Avançar para o conteúdo principal

"Uma visita aos Amarelos e Sarnadas de Rodão"

Pensamento:
"Nada mais tão útil ao homem, como a resolução de não ter pressa"
(H. Thoreau)

.o0o.


Percurso no google



Altimetria

.o0o.


Hoje equacionei ir andar sózinho de BTT.Primeiro, por ser o dia seguinte à Maratona de Idanha e segundo, por a previsão meteorológica ser de chuva.
Por isso, deduzi que o pessoal estaria a recuperar do "empeno" do dia anterior e os que não foram à Maratona teriam medo da chuva.
Fiz uma má avaliação
Quando cheguei ao P. Infantil da Pires Marques vi logo o Fidalgo e logo de seguida chegou o Dino. Entretanto chega o Arlindo montado na sua velhinha B1 HT.
Já eramos 4.
Fiquei um pouco mais animado, tanto mais que tinha decidido ir até à zona de Amarelos e Sarnadas, confirmar umas ligações de trilhos para amenizar uns topos de sobe e desce, pois o acumulado do raid do rei Wamba já tem que chegue, se lhe pudermos extrair alguma coisita, a malta agradece.
Lá partimos os 4 em direcção aos Amarelos.
Saímos pela Quinta do Socorro e rumámos ás piscinas Municipais, parqueamento do Jumbo e passámos pelas traseiras da padaria do Montalvão para termos acesso à Barragem da Talagueira, onde encontrámos um "montão" de malta a pescar.
Aquele peixe deve ser saboroso e estar gordinho com tanta "merda" que "vitamina" as águas daquela barragem.
Continuámos até à zona oeste da Zona Industrial pelo estradão que vem do Ribeiro da Seta e descemos para o Baixo da Maria para apanharmos o estradão para as Benquerenças.
Entrámos na estrada que dá acesso à povoação junto ao antigo "Bataclã", recordação armazenada apenas na memória dos mais velhinhos e apanhámos de novo o estradão junto ao depósito suspenso que nos levou até à passagem inferior junto à linha férrea, para termos acesso ao antigo apeadeiro do Retaxo, onde tomámos café.
Dali seguimos para os Amarelos pelo Vale Pinto.
Nos Amarelos andámos um pouco à roda para decidir qual o trilho mais directo aos meus objectivos.
Depois de encontrado o trilho, rumámos às Sarnadas de Rodão, circulando pelo interior da povoação e descendo para a estação ferroviária, passámos na passagem superior que dá acesso à EN18 que cruzámos e continuámos até à Fonte Nova, onde parámos para comer e dar dois dedos de conversa.
Dali encetámos o regresso à cidade, pois já tinha delineado os trilhos que pretendia naquela zona.
Passámos pela Portela da Vila e traseiras das Bombas da Galp na IP2 e seguimos paralelos áquela via até à Represa, para seguidamente entrarmos nun single track que nos levou à estrada que dá acesso ao Complexo das Olelas.
Mesmo à entrada do recinto, o Dino teve um furo na roda traseira da sua ainda brilhante "Rockrider".
Substituiu-se a câmara de ar em animada cavaqueira, mas o pior ainda estava para vir.
Na descida rápida das Olelas e numa curva com inclinação negativa, o Dino sai disparado da bicicleta e cai numa zona de mato ardido com paus de esteva queimado que são autênticos estiletes.
Graças a Deus não se magoou, foi mais o aparato.
A origem da queda está bem documentada em fotos que apresento nesta postagem.
O pneu da frente saltou do aro ao curvar, ficando como as imagens documentam. Como é possível!!!
Não se magoou a sério, por puro milagre.
Já refeitos do susto e o Dino também não é rapazinho para ficar a chorar pelos cantos, montámos nas biclas e continuámos com a mesma animação como se nada tivesse acontecido, em direcção à cidade, onde chegámos pouco depois das 13h, com 50 kms percorridos em ritmo alegre.
.o0o.
Terça Feira, dia 22, se quiseres pedalar aparece pelas 08h30 no P. Infantil da Pires Marques.
Até lá
.o0o.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…