Avançar para o conteúdo principal

"Em busca de novos trilhos"

Altimetria
.o0o.

Hoje fui pedalar com o Filipe e resolvemos ir em busca de novos trilhos.
A manhã não estava muito fria, para a época do ano, apesar da neblina que se vislumbrava nas zonas baixas.
Saímos da cidade ás 08h10 pelo single das Palmeiras, S. Martinho, lixeira velha e rumámos às profundezas do Ponsul em busca de aventura.
Era minha intenção encontrar caminho de ligação para os Cebolais a partir da Ribeira do Muro, mas acabei por desistir, pois nas várias tentativas acabei sempre em "paredes" intransponiveis a pedalar.
Depois de algum tempo no vai e volta, resolvemos seguir em frente em direcção ao Cabeço do Pico, onde queria verificar uns singles que sabia existirem por ali, originários da passagem de gado e de javalis e veados, ficando a passagem para os Cebolais em "standby".
Das vezes que por ali passei em direcção ao Pico, ficou-me sempre na retina algumas entradas no matagal, que queria em devido tempo explorar.
Foi o que hoje aconteceu.
Encontrámos o início do "single track" junto às hortas velhas que seguimos sempre à meia encosta pelo meio de rebentos de eucalipto e lenha que é preciso contornar e ínumeras vezes saltar, necessitando alguma técnica, single este que é no meu entender um esteiro de javalis e/ou veados, pois abundam em quantidade naquela inóspita zona.
Este single levou-nos até a um estradão, que apenas cruzámos para entrar noutro single, ainda mais estreito, quase pouco mais largo que os pneus da bicla, desta vez feito pelo gado e que nos conduz serpenteando pelo meio do matagal em descida técnica e inclinada, até ao casario do Cabeço do Pico numa extensão total de cerca de 1,5 kms.
Ficámos "babados" e com a adrenalina a saír pelas orelhas. eheheh!!!
Mais um belo trilho para a minha colecção e agora também do Filipe!!!
No final do single, deparámos com dois indivíduos que nos olhavam admirados, de ver dois "indígenas" montados em bicicletas descendo pelo estreito carreiro do gado. O que terão pensado???
Um estava para cortar um velho sobreiro já caído e o outro seria o pastor, pois levava um burro à "arreata".
Por ali nos mantivemos algum tempo à conversa com o pastor e pouco depois partimos para dar continuidade à nossa aventura, desta vez, em direcção aos Lentiscais, onde parámos no bar do Centro Social, para tomar café e comer algo.
Seguidamente rumámos ao Monte do Picado e descemos para a Ponte Nova do Ponsul, para logo a seguir virarmos à esquerda para o Monte Chavelho, onde demos início à subida para a lixeira, a mais suave de todas elas.
Depois serpenteámos pelo eucaliptal que ainda resta por cortar naquela zona e chegámos ao Monte dos Cagavaios já com o S. Martinho à vista, que acabámos por contornar para de novo entrar no single, desta vez em direcção à Carapalha, onde me despedi do Filipe, na rotunda que dá acesso ao Amieiro.

Chegámos à cidade pelas 12h45, com 50 kms percorridos cheios de adrenalina e aventura.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

FMicaelo disse…
bem...um individuo falha um dia e vão logo ver de trilhos espectaculares... eu também quero ir fazer esses carreiros!! excelentes fotos mais uma vez! até terça! Lá estaremos para o baptizado das meninas! :-)
Abilio disse…
Eu também gostaria de conhecer esses singles!!! Fidalgo
Anónimo disse…
E...para não variar,pelo que se vê pelas fotos,mais uns trilhos espectaculares!!!mateus

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…