Avançar para o conteúdo principal

"Trilhos de Xisto # Na senda dos lagares de azeite"

Gráfico de Novembro

.o0o.

Altimetria
.o0o.
Percurso no Google
.o0o.
Hoje não vou tecer grandes comentários no que toca à parte organizativa do "Trilhos de Xisto".
Quem conhece o Roberto Nabais, como eu, sabe de antemão que nada acontece ao acaso e que as expectativas são quase sempre superadas.
Não me vou alongar em marçações; escolha de trilhos; subidas ou descidas; banhos ou almoços; ou para mim, outros temas de somenos importância, neste caso do Trilhos de Xisto".
Apenas quero deixar claro, o seguinte:
- Divertí-me à brava no grupo de malta onde me encontrava inserido e foi com bastante agrado que ví outros grupos alegres e bem dispostos a elevarem o btt à sua real essência e sobretudo notar uma satisfação geral em toda a malta com quem tive o previlégio de cruzar, ou ser cruzado.
Camaradagem, alegria, boa disposição, espírito de entre ajuda, foi notório entre os participantes e o Roberto que se cuíde, pois as instalações onde foi servido o almoço este ano, serão certamente exíguas para o próximo. (Podes aceitar já a minha inscrição, sff)
Posto isto:
- Pelas 07h30 e como tinha combinado com o FMike, carregámos as biclas, ou melhor, a minha bicla e a sua "alva" e imaculada Trek Fuel EX.9 (que coisa linda) que me deixou um intenso cheiro a tinta no interior da minha "jipose". Aquele cheiro a novo, "tão a ver???"
Bom, por sujestão do PJFA juntou-se uma "catrefada" de malta pelas 07h45 na Padaria de Montalvão para tomar a bica e seguirmos posteriormente em "bicha de pirilau" até Santo André das Tojeiras.
E assim foi:
- Parecia um casamento e a noiva ía mesmo à frente, pintadinha de branco e orgulhosamente suspensa no porta biclas da minha jipose, altiva e imponente!!!
Agora, aclarando um pouco a coisa, não era um casamento, mas vai seguramente ser um baptizado, algures no meio de nenhures. Que o diga o padrinho!!! Estejam atentos!!!
Quando chegámos a Santo André das Tojeiras, a povoação tinha nova vida, tal a moldura humana e o movimento betêtista.
Malta por todos os lados, uns montados e outros a montar, as biclas, claro!!!
Foi uma enorme centena, quase a rondar as duas, de malta que aderiu a este inolvidável passeio, onde a surpresa foi uma constante.
Lindas aldeias; gente simpática que irradiava simplicidade e vontade de acolher bem, aliviando as suas singelas adegas de alguns "litritos" de vinho caseiro e geropiga, além de outros líquidos mais ardentes, que transformou em audazes os mais receosos e deu voz aos mais tímidos. Apenas uma palavra. Lindo!!!
E a simpatia daquelas "velhotas" na pacata aldeia de "Garridas" ,(para quem não saiba, são as únicas habitantes da aldeia) que assentaram arraial à porta de casa e alegremente nos brindaram com aquelas garrafitas de "Coca Cola Light", cujo líquido de côr igual, mais não era que explêndida geropiga. Maravilha!!!
E aquele solitário garrafão com um líquido arroxeado, estratégicamente posicionado no final daquela enorme subida (2,2Kms) para o Vale da Pereira, a que ousei chamar "Marco Geodésico".
Bebí um copinho, claro. E daí!!!
Para finalizar este post, quero apenas deixar uma pequena mensagem:
- "Eis aqui uma prova de que com pouco, muito se pode fazer, seja essa a intenção!!!!!!"
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

disse…
Umas fotos e um filme muito bonitos. Quanto ao convívio, também me pareceu excelente.
FMicaelo disse…
grandes fotos...muito bem editadas! a mim também me coube a reportagem fotográfica BTTHAL e em boa hora...que paisagens! assim vale a pena pedalar e desfrutar do BTT! :-) FM
Anónimo disse…
concordo plenamente com os anteriores comentários,o SR.Cabaço percebe mesmo do assunto,excelentes fotos!mateus

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…