segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

"De Castelo Branco a Marvão em BTT"

Já há cerca de um mês que tinha planeado esta ligação em Btt.
Hoje, cerca das 08h30 saí montado no meu "tanganho" em direção à altaneira Vila de Marvão.
A manhã estava bastante fria e ventosa, mas eu ía precavido.
Passei pela Represa em direção às Sarnadas e Atalaia, descendo depois a Vila Velha de Rodão, com uma pequena paragem para contemplar a sempre bonita barragem da Açafa.
Passei pelas traseira da fábrica de papel, com intenção de ir á bolaria comer um dos seus famosos "bolinhos". Esquecera-me que a mesma fecha aos domingos. Chatice!!!
Passei então a ponte sobre o Rio Tejo, não sem antes mirar as lindíssimas Portas de Rodão, entrando mais à frente no estradão que segue paralelo ao rio, com uma panorâmica fantástica.
Entrei nos singles do PR.6, que segui até ao monte abandonado.
Entro sempre em estado adrenalínico quando pedalo naqueles carreirinhos. Espetáculo!!!
Adentrei-me seguidamente no eucaliptal, entre estradões, até começar a descer para a Aldeia de S. Simão, com uma soberba paisagem sobre a minha esquerda ,onde no horizonte se vislumbravam as aldeias de Salavessa e mais à frente a de Montalvão. Bem bonito!!!
S. Simão está "de braço dado" com o Pé da Serra, uma aldeia onde nunca tinha entrado e fiquei maravilhado com as suas pitorescas ruas e bonitos recantos.
Ali parei num pequeno café e tomei a matinal dose de cafeína e algo mais sólido pois já ía com algum tempo de pedalada.
Em constante sobe e desce, cheguei ao entroncamento com a estrada que vem de Nisa e a estradinha municipal de Pé da Serra, para entrar em rápidos estradões que me levaram a Póvoa e Meadas, onde fiz nova paragem, no Café Oasis, para comer algo mais sólido e beber uma "jola".
Dali saí novamente para os rápidos estradões, com um ou outro single, ou passagem mais peculiar, quase sempre entre pequenos aglomerados de carvalhos e ralos castanheiros, espalhados em paisagens mais amplas.
Castelo de Vide já se vislumbrava e já me começava a poupar para a dura subida ao Forte. Toda ela em calçada romana e com vários degraus, que apesar de não terem grande altura, em subida são um martirio. Mas a prova foi superada!!!
Adoro aquela entrada. Aqueles pórticos nas muralhas e transpô-los a pedalar é de fato um grande gozo.
No seu seguimento, adorei aquelas ruelas com as suas baixas casas riscadas a amarelo e azul e a passagem por vários pórticos da muralha até chegar á praça principal. Uma delícia, para quem gosta e desfruta destas pequenas aventuras.
Ali encontrei a minha filha Daniela e o namorado, que por ali andavam em passeio turistico e por ali ficaram para almoçar, para mais tarde me irem buscar a Marvão.
Mas já estava a 16 kms, pelos trilhos, pela leitura do meu gps.
Foi a partir dali, que quase me "babei" a pedalar por aqueles trilhos, simplesmente espetaculares, sacados de vários PR's da região e que contemplavam uma boa série de troços em calçada romana, que fizeram abanar, e bem, este velho esqueleto!!! Mas não se preocupem . . . abana, mas não cai!!! pelo menos, por enquanto!!!
Singles para todos os gostos e feitios, rasgando as matas de carvalhos e castanheiros pelas encostas da serrra. Ora a subir, ora a descer. Ora mais ou menos técnicos, ou simplesmente fluídos. "Una gozada" como diriam nuestros hermanos!!!
Foi para mim um dia fabuloso, que gostaria de ter partilhado com alguns amigos, que, por este ou por aquele motivo, não puderam participar. Haverá outras oportunidades.
A chegada a Marvão foi fantástica e bem dorida, com aquele último troço de calçada romana, mas bem bonita, por sinal, ainda vestida com a folhagem do recente outono. Eram 15h30. Uma hora decente que me permitia chegar a casa ainda com o sol no horizonte.
A entrada, em si, foi triunfal e com especial prazer, por ter concluido mais uma das minhas obstinações aventureiras.
Subi ao castelo pedalando, com um sorriso de orelha a orelha. No jardim, junto à muralha, lá estavam a minha filha e o namorado que me trouxeram de volta à cidade.
A próxima aventura vem aí, talvez ainda este mês. A ver vamos!!!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
Clip de filme (Parte I).



Clip de filme (Parte II)

4 comentários:

Anónimo disse...

Amigo Cabaço, rui me de inveja ao ler a sua aventura, mas o corpinho ontem so pediu cama, mais uma vez peço desculpa por kalker incomodo k criei, pra proxima ta combinado.

n precisa de publicar, abraço Roxo

Agnelo disse...

É realmente uma ligação fantástica, ainda que nesta altura a vegetação esteja mais "triste" com a falta de cor que a primavera proporciona e com os campos em tons secos devido à ausência de chuva dos últimos meses. Pena não ter havido adesão para esta aventura. Eu realmente não podia porque tinha compromissos de tarde, mas enfim, numa próxima será. Abraço.
AQ

Silvério disse...

Boa dia à noite Don António,
Parabéns por mais esta aventura e pela partilha através dos relatos esclarecedores e das bonitas fotografias e também dos vídeos! Percebe-se que é um passeio extraordinário mesmo a solo, mas, acredito que "abrilhantado" com uma certa cambada teria outro encanto.
Destaco o paragrafo, "Foi para mim um dia fabuloso, que gostaria de ter partilhado com alguns amigos, que, por este ou por aquele motivo, não puderam participar. Haverá outras oportunidades."
É verdade que há mais oportunidades mas as que lá vão já não voltam. É trabalho de todos procurar as condições necessárias para se poder partilhar da presença de amigos, seja em passeios ou não. Por vezes é apenas uma questão de planeamento. Pode parecer difícil mas estou certo de que somos capazes!
"Querer é Poder"
Um abraço
Silvério

Anónimo disse...

Obrigado pela partilha,

Conheço esta zona do Alto Alentejo, e encanta com paisagem vasta e bonita.

Será possível partilhar este trilho em formato digital (kml ou gpx), pois gostaria muito de o percorrer.

Agradecendo a atenção
Francisco