Avançar para o conteúdo principal

"De volta à lama"

Com o início do Outono (amanhã dia 22) não só a folha cai mas a chuva começa a fazer a sua aparição de forma mais constante e os caminhos começam a ficar pesados e lamacentos, época em que eu, particularmente gosto bastante de pedalar.

Logo pela manhã e quando me levantei fui espetar o nariz na janela para ver se estava a chover e apesar de a manhã se apresentar bastante cinzenta e com indícios de ter chovido, verificavam-se umas boas abertas lá para os lados da Lardosa.
Desci à garagem e estava a preparar a bike quando aparece o Filipe, que também não se amedronta com pouca coisa, e lá decidimos ir dar umas pedaladas.
Dirigimo-nos ao local de encontro da malta, mas quando alí chegámos começou a chover copiosamente e tivemos que nos abrigar debaixo duma varanda.
Pesquisámos o céu e verificámos que era uma nuvem que se deslocava e que à sua passagem íam surgindo umas abertas onde o sol espreitava radiante.
Entretanto chega o João Afonso, outro corajoso e juntou-se à malta. Já éramos três.
O Fidalgo telefonou a saber de novas pois estava a chover bem e com um incentivozito lá resolveu juntar-se ao grupo.
AC, Filipe, João Afonso e Fidalgo, foram os protagonistas do passeio de hoje.
Parecia um passeio de aleijadinhos, pois toda a gente se queixava, cada qual da sua maleita.
Um doía-lhe a cabeça, outro os braços, outro andava cansado, danos colaterais do Trek Day&Nigth do dia anterior, um evento que animou a cidade e que espero ver repetido e com mais apoio das entidades locais.
Entretanto a chuva abrandou e em seu lugar o sol aparecia dando indícios de uma manhã diferente.
Seguímos em direcção à Lardosa, com intenção de ir tomar o cafézinho ao "Tá-se Bem" e voltar.
Numa transição em alcatrão juntou-se-nos o Carlos Pio que disse ir dar uma voltinha por alcatrão.
Ao vê-lo com o fatinho tão limpinho e eu já todo enlameado disse:- Ná, assim não está bem!!!.
Convidei então o Carlos para nos acompanhar à Lardosa pelos trilhos, sujar o fatinho e ir connosco tomar o cafézinho.
Lá continuámos, agora com um novo companheiro.
Tomámos o café no no "Tá-se Bem", como planeado e regressámos à cidade quase pelos mesmos trilhos.
Ao chegarmos junto as piscinas em Sta Apolónia, e guiados pelo Carlos durante algum tempo, pedalámos em novos trilhos para nós, regressando à cidade pela Travanca e Monte Brito.
Calmamente e em boa companhia acumulámos aos milhares já existentes nas nossas perninhas, mais 55 kms divertidos em passagens aquáticas e lamacentas, onde as nossas bikes nos vão pregando umas partidinhas e alguns sustos.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Varadero disse…
Que saudades da lama, tive mesmo pena, mas os compromissos familiares falaram mais alto.
Agnelo disse…
CAros amigos, as saudades da bike são tantas, não lhe pego à 3 semanas por causa das provas de BMX e BTT, mas no Domingo não falho. Espero que o FMike também já esteja com a malta. Até Domingo
AQ

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…