Avançar para o conteúdo principal

"Uma volta memorável"

#2º. Raid AC-Trilhos e Aventuras#
"Uma visita à Guardunha"
(90 kms em autonomia)
08 de Julho
Partida às 08h do P. Infantil da P.Marques
.o0o.

altimetria

percurso no google

Hoje o dia apresentou-se bastante nublado, com previsão de chuva, o que veio a acontecer.

Ainda assim, saí de casa pelas 07h55 para me deslocar para o local habitual de encontro.

Alí aguardei cerca de 15 minutos sem que ninguém aparecesse. Disse cá para comigo. Hoje a malta receou a chuva e eu sózinho também não vou andar de btt e vou trocar pela asfáltica e fazer uns kms.

Quando estava a chegar à porta da garagem, toca o tlm. Era o Martin que se tinha atrazado. Voltei atrás pois já tinha companheiro para o btt. Saímos já perto das 08h30 e logo a seguir ao portal do frigorífico toca de novo o tlm. Desta vez era o Filipe que não se tinha apercebido da mudança de horário para as 08h e tinha então chegado ao P. Infantil, pelo que foi ao nosso encontro. Já éramos 3.

Como era malta com um andamento mais homogénio, resolvi preparar uma volta com todos os ingredientes. Seguímos então por Sta Apolónia, Estação, passámos a zona das hortas de Escalos de Cima para cruzar a EN.18-7 em direcção a S. Gens, onde não chegámos, cruzando antes a N.233 para os Muros e Nesvelha, onde atravessámos um pinhal com um trilho espectacular entre regos e raízes a terminar com uma descidita a requerer alguma técnica.

Daí seguimos para a zona do Lurgo da Nogueira, local frequentado durante todo o ano por vacadas. Os trilhos nessa zona além de bastante pedregosos e técnicos, são sempre preenchidos com alguma peripécia, e desta vez, também não fugiu à regra.

Cerca de 1 km após a passagem do portal, duas vacas postadas no caminho com as suas crias, que teimavam em abandonar o local e miravam-nos desconfiadas e com poses bastante esclarecedoras. Com várias sessões de palmas do Filipe e do Martin lá se desviaram pachorrentamente e como era a descer a malta "desopilou" dalí num ápice. Mais à frente mais umas quantas vacas com os seus rebentos e um deles resolveu dar a "mamada" mesmo no caminho e dalí não arredou "pata", com a progenitora sempre a olhar-nos fixamente deixando-nos algo apreensivos, pelo que resolvemos a questão contornando o cabeço a corta mato empurrando as bikes até apanharmos o trilho um pouco mais à frente.

Já junto à Ribeira de Alpreade, mais umas quantas "cornudas" com um porte de manter respeito e certamente com o cio, pois assim nos pareceu, fizeram-nos parar novamente e ladeá-las com cuidado, até que conseguimos chegar ao outro portal, o que foi para nós um alívio. A partir dalí acabaram-se as vacas. Depois foi subir para as Tendas e Vale da Pulga até chegarmos à Mata, onde tomámos o cafézito no "Gaitas". Depois do cafézinho, dirigimo-nos para a saída da povoação pelo Lagar do Tomé, quando começou a chover. Vestimos os "chubasqueros" e depois foi gozar pelos trilhos, ou vestígios destes, que nos levaram à Ribeira do Salgueirinho e Coito do Leitão entre erva alta e lage escorregadia, tentando adivinhar o trilho que desaparecia debaixo dos pneus da bicla. Foi um gozo!!!

Atravessános a N.240 no Alto da Monheca e circulámos umas centenas de metros pela estrada para Belgais, virando posteriormente à direita para descer para as Ferrarias e subir para o Barrão. Depois da subida atrasei-me um pouco e ao acelerar para apanhar a malta acabei por dar um valente "tralho" quando ao tentar ultrapassar um rego com alguma profundidade a roda da frente escorregou na terra mole fazendo-me voar sobre a bicla. Foi mais o aparato apesar de ter ficado com algumas escoriações. Mas o que mais me irritou foi ter de voltar atrás buscar a bike. Ossos do vício!!!. Quando cheguei junto da malta, o Martin tinha a bicla de "pantanas" para mudar a câmara de ar da roda de trás, pois tinha um furo lento. (Ai, Santa "nhanha") Como è que hà gente aue ainda a não usa? Dalí atravessámos o Monte São Luíz, passámos junto à Fonte Santa e Garalheira, chegando a Castelo Branco carca das 13h20, com 65 kms percorridos, o último terço do percurso debaixo de chuva. Mas foi um gozo a volta de hoje. Uma volta memorável.

.o0o.

Domingo, dia 24 não vou comparecer, pois vou com a minha asfáltica até Gáfete, mas certamente aparecerá malta para pedalar às 08h, no P. Infantil da P. Marques.

Divirtam-se!!!

AC



Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…