Avançar para o conteúdo principal

"VI Edição da Mini-Clássica # Vila Real - Mondim Basto - Alto da Sra da Graça"

Na sua VI Edição, a Mini-Clássica Vila Real - Mondim Basto - Alto da Senhora da Graça, este evento de cicloturismo de meio fundo é para mim uma das melhores organizações a nível nacional, ou não fosse ele organizado pelo BilaBikers de Vila Real, presidido pelo amigo Jorge Guerra já hà vários anos a esta parte.
Fui pela primeira vez a Vila Real participar num evento de Btt na Serra do Alvão há já uma série de anos e no ano seguinte lá estava de novo para participar na travessia das Serras Alvão-Marão.
Lindíssimo . . . já estou com saudades de lá voltar para dar umas pedaladas de btt e até já deixei meio combinado uma subida ao Monte Farinha (Alto da Sra da Graça) em Btt com os Bila Bikers e amigos.
No devido tempo vou efectuar o convite à malta cá do burgo!!!
Agora a Subida à Senhora da Graça!!
Saí de Castelo Branco à meia tarde de sábado com a minha esposa e filha mais nova, companheiras inseparáveis nestas lides ciclísticas e que sempre me apoiaram nestas minhas saudáveis "maluqueiras".
Instalámo-nos na Residencial O Montanhês, antiga Aquarius, onde ficamos sempre que a Vila Real nos deslocamos.
Após uma voltinha pela zona a apreciar a famosa louça de barro preto de Bisalhães regressámos à residencial para jantar e preparar-me psicológicamente para o classico Benfica-Porto, pois queria jantar antes do jogo não fosse perder o apetite com o resultado do embate.
Enquanto esperava pelo desafio entretive-me a "roer" uma bela Posta Mirandesa bem acompanhada com uma pinga "raçuda" da região, em substituição dos complementos energéticos necessários para o desgaste natural que iria acontecer no dia seguinte na mítica subida.
Muito sofrimento, uns socos na mesa, insultos ao árbito, uns pequenos sorvos da daquele néctar dos deuses para colmatar securas e a coisa lá acabou com um resultado que poderia ter sido bem pior. Valha-nos isso!!!
No dia seguinte, acordei com alguma secura e o corpo um pouco pesado . . . efeitos secundários do "lauto" jantar, mas enfim, se se pode ter dois prazeres, porque ter só um??
Dirigi-me para o local da partida e secretariado, confirmei a inscrição, preparei a "máquina" e equipei-me a preceito com as cores da "Amieiro Bikes" que me têm acompanhado nas minhas últimas façanhas.
Dada a partida lá vou eu "entalado" numas largas dezenas de participantes em direcção ao famoso Monte Farinha lá para os lados de Mondim Basto.
Este ano a rapaziada, certamente entusiasmados pelas palmas do público, começaram com um andamento um pouco mais rápido que o esperado pelo que me coloquei de imediato na cauda do pelotão o melhor local para apreciar aquela azáfama e nos divertirmos um pouco com alguns "prós de meia tigela" com os seus "vigorosos" sprints a metro para ganharem algum lugar a um velhote distraído!!!
Já conheço estas "guerras" e sei que aquilo na maioria das vezes é so "sangue na guelra" e os entusiastas são sempre os menos preparados . . . vá-se lá saber porquê!!!
À saída da cidade, em direcção à Campeã a estrada encontrava-se em mau estado pelo que a coisa acalmou pois os furos começaram a fazer mossa nalguns pneus menos cuidados ou azarentos.
A partir da Campeã a estrada começou a inclinar e o pessoal começou a ficar nos seus respectivos lugares.
De salientar que o percurso era em pelotão até Mondim Basto, onde seria depois andamento livre até ao Alto da Sra da Graça.
Porém houve fases de bom andamento e em especial na longa descida para Mondim Basto, conhecidas como as curvas do Ermelo.
Foi aí que aconteceu a parte negra desta iniciativa, onde uma vez mais os "craques da treta" fizeram das suas.
Descia-se a cerca de 60 kms horários e um craque das corridas televisivas que não conseguiu acompanhar a malta na subida, quis mostrar os seus dotes na descida e fintando uns e outros, desconhecendo que em pelotão se respeita sempre as trajectórias, quer à entrada, quer à saída das curvas, caso se tenha capacidade para tal, acabou por "abalroar" um companheiro, que saíu disparado acabando por provocar uma queda colectiva que poderia ter tido consequências muito mais sérias.
Um saíu bem mal maltratado para o hospital e outros lá foram fazer uma visita. Segundo ouvi no final foram uns seis ou sete que ficaram com mazelas derivado a mais um ataque dos kamikazes das descidas em grupo.
E o engraçado disto tudo é que o dito, que não sofreu nada, acabou por dar à sola sem que ninguém lhe pusesse o olho em cima, segundo me contaram, pois eu que vinha duas centenas de metros atrás, noutro grupo, abrandei pelo aglomerado e ao ver alguns companheiros espalhados juntamente com as bikes, continuei, pois já era muita gente no local e ainda havia muita malta a descer que não sabia o que se tinha passado.
Mas avancemos!!
Passamos a bonita zona do Ermelo e chegámos a Mondim Basto onde os melhores trepadores lutavam já por um lugar na cabeça do pelotão para atacar a subida, pois havia uns prémiozitos simbólicos para os primeiros.
Logo na primeira rampa era só malta a "bufar" procurando uma roda amiga que o ajudasse naquela penosa subida.
Eu, como sempre e como o meu objectivo é a superação pessoal, o meu prémio mais desejado, foi desta vez superado duma forma que até eu fiquei adimirado.
Acho que nunca Subi à Sra da Graça tão à vontade e com andamento certinho desde o início até ao final.
Desta vez até dispensei algumas boas rodas que se me apresentaram, acabando mesmo por abandonar esses companheiros que não me conseguiram acompanhar.
Atenção que estou a falar da malta da pesada e não de malta que corre com regularidade!!!
As viaturas ficaram no parque a 3 kms da chegada e só chegaram ao alto os não cumpridores de regras que fazendo "ouvido mouco" continuaram a acompanhar os seus atletas"impestando" o ar de fumo de gasóleo queimado, prejudicando alguma rapaziada por ter de respirar aquela "treta".
Por tal motivo o meu pessoal não conseguiu tirar-me a foto a chegar à meta que este ano estava impecável.
Paciência fica para o ano.
A maioria da malta desceu para Mondim Basto onde eram os banhos e servido o almoço, mas eu como tinha a minha viatura a 3 kms apenas desci essa distância.
Arrumei a minha asfáltica e rumei ao local dos banhos.
Já lavadinho e penteadinho, sentei-me à mesa no refeitório da Escola Secundária onde devorei uns nacos de carne assada com arroz e batata assada e ainda com uma saladinha mista e bebida variada à descrição.
Descansadinho e com o sentido do dever cumprido, despedí-me da malta dos BilaBikers e regressei a Castelo Branco, satisfeito por mais esta participação nesta bonita Clássica de Cicloturismo.
Segue-se a subida à Serra da Estrela no dia 14, com uma primeira etapa no dia 13 entre Salvador/Penamacor/Belmonte/Vela.


Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…