Avançar para o conteúdo principal

Serrasqueira e Coutada

Após mais dez dias sem dar ao pedal, lá resolvi ir fazer mais uma incursão ao trilhos, na companhia do Carlos Sales.
Combinámos tomar a matinal dose de cafeína na Pastelaria a "Ministra", pelas 08h00.

Pelas 08h15, já rumávamos ao "mato" com forte ameaça de chuva, mas, mesmo assim, resolvemos seguir o plano elaborado, que consistia em ir dar umas pedaladas até à Serrasqueira e contornar a Barragem da Coutada.
Saímos pela Talagueira e Baixo da Maria e descemos para a Ribeira da Canabichosa, que cruzámos, subindo ás Benquerenças.
Divertimo-nos por ali um pouco, nalgumas trialeiras escorregadias e passámos a aldeia abandonada da Azinheira rumo à Represa.
Desta vez, não fomos à "angelica" do Ti Oliveira e continuámos em direção aos Amarelos, onde parámos para o "panike" da praxe.
Por ali nos mantivemos um pouco à conversa, pois pressa não havia, apesar da chuva, que já há algum tempo nos vinha a querer apoquentar.
Depois de passar pela Estação de Sarnadas de Rodão, atravessámos a povoação, agora em direção à Atalaia, onde apanhámos o trilho que, em adrenalínica descida, nos levou até ao Vale Salgado, onde entrámos numa antiga trialeira, já práticamente sem ciclabilidade, pois já foi em grande parte, "abraçada" pelo mato e silvas. Desta vez ainda deu para passar, mas já com alguma dificuldade.
Entrámos então na Serrasqueira por um trilho engraçado e bastante encharcado, que nos levou ao cruzamento Perais/Vila Velha, entrando seguidamente num trilho bastante curvilínio, onde pedalámos até à bonita Barragem da Coutada.
Ali parámos um pouco, para apreciar aquela bonita paisagem, apesar de hoje, um pouco acizentada, pela manhã chuvosa e baixas nuvens, mas, ainda assim, gostei de ver.
Ladeámos a barragem e seguimos um trilho que nos levou até ao limite do Monte dos Ratinhos, onde virámos para o Vale Pousadas, onde tinhamos paragem programada, no café local, para comer algo mais sólido, para enfrentar a Ladeira de S. Gens, práticamente a última dificuldade do dia, até à conclusão do nosso passeio de hoje.
Conquistada então a Ladeira de S. Gens, ladeámos os Cebolais de Baixo e entrámos no Retaxo, para fazermos depois uma pequena incursão à Serra das Olelas, numa cota mais baixa, saindo para o lado da Fonte Santa, onde cruzámos a Ribeira da Breja para o Vale da Dona.
Subimos ao Monte do Rei e pelos arrabaldes dos Maxias, passámos pela caseta, já com a cidade à vista, onde chegámos já com um bom empeno e com o fatinho molhado e mais para o lado do acastanhado, tal não era a "camada"
72 kms bem divertidos e escorregadios, ocuparam a nossa manhã aventureira de hoje e fez-me aliviar um pouco o stress dos ultimos dias.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
É com satisfação que volto a ver o amigo Carlos Sales em plena actividade Bêtêtista. Muito bem!
Parabéns pelo belo percurso que desfrutaram e pelos relatos/fotografias, que permitem, de certa forma, fazê-lo virtualmente, na impossibilidade de o fazer "alive".
Um abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…