Avançar para o conteúdo principal

"III BTT Nocturno da Casa do Benfica de Castelo Branco"

Pensamento:

"Grande parte da vitalidade de uma amizade reside no respeito pelas diferenças, não apenas em desfrutar as semelhanças"
(James Fredericks)


.o0o.
Dia 2 de Junho de 2007.
"Uma data para recordar"
Foi neste dia, em todos os anos que ando de bike, e já são alguns, que aderi a um passeio nocturno.
Não sei porquê, mas sempre tive um certo receio em andar de bicla à noite.
Já saí umas quantas vezes ao fim do dia com a malta e regressei já de noite. Da primeira vez não levava qualquer luz, vim à boleia de outros, não gostei muito.
Depois comprei um "lampiãozito" melhorando um pouco, mas ainda assim, não fiquei muito convencido.
Mas queria experimentar a noite duma forma mais séria.
Então, comprei uns faróis já com alguma qualidade e fiz a minha primeira real experiência a semana passada no reconhecimento do BTT Nocturno da Casa do Benfica, a convite do Roberto.
Aí sim, adorei e fiquei fã.!!
Gostei à brava!!!!
Assim, pelas 20h30 lá estava eu nas "DOCAS" todo artilhado com os meus "lampiões" e com o facto de gala para o evento (equipamento do glorioso SLB) para a minha primeira participação.
O ambiente era de festa e senti-me envolvido em todo aquele ambiente de luz, côr e alegria.
Esplanadas a abarrotar de gente; betêtistas por todo o lado, todos eles artilhados para o evento, cada qual à sua maneira e de forma "sui géneris", que contribuiram ainda mais para a festa, caso da malta do BTTHAL com a sua "BIKE-AMBULÂNCIA", com todos os artefactos necessários para uma "cura" rápida e até uma "VMER" ia montada no "dorso do F.MIKE para o que desse e viesse. eheheh.
Havia também um balão (daqueles de verdade) montado no recinto e pronto para quem quisesse dar uma voltinha.
Música ambiente, e para que ambiente, com DJ.!!!
O local de partida e chegada dos participantes estava fenomenal e inteligentemente situado, e que melhor "padock" poderia haver para a partida do passeio senão as "DOCAS"
Com algum atraso relativamente à hora programada, lá partimos ao som da buzina do "COYOTE" (PJFA) que ajudou a colorir ainda mais esta verdadeira festa do BTT.
Descemos a Avenida 1º. de Maio e continuámos pela 25 de Abril em direcção ao NERCAB, onde virámos para a zona das piscinas municipais e parque de estacionamento do JUMBO e rumámos à Barragem da Talagueira pelo acesso nas traseiras da Padaria de Montalvão.
Aqui houve bastante malta que se enganou virando à direita, quando era para seguir pela esquerda, indo passar pelo meio do arraial, não por erro de marcação, pois esta lá e estava correcta e bem visível.
Surgiu então a primeira pequena dificuldade, se assim se pode chamar: um pequeno troço enlameado e a passagem do ribeiro do descarregador da barragem, que molhou a "meinha" ao pessoal.
O percurso manteve-se sempre bastante homogénio na sua maioria com estradões onde a malta não tinha qualquer dificuldade em pedalar.
Um ou outro topo mais inclinado que fez muita malta "botar o pézinho na terra" e empurrar a "menina" umas dezenas de metros, mas era de noite e ninguém viu.
Logo a seguir, alcatrão até às Olelas, onde nos esperava um farto e diversificado abastecimento, com a sandes de carne assada e outras: bolos da região, como os de mel, borrachões e côco e fruta variada com a particularidade das laranjas já partidas em quartos.
Caso para dizer: "isto é que é qualidade de vida". Muita da rapaziada teve alguma dificuldade em abandonar o local do abastecimento!!!
Até Castelo Branco, a "porreirinha" descida das Olelas e mais estradões e passagens entre pinhal e eucaliptos excelentes e uma apoteótica chegada à meta por uma das escadarias das "docas" que fez a delícia de alguns.
Por ali me mantive ainda algum tempo a conversar com amigos e vendo chegar alguns companheiros do pedal, regressando a casa para encostar a bicla, tomar o banhinho e regressar à festa, agora nas instalações da Cozmos, na zona industrial.
A recepção manteve o nível anterior.
Muita malta, toda ela bem disposta e agradada com o evento e jantar farto e bem confeccionado, acrescido de sobremesas de luxo e cafézinho a finalizar.
Quem quisesse, neste caso quem conseguiu arranjar vaga, poderia comer no exterior em explanada preparada para o efeito numa noite que também ela contribuiu para que tudo corresse às mil maravilhas.
No final foram sorteados diversos artigos pela malta, pondo termo a esta belíssima festa e na parte que me toca à participação do meu 1º. passeio noturno.
Fico já a aguardar o próximo.



.

Quem quizer dar umas pedaladas, desta vez diurnas, compareça no P. Infantil da P. Marques na Terça Feira, dia 5, pelas 08h30.
Até lá
AC





Dia 10, já no próximo Domingo, "1º Raid AC - Trilhos e Aventuras" ao Castelo do Rei Wamba em autonomia.

Partida às 08h do P. Infantil da Pires Marques.

Se queres "arfar" a sério, apresenta-te para poderes desfrutar duns quantos trilhos, estradões e singles da região e paisagens deslumbrantes.

Deixa o relógio em casa, traz "ração" extra e hidrata-te convenientemente.
Vais adorar.
AC

Comentários

Helder disse…
Muitos parabéns pela moldura humana que todos os BTTistas criaram na aldeia de Benquerenças, pois foi ai que assisti à passagem do BTTistas. Pois o Equipamento do glorioso fica-lhe que uma luva... e a câmara a filmar tb...
PS: embora você não me conheça eu sou um assiduo visitante do seu blog...

Cumprimentos benquerenceiros....

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…