Avançar para o conteúdo principal

"Camões"

Camões é uma pequena aldeia que hoje, eu, o Silvério e o Pedro Barroca planeámos visitar.
Saímos da cidade, pouco depois das 08h e rumámos à Tapada das Figueiras, onde encontrámos um numeroso grupo de malta, que usualmente se junta na Praça Rainha D. Leonor.
Depois dos cumprimentos da praxe, continuámos a nossa voltinha de hoje e, umas centenas de metros à frente, encontrámos um outro grupo de rapaziada, esta, que se reúne habitualmente nas "docas".
Acabámos por nos juntar e continuámos a nossa aventura.
seguimos em direcção ao recinto da Nossa Sra de Valverde, onde fomos surpreendidos pelas novas vedações, com portões fechados a cadeado, não nos restando outra alternativa, que contorná-las até à Lameira do Velho.
A partir daqui, fomos guiados pelo Luís Lourenço, que nos mostrou uns bonitos trilhos na zona da Escorregadia, continuando pelo Moledo, Lapaduço e Gorritas, até que chegámos às bombas de combustível junto ao cruzamento do Palvarinho, onde resolvemos tomar o habitual cafézinho.
Até ao Palvarinho, foi um instantinho, maioritáriamente por singles, já mais que conhecidos e que ficaram famosos, desde que o Roberto Nabais os desencantou e apresentou ao pessoal, num dos seus famosos passeios, "rota do gaio" onde o convívio era o mote de reunião da rapaziada nestes eventos e que quero acreditar, que apenas estejam hibernados e não extintos.
Rumámos seguidamente ao Salgueiro, pelo trilho que passa ao alto do Casal da Bica e após a passagem pelo complexo desportivo, virámos à esquerda, agora em direcção ao alto do Vale Cimeiro, onde entrámos no estradão que nos conduziu ao Chão da Vã.
Antes, o grosso da rapaziada, regressou à cidade, uns por compromissos, e outros, certamente a precaver algum empeno não programado.
O João Valente, o João Afonso e o Luís Lourenço, continuaram connosco e o Pedro Barroca, aproveitou a boleia e regressou também com a restante rapaziada.
Depois da subida à saída da aldeia, Camões, já quase estava no nosso horizonte e pouco depois, estávamos na frenética descida para a povoação, um pequeno aglomerado de casas de xisto, onde o dinheiro já por ali começa a "plantar" algumas modernices, a minar aquela bonita traça.
A partir dali, o Luís Lourenço, voltou de novo ao leme do grupo e desencantou uma aguerrida subida, com início no leito da ribeira, com uma entrada bastante técnica e que nos fez suar a estopinhas até ao alto da Peiteira. Valeu-nos depois a rápida e adrenalínica descida, de novo para a ribeira, que passámos na zona da Regadia Velha.
Ainda uns quantos trilhos bem engraçados e já estávamos na Serrasqueira, aldeia que cruzámos, descendo seguidamente para a Praia Fluvial do Muro, que futuramente irá ficar submersa após a conclusão da barragem do Alvito.
Nova subida, um pouco longa, até que de novo chegámos ao Palvarinho, onde efectuámos a derradeira paragem para beber algo fresco, que isto hoje aqueceu um pouco.
Mais uma descida, desta vez, para a ponte de ferro, a que se seguiu uma das subidas que pessoalmente gosto de fazer e que nos conduziu ao Rouxinol.
Um pouco de asfalto e viragem à direita para o Cabeço da Barreira e depois duns trilhos alternativos junto à A23, despedimo-nos seguindo cada um o seu caminho em direcção a casa.
Eu e o Silvério, entrámos na cidade pela Cova do Gato.
Foram 60 kms de bons trilhos e boa disposição, onde certamente toda a rapaziada se divertiu.
.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …