Avançar para o conteúdo principal

"Seixal > Castelo Branco, com a asfáltica"

Já há algum tempo que o meu amigo Silvério andava a "magicar" esta travessia com a bicicleta de estrada.
Pretendia efectuar a ligação entre a sua casa no Seixal, Rua Egas Moniz, com a sua residência em Castelo Branco, Rua das Palmeiras.
Pois bem, conseguiu contagiar-me e, para quem me conhece, sabe bem que nunca perco a oportunidade de participar numa aventura, seja ela grande ou pequena.
Com uma logística simples, combinámos dar início a mais esta "maluqueira saudável" no passado sábado, dia 2.
Na quarta feira anterior, o Silvério levou a minha bike para o Seixal e eu fui de combóio na sexta feira. Foi-me buscar à estação do Oriente e seguidamente, passámos pela zona das Amoreiras, para recolher a minha filha Ana Rita, que traria a viatura para Castelo Branco.
Depois duma lauto jantar, bem regado e com a companhia dos amigos Francisco e Evaristo recolhemos à zona de descanso.
No sábado, pela manhã, aprontámos as bikes e rumámos a Castelo Branco, com a adrenalina em alta, sentindo a alegria de dar inicio a mais uma aventura que mais tarde iremos recordar com prazer.
Os primeiros kms foram bastante cuidadosos, pois pedalávamos por zonas com bastante trânsito e inúmeros cruzamentos, alguns deles perigosos. E assim foi, até concluirmos a grande recta de Alcochete, depois de passarmos por Coina, Moita, Broega, Sarilhos Grandes, Montijo, Atalaia e Mata do Duque.
Passámos o cruzamento de Coruche e efectuámos a primeira paragem nos Foros de Almada para tomarmos o cafézinho da praxe, isto no que me diz respeito, pois o Silvério não dispensa o seu potente "abatanado".
Já mais libertos do trânsito, ou não fosse fim de semana longo, com o feriado do dia 5, continuámos as nossas pedaladas pelo Biscainho e Montinhos dos Pegos para seguidamente sofrermos um bom bocado na travessia da Azervadinha com a sua irregular calçada, com grandes intervalos entre pedras, que nos obrigaram a galgar passeios, até que finalmente e com bastante alívio, chegámos de novo ao alcatrão.
Sempre em bom ritmo, continuámos agora em direcção ao Couço, onde efectuámos o conhecido desvio até junto ao paredão da Barragem de Montargil.
Seguiu-se Água todo o Ano e logo depois a Ponte de Sôr, onde parámos no Rei das Bifanas para um abastecimento mais sólido.
Com um bom prego no pão e um par de imperiais, fiquei pronto para a segunda etapa desta nossa aventurazinha.
O Silvério mostrava estar à altura do desafio e mantinha com algum à vontade a velocidade de cruzeiro que já trazíamos desde alguns kms após a partida.
Passámos por Rosmaninhal, Escusa, Vale do Arco e Vale de Peches e apenas ao chegar ao cruzamento do Gavião, a média horária, que até então vinha estabilizada entre os 32 e os 33 kms horários, começou a baixar e o Silvério começou a acusar a falta de kms nas pernas e os grandes intervalos entre saídas de bike.
Parámos pela terceira vez em Arez, onde bebemos uma bebida fresca e, após passarmos Niza e Vila Velha de Rodão, chegámos finalmente à cidade, onde fomos invadidos pela alegria de termos concluído mais uma nas nossas pequenas maluqueiras, que ficam carinhosamente alojadas nas nossas mentes e nos nossos corações, sem grandes parangonas, nem alaridos. Apenas nossas, como nós gostamos!!!
A chegada, como não poderia deixar de ser, foi à porta do mentor desta aventura, o Silvério, ou seja, na Rua das Palmeiras. E nada melhor que uma "tasca" defronte da residência para festejar.
Uma última bjeca, um abraço amigo e um obrigado pelas muitas horas que passámos juntos neste belo dia de pedaladas e emoções.
Acabámos esta aventura com 243 kms a pedalar, 8h16m54s em cima do selim e uma média final de 27,5 kms hora. Não que esta informação seja importante, mas para antecipar a resposta a umas quantas perguntas sobre o evento.
Quanto ao acumulado, foi pouco desta vez. Apenas um prego no pão, uma tigelada, dois cafés, três bjecas e uma coca cola. Mas ao jantar, acreditem que acumulei bem!!! eh eh eh!!!
Outras aventuras já estão na "manga" e que certamente irei partilhar com alguns amigos, aqueles que realmente gostam de aventura.
.
Ontem domingo e apesar das previsões de chuva e vento e ainda sob a forte dose de maluqueira, fui dar uma volta de Btt com o João Afonso.
Saímos pelas 08h da Pires Marques e derivado ao tempo, combinámos ir tomar a dose matinal de cafeína ao Tá-se Bem na Lardosa.
Em termos de conclusão! 53 kms de Btt, quase sempre debaixo de chuva e forte vento. Café tomado de pé ao balcão, pois escorriamos tanta água, que se por ali nos mantivéssemos muito tempo, acabávamos por inundar o estabelecimento. eh eh eh!!!
A chuva tocada a vento, parecia agulhas a espetarem-se no rosto. Enfim. Gostos não se discutem!!!
.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…