Avançar para o conteúdo principal

"A ver o Ponsul"

Pensamento:
"Os anos ensinam muitas coisas que os dias desconhecem"
(autor desconhecido)


Percurso no Google

.o0o.
Apesar de algum vento, hoje o dia apresentou-se solarengo e ainda assim, apetecível para dar umas pedaladas.
Pelas 08h30, juntei-me à malta na Pires Marques, para mais um dos nossos passeios domingueiros.
Hoje, fomos 7 os que quiseram partilhar comigo umas pedaladas. Nuno Maia, Dino, Marcelo, Joaquim Cabarrão, Jorge Palma, Agnelo Quelhas e Ruben.
Após a escolha da zona para a volta de hoje, fomos para a zona do Ponsul.
Saímos em direcção ao Quinteiro e ao primeiro pequeno obstáculo, o Nuno Maia desiquilibrou-se a subir uma pedra e ao sentar-se pesadamente sobre a parte traseira do selim, partiu o espigão, um FSA de carbono??????, ou seja, uma finíssima película de carbono que envolvia o plástico que partiu de forma redonda.
A saber:
Como é do conhecimento geral, o carbono é uma fibra caríssima. Portanto, quem compra carbono a preço acessível, das duas uma, ou na loja se enganaram no preço, ou de carbono pouco ou nada tem. E ainda!!! O carbono, quer queiram quer não, é preto, cor de azeviche. Quem compra carbono branco, azul, vermelho, eu sei lá, desconfie, pois as resinas podem-se colorir, o carbono não.
Ok. acabo já a seca!!!
Voltámos atrás à minha garagem para emprestar um espigão em alumínio com o respectivo selim, um Selle Itália SLR, ao Nuno Maia, para continuarmos a nossa voltinha.
Tornámos a sair pelo Quinteiro, passámos o Monte do Zeferino, Cutileiro, continuámos pela Rebouça de Baixo, Chão da Granja e Monte do Pombal, onde nos encostámos ao Rio Ponsul durante algum tempo e junto à sua margem direita, merendámos debaixo duma figueira.
Já mais recompostos, seguimos para a Granjinha de Baixo para dar início à longa e pedregosa subida que nos levou até quase ao arraial dos Bouchalinos.
Ali, virámos à esquerda para a "adrenalítica" descida para o Compasso de Baixo.
Passámos o pontão da Ribeirinha e toca a subir até aos Quintalréis de Cima e Capa Rota, para apanhar seguidamente asfalto até Castelo Branco, passando pela Pedra da Garalheira, o monumento mais conhecido da malta betêtista.
Já à entrada da cidade, onde chegámos pouco depois das 12h, com 42 kms percorridos, a malta dividiu-se, seguindo o maior grupo em frente e eu e o Nuno Maia pelo Bairro das Fontainhas.
O Nuno Maia já só queria asfalto, pois trazia o "rabinho" maltratado pelo SLR.
O que se pode dizer de quem está habituado aos sofás de luxo da SMP.
Para mim, só para ver televisão sentado na Bike.eheheheh.
Hoje foi um "passeiozito" bastante engraçado e com alguma dureza e creio que toda a malta gostou apesar da já habitual "resmunguisse" do Marcelo quando se aproximam as subidas.
Pudera!!! Com aquele avião, até eu resmungava. Porém, resmunga, mas muito raramente é o ultimo a chegar. Alguma rapaziada das "light weights" esfarrampam-se atrás dele.
Hoje, para que conste, os pesos pesados aguentaram-se lindamente, caso do Joaquim Cabarrão que está a atingir uma forma invejável, o Marcelo que já nem o "air bag" estorva e o Nuno Maia, que a continuar assim, muda de classe com dispensa à oral.
.o0o.


.o0o.
Terça Feira hà mais pelas 08h30. Comparência no Parque Infantil da Pires Marques.

.o0o.
Atenção Malta!!
Dia 03 de Junho hà "RAID" ao Castelo do Rei Wamba" com vistas espectaculares para as Portas de Rodão".

Distância: Cerca de 80 Kms
Dificuldade Fisica: Média
Dificuldade Técnica: Média

Chegada fora do horário habitual de almoço.

Para o pessoal menos preparado, haverá percurso alternativo.

Não esquecer a alimentação e a hidratação.

ATENÇÃO: Só para sofredores e para quem goste de dar cabo do "canastro"

Não hà médias altas nem baixas: o andamento será ajustado ao grupo.

A partir de hoje, vou passar a chateá-los com um RAID mensal: seguem-se "Gardunha", "Cedillo" (Barragem) e outros.

.o0o.

Comentários

F disse…
Boas amigo AC. Foi mesmo uma excelente ideia esta dos Raids. Se não fosse ter compromissos familiares no dia 3, acompanhava-o nesSa que promete ser uma bonita aventura em BTT. Fica pá próxima - Gardunha ou Cedillo. :-)

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…