Avançar para o conteúdo principal

"Vale do Ponsul"

A convite do João e da Teresa, um simpático casal amigo e "betêtistas de gêma", fui este Sábado dar umas pedaladas pelo sempre bonito Vale do Rio Ponsul.
Aceitaram também o convite o Paulo Alves e o Nuno Maia e mais tarde juntou-se-nos o Mário Vicente, por quem esperámos junto ao S. Martinho.
A volta foi por mim delineada e com a finaldade de mostrar ao João e à Teresa o Vale do Ponsul, numa prespectiva, diferente da que eles conheciam e que se baseava no outrora famoso "Carrossel" para alguns betêtistas cá do burgo.
Juntámo-nos na Pires Marques pelas 09h e saímos pelo S. Martinho em direcção aos Montes dos Cagavaios, onde a neblina que pairava sobre o Vale nos proporcionou uma paisagem diferente com bonitos recortes.
Descemos para o Monte do Chaveiro e subimos aos Lentiscais pelo Monte do Pardal para tomarmos o cafézinho matinal no Pescaça.
Já retemperados, cruzámos de novo o Monte do Pardal e a Assentada e descemos para a N-18.8 por uma descida agora um pouco complicada derivado à lama e ladeámos a estrada por um trilho engraçado que nos conduziu à infelizmente abandonada Ponte Romana sobre o Rio Ponsul, que se encontra num estado lastimoso e abandonada pelas autoridades competentes.
Já do lado de cá da Ponte, acompanhámos o Rio para montante entre trilhos e veredas onde particularmente gosto de pedalar e partilhar com os amigos até chegarmos à zona do areal.
Depois duma curta e bastante íngreme subida, feita a empurrar as nossas "meninas", com intenção de encurtar um pouco o percurso, pois alguma rapaziada já vinha a acusar bastante desgaste, apesar do andamento SSQP (super suave e quase parado), a que correspondeu uma média horária de cerca de 10 kms/h.
Chegados ao Monte Clérigo a paisagem deixou de ter interesse real, pois os kms de subida estavam a causar danos no pessoal menos preparado e que tem feito poucos kms.
O Paulo levou a bonita e algo pesada Canyon de testes, soberbamente apetrechada com a nova pedaleira Truvativ HammerSchmit, uma joia para os Downilwers e FreeRiders. Fiz um ligeiro teste e apesar de não ser vocacionado para aquela modalidade, fiquei algo impressionado com o seu funcionamento. Achei espectacular!!!.
Por outro lado o Nuno Maia que nas últimas semanas não têm pedalado e o Mário Vicente que vêm duma grave lesão, acusavam bastante o desgaste feito por esta kilometragem, que apesar de serem uns normais 45 kms tinham uma parte final algo dura para quem já não pedala neste tipo de altimetrias.
A Teresa, para poupar um pouco a sua néo Specialized, ía de quando em vez subtraindo o seu peso à bonita bike, nalgumas subidas e passagens mais complicadas e ainda assim mostrou uma boa forma física, de fazer inveja a alguns elementos do sexo forte.
Para o João, simplesmente venham mais destas, que eu gosto é de dar ao pedal.
Para um percurso feito normalmente em 3 horas com paragem para o cafézinho, demorámos desta vez quase 6 horas, mas o que conta realmente é a camaradagem e o convívio e isso, acho que esteve sempre presente.
Subimos à cidade pela Rebouça e Forninho do Bispo e após uma pequena paragem para um merecido descanso na Sra de Mércules chegámos a casa sãos e salvos.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

disse…
As fotos ficaram lindíssimas, especialmente as que apanham a ponte velha do Rio Ponsul.
O relato também não podia ser o mais verídico. Apesar da forma física, o percurso custou um bocado, mas adorei e repetia hoje mesmo. Assim é que é, no duro!
Quanto ao Pescaça, no dia seguinte, Domingo, fomos lá almoçar uma miga acompanhada de peixe frito, e um pudim de ovos para finalizar a desgraça. O João ficou encantado e já quer levar a família toda.
Até breve e Obrigado a todos pela excelente companhia e boa disposição.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Passeio mototurístico ao Cú da Mula"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
No domingo, inserido num grupo de amigos, fomos fazer um passeio mototurístico ao "Cú da Mula", um pitoresco restaurante na Golegã. Assim, na companhia do Carlos Marques, Carla Paulo, José Paulo, Rafael Riscado, Paulo Santos, João Mendes e António Santos, rumamos à Golegã, uma bonita vila situada na lezíria ribatejana, numa área privilegiada pela natureza e atravessada pelos rios Tejo e Almonda. O Ponto de encontro foi na Padaria do Montalvão na zona industrial, pelas 08h00. Já com a malta reunida e com a primeira dose de cafeína no corpinho, fizemo-nos à estrada, pela N3 e IC8 até à Sertã, onde entramos na velhinha N2 até Vila de Rei. Aqui fizemos uma pequena visita ao Centro Geodésico de Portugal, situado no Pico da Melriça a 600 metros de altitude e que nos permite uma visão a 360 graus sobre um horizonte vastíssimo, onde se destaca a Serra da Lousã e com tempo limpo a Serra da Estrela. Neste local ex…