Avançar para o conteúdo principal

"Fátima 2015"

Um ano bastante atípico, chuvoso, lamacento e sem chama.
Este ano éramos sete os participantes nesta "peregrinação" que pelas 06h30 do dia 11 abandonaram a cidade em direção à Aldeia do Mato, situada numa das margens da barragem de Castelo de Bode e final do primeiro dia.
Logo na primeira aldeia, os Amarelos, paramos para saborear um panike de chocolate e beber o cafézinho da manhã.
Seguimos depois para os Rodeios e passando Alvaiade, Perdigão, onde efetuamos nova paragem, Vale da Figueira, Montinho, Vilar do Boi, Carepa, Vermum, Carvalhal e Silveira, chegamos à barragem da Pracana, onde paramos para comer algo e tirar a foto de grupo.
Subimos depois à Zimbreira e pelo Vilar da Lapa e Viale do Grou chegamos a Mação, onde paramos para almoçar no Restaurante "Casa Mansinho".
Subimos ao Penhascoso e com passagem pela Queixoperra, Vale Formoso, Barragem da Lapa, Entrevinhas, Sardoal, com paragem para beber uma cerveja, Carvalhal, Brunheta, Ribeira da Brunheta, Carregal, e Carreira do Mato, chegamos ao destino, o empreendimento rural da Quinta da Eira Velha, onde pernoitamos.
Jantamos num bar logo ali ao lado, uma refeição meia feita, meia por fazer e com  um  proprietário de bar castiço e meio "encharcado", que até animou a coisa.
Um dia em que práticamente nos livramos da chuva até cerca das 11h00, mas que gramamos intensivamente até às 18h00, hora de chegada à Aldeia do Mato.
No segundo dia, tomámos o pequeno almoço pelas 07h30 e depois de prepararmos as bikes e o restante material, partimos em direção a Fátima.
Este ano tinha preparado umas pequenas surpresas com uns trilhos repletos de bonitos e adrenalínicos single tracks, a percorrer junto margem direita do Rio Tejo até Vila Nova da Barquinha, na Barroca, Bonito e Atalaia.
Deixamos a Aldeia do Mato para trás e passamos pela Medroa, Constância, Almourol, Tancos e Vila Nova da Barquinha.
Entramos na zona da Barroca e Bonito e nem chegamos a desfrutar dos seus maravilhosos trilhos.
A lama e o barro eram de tal ordem que tornava quase impraticável a progressão nalgumas zonas.
Decidiu-se anular o track inicial e seguir até Fátima por asfalto, pelo que entramos na N.110, após uma das passagens superiores da A23 que nos levou até Tomar, onde almoçamos no restaurante S. Lourenço.
Seguimos depois para Ourém e Pinhel, subindo a Fátima pela Atouguia.
Depois do banhinho tomado e desta vez com água quentinha, mandamo-nos ao apetecido e monumental lanche que os familiares sempre nos proporcionam à chegada a Fátima.
Depois da pequena visita ao santuário, regressei a casa, depois de mais um ano em que fiz a ligação a Fátima em Btt, a VIII e talvez a última nesta modalidade.
Neste último dia a chuva abrandou um pouco, mas mesmo assim não havia condições para tirar fotos.
A máquina foi guardada na mochila no primeiro dia e no segundo ficou logo no saco da roupa, pelo que há apenas umas poucas fotos tiradas na manhã do primeiro dia.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silverio Correia disse…
Saudades de partilhar um caminho para Fátima com os Amigos Albicastrenses!
Parabéns e Abraço para TODOS
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pela Beira Alta e Beira Litoral.

"Aqueles que não fazem nada estão sempre dispostos a criticar os que fazem algo" (Oscar Wilde)
Na companhia dos amigos Francisco Mendes e Dª. Zarita, José Paulo e Carla Paulo e Nuno Silva, fomos dar um belo passeio de mota pela Beira Alta e Beira Litoral. Com o ponto de encontro no parque de estacionamento do Hipermercado Continente, lá nos juntamos pelas 06h00 para mais uma aventura mototuristica. Partimos em direção a Valhelhas, onde viramos á direita e serpenteando o bonito Vale da Estrela, fomos até à barragem do Caldeirão, onde paramos para apreciar aquela imponente bacia hidrográfica.
Fomos depois entrar na velhinha N.16 por onde rolamos até Aveiro. É uma estrada pouco movimentada mas com um razoável interesse turístico, onde destaco a passagem que contorna a Serra do Alvendre pelo Vale do Rio Mondego e a passagem entre Paçô e Sernada do Vouga, ladeando o bonito Rio Vouga. Passamos por muitas aldeias, vilas e algumas cidades, onde destaco Celorico da Beira, Mangualde, …