Avançar para o conteúdo principal

"Por trilhos nunca dantes pedalados"

Terça Feira, 02.
Como não poderia deixar de ser, dia de pedaladas com os amigos que têm alguma disponibilidade durante a semana.
Desta vez apenas o Filipe compareceu e logo ficou definido que este dia seria de descoberta e aventura.
Como o Filipe não é esquisito, desde que seja para andar de bike alinha para qualquer lado, desta vez desafiei-o para irmos em busca de novos trilhos para a zona das Espantalhosas, zona bastante agreste e onde parece que a civilização ainda não chegou.
Apenas existe mato, floresta e barrocas fundas!!!
Carreiros são imensos, criados por animais selvagens e porventura algum gado em época estival.
Éramos só eu e o Filipe no meio de nenhures, uma situação que me dá algum prazer e aqui tão perto.
Quase que nos sentimos donos do que podemos alcançar, sem vivalma, com excepção de veados e javalís e espécies venatórias de menor porte.
Saímos pelas 08h10 em direcção ao Valongo desta vez por alcatrão e pela variante à Carapalha e virámos para o Vale dos Gagos para alcaçarmos os Maxiais e darmos as primeiras pedaladas de prazer na vereda que começa no arrabalde da povoação até quase ao início das Espantalhosas.
Ali começámos a descer pelos contornos duma curva de nível até encostarmos ao Ribeiro do Cinzeiro que ladeámos numa bela descida, absortos naquela paisagem algo selvagem até à sua foz, no Ribeiro do Barco, que também ladeámos em altitude, pois este forma uma barroca profunda e ondulante cheia de beleza e misticismo.
Em determinada altura atravessámo-la tendo para o efeito de efectuar uma inclinadíssima e curta descida com a bike à mão pois descê-la de bike era impraticável, tanto mais que tinha alguns regos profundos e já do outro lado do ribeiro continuámos a contorná-lo, agora pela sua margem direita.
Chegámos a uma zona sem saída ciclável, pelo que subímos um aceiro em eucaliptal para nova e espectacular descida em trilho curvilínio no meio de esteval até ao vale plantado de velho olival, onde descobrimos um espectacular esteiro de animais na sua maioria ciclável, com algumas passagens técnicas e perigosas, para mim, pois para alguns craques que conheço aquilo é como gingas e se algum dia os ali levar, tenho que levar também um maço de lenços de papel, pois de certeza que se vão babar de prazer!!!
Depois de me inteirar do final do carreiro e que entroncava em trilho já conhecido, voltei a subir o trilho que antes havíamos descido, agora necessitando um pouco mais de técnica, pois é algo pedregoso e com algum mato, para rumarmos desta vez para a zona da Várzea das Canas, local já conhecido e que fica Este dos Cebolais de Baixo.
Acabámos por entroncar no estradão que vem dos Cebolais de Baixo, próximo do marco geodésico de Currais e termina na Estrada de Alfrívida/Lentiscais.
No final da descida virámos à esquerda e apanhámos os trilhos de novo para os Maxiais, sempre a subir, que fizémos calmamente, pois a hora não era tardia.
Chegámos à povoação e aproveitámos para nos refrescar com uma bebida fresca e dar dois dedos de conversa no café da aldeia.
Regressámos depois à cidade e parámos novamente, desta vez no Bar da Associação do Valongo para a bjeca final, sagrespan pois claro, ficando-se o Filipe pelo suminho sem gás, pois ainda não se rendeu às virtudes da cevada.
Foram 43 kms de aventura e descobrimento, com uns quantos novos trilhos a juntar aos já existentes, apenas com o senão de serem um pouco exigentes e como tal aconselhados apenas à rapaziada da classe "Kuduro", ou para quem o btt é vida e aventura, doa o que doer!!!
Pelas 12h15 regressámos à civilização, já a fazer planos para a próxima aventura.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…