Avançar para o conteúdo principal

# Foi mesmo para "desmoer"#


Não estava inicialmente nos meus planos ir pedalar no dia 26.
Porém:
Como tinha a manhã livre, resolvi aderir ao convite do "Varadero" e comparecer nas Docas no "passeio para desmoer".
Saí de casa pelas 09h20 e após constante gincana entre carros na complicada Avenida General Humberto Delgado, lá conseguí chegar às Docas, onde ainda não se encontrava ninguém.
Já passavam 5 minutos da hora aprazada e eu já estava para regressar a casa e pegar na minha "asfáltica", quando chega o "Varadero", também ele sózinho e que me disse que apenas o Norberto tinha "respondido à chamada", mas que ainda estava um pouco atrazado, pelo que, resolvemos ir ao seu encontro.
Depois de tomarmos o cafézinho e após um curto compasso de espera, demos início ao passeio pós-natal para desmoer todas aquelas "guloseimas" ingeridas nesta época festiva e espalhar "toxinas" por esse campo fora, após terem sido queimadas pelo "corpinho" já a mostrar algum "inchaço", que nos altera um pouco a estética, pela qual tanto trabalhamos durante o ano. eh eh
Logo a começar, duas entradas em propriedade alheia, por engano, até que demos com o caminho certo logo a seguir à rotunda de acesso à A23.
Seguimos esse Caminho até à via férrea na zona do "celebérrimo" portal do frigorífico, onde atravessámos a linha, não sem antes levarmos um pequeno aperto da automotora, que nos brindou com umas valentes "cornetadas" e nos fez pensar: "olha se venho um minuto atrasado. Ufa!!!
Entrámos seguidamente na quelha das Fontainhas e mais à frente virámos para outra quelha, outrora impraticável, mas que agora foi "rudemente" limpa para a passagem do gado e que proporciona um bom momento de BTT, pela técnica necessária para ultrapassar as dezenas de pequenos obstáculos compostos por pedras e paus, que nos fazem pedalar em constante zig-zag.
passada as quelhas continuámos em direcção ao Forninho do Bispo, onde nos divertímos no sobe e desce até ao estradão no Vale do Ponsul.
Continuámos sempre pelo estradão passando pelos Montes do Sordo, Jambum e da Ponte, onde parámos, no Ribeiro do Cagavaio para a foto de grupo.
Atravessámos seguidamente a EN.18.2 para o Monte do Chaveiro, onde iniciámos a subida para a Lixeira Nova e que felizmente, nesta época do ano não tem aquele cheiro intenso que por vezes "dificulta a subida".
Cruzámos de novo a EN.18.2, agora em direcção ao Monte do Cagavaio, pela, creio que única, mancha de eucaliptos que ainda persiste naquela zona, num intenso serpentear em trilhos em que dá gozo pedalar.
Já com o Cabeço de S. Martinho à vista, pedalámos na sua direcção para o ladear rumo ao single das Palmeiras, mas que, acabámos por não fazer e descobrir um outro single, onde pedalei pela primeira vez, bem "adrenalínico" por sinal e que nos levou ao "portal do telheiro" já próximo da Carapalha.
Entrámos na cidade pelas 13h com 37 kms percorridos em amena cavaqueira e já com muito pouco para "desmoer"
Um passeio de Btt!!!!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…