarzedas"

Depois de ter feito uma pequena manutenção na minha "santa", mudando-lhe a corrente e cassete, já com uns bons kms de uso, tinha que esticar a corrente e acamar a mesma e a cassete, com uns kms lá pelo mato.
Por isso combinei com o Sandro Gama uma voltinha até às Sarzedas e voltar, num percurso circular.
Depois de preparadinho com a primeira refeição do dia no "bucho", fui buscar a "santa" e rumei ao café "O Petisco" para o cafézinho e esperar pelo Sandro.
A meio caminho tive que voltar a casa, pois esquecera-me das pilhas do gps.
Já no café e na companhia do Sandro, comentei que não estava a gostar do comportamento do material pois estava a querer fazer chupões, ainda antes de apanhar areia e lama.
Pensei que com uns kms acamasse, pois quis ser poupadinho e tentar que o prato pequeno do pedaleiro aguentasse mais uma corrente.
Já a chegar à rotunda do Modelo/Continente, reparei que também não levava água. Chiça, ando mesmo com problemas cognitivos.
Voltei atrás buscar um bidon com água e resolvi logo mudar o prato pedaleiro.
Mudei o prato num instante e já com o relógio a caminha para as 19h00, abandonamos a cidade para percorrermos o percurso previamente planeado.
Saímos pela Talagueira e Baixo da Maria e rumamos às Benquerenças.
Depois da passagem por uns trilhos catitas, descemos à Foz da Líria e subimos aos Calvos, uma daspoucas passagens para o lado de lá.
Chegados aos Calvos, entramos nuns trilhos arborizados e fomos até às Teixugueiras e Lomba Chã,,onde viramos o azimute à serra das Sarzedas, para a subirmos por uma das vertentes que dá pica, pela sua inclinação, alguma técnica e agora um pouco mais complicada com as primeiras chuvas, pois o terreno é bastante barrento.
Lá subimos aquela "coisa" e descemos às Sarzedas para comemorarmos com uma bjeca na tasca esquisita lá da esquina.
Abandonamos a aldeia pelo lado da igreja e cruzando vales e cabeços fomos até à Malhada do servo, onde chegamos por uma arfante subida, pouco "malhada, ou nada "malhada", pela malta do pedal e não só. 
Dali tiramos o azimute à aldeia de Camões, onde não entramos, cruzamos o rio e rumamos ao Salgueiro do Campo e Palvarinho.
Descemos à Ponte de Ferro e enfrentamos a subida ao Rouxinol.
Já no alto fomos em direção à Tapada das Figueiras cruzando o Monte da Massama, inventando trilhos, pois os outrora existentes, simplesmente desapareceram por culpa do arado.
Uma excelente volta na agradável companhia do Sandro, que culminou com 73 kms bem pedalados e um bom par de peripécias.
A minha "santa" gostou e mostrou-se estar à altura do desafio do próximo fim de semana, em direção ao mais bonito e conhecido altar mariano de Portugal. 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…