Avançar para o conteúdo principal

"Camões"

Camões é uma pequena aldeia que hoje, eu, o Silvério e o Pedro Barroca planeámos visitar.
Saímos da cidade, pouco depois das 08h e rumámos à Tapada das Figueiras, onde encontrámos um numeroso grupo de malta, que usualmente se junta na Praça Rainha D. Leonor.
Depois dos cumprimentos da praxe, continuámos a nossa voltinha de hoje e, umas centenas de metros à frente, encontrámos um outro grupo de rapaziada, esta, que se reúne habitualmente nas "docas".
Acabámos por nos juntar e continuámos a nossa aventura.
seguimos em direcção ao recinto da Nossa Sra de Valverde, onde fomos surpreendidos pelas novas vedações, com portões fechados a cadeado, não nos restando outra alternativa, que contorná-las até à Lameira do Velho.
A partir daqui, fomos guiados pelo Luís Lourenço, que nos mostrou uns bonitos trilhos na zona da Escorregadia, continuando pelo Moledo, Lapaduço e Gorritas, até que chegámos às bombas de combustível junto ao cruzamento do Palvarinho, onde resolvemos tomar o habitual cafézinho.
Até ao Palvarinho, foi um instantinho, maioritáriamente por singles, já mais que conhecidos e que ficaram famosos, desde que o Roberto Nabais os desencantou e apresentou ao pessoal, num dos seus famosos passeios, "rota do gaio" onde o convívio era o mote de reunião da rapaziada nestes eventos e que quero acreditar, que apenas estejam hibernados e não extintos.
Rumámos seguidamente ao Salgueiro, pelo trilho que passa ao alto do Casal da Bica e após a passagem pelo complexo desportivo, virámos à esquerda, agora em direcção ao alto do Vale Cimeiro, onde entrámos no estradão que nos conduziu ao Chão da Vã.
Antes, o grosso da rapaziada, regressou à cidade, uns por compromissos, e outros, certamente a precaver algum empeno não programado.
O João Valente, o João Afonso e o Luís Lourenço, continuaram connosco e o Pedro Barroca, aproveitou a boleia e regressou também com a restante rapaziada.
Depois da subida à saída da aldeia, Camões, já quase estava no nosso horizonte e pouco depois, estávamos na frenética descida para a povoação, um pequeno aglomerado de casas de xisto, onde o dinheiro já por ali começa a "plantar" algumas modernices, a minar aquela bonita traça.
A partir dali, o Luís Lourenço, voltou de novo ao leme do grupo e desencantou uma aguerrida subida, com início no leito da ribeira, com uma entrada bastante técnica e que nos fez suar a estopinhas até ao alto da Peiteira. Valeu-nos depois a rápida e adrenalínica descida, de novo para a ribeira, que passámos na zona da Regadia Velha.
Ainda uns quantos trilhos bem engraçados e já estávamos na Serrasqueira, aldeia que cruzámos, descendo seguidamente para a Praia Fluvial do Muro, que futuramente irá ficar submersa após a conclusão da barragem do Alvito.
Nova subida, um pouco longa, até que de novo chegámos ao Palvarinho, onde efectuámos a derradeira paragem para beber algo fresco, que isto hoje aqueceu um pouco.
Mais uma descida, desta vez, para a ponte de ferro, a que se seguiu uma das subidas que pessoalmente gosto de fazer e que nos conduziu ao Rouxinol.
Um pouco de asfalto e viragem à direita para o Cabeço da Barreira e depois duns trilhos alternativos junto à A23, despedimo-nos seguindo cada um o seu caminho em direcção a casa.
Eu e o Silvério, entrámos na cidade pela Cova do Gato.
Foram 60 kms de bons trilhos e boa disposição, onde certamente toda a rapaziada se divertiu.
.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…