Avançar para o conteúdo principal

"PNSAC - No Reino da Pedra"

Ontem, foi dia de adrenalina no fantástico Parque Natural da Serra D'Aire e Candeeiros.
Quero conhecer e pedalar pelas melhores zonas de trilhos daquele bonito parque e fantásticas formações rochosas!!!
Fiz há algum tempo a primeira incursão pela Serra da Pevide, Porto de Mós, singles da Chiqueda e ciclovia da desativada via férrea da Bezerra.
Desta vez, escolhi as Serras de Santo António, da Pena da Águia Escarpa de Alvados e o Cabeço da Fórnea.
Acompanharam-me alguns amigos . . . o Nuno Eusébio, o José Luís, o Vasco, o Mário e o meu irmão Luís.
Saí da cidade pelas 07h e juntei-me ao José Luís e ao Vasco na Estação de Serviço de Vila Velha de Rodão, na A23.
O meu irmão e o Mário, esperavam-me na Videla, à saida da A23 e, todos juntos, seguimos até ao Zambujal de Alcaria, onde iniciámos esta pequena aventura.
Simplesmente fantástico. Superou e em muito, as minhas expetativas quanto ao traçado, que também eu o fiz pela primeira vez.
O relógio tinha avançado os primeiros minutos das 09h quando nos pusemos a caminho da primeira povoação . . . o Castanhal.
Em terreno ondulante e onde a pedra ainda não mordia muito os pneus das nossas bikes, rumámos ao Covão de Oles, onde tomámos contato com o primeiro single, em direção aos Casais dos Vales.
Os singles tracks iam surgindo aqui e ali, em bonitas zonas de mata de carvalhos e outras zonas de arvoredo e a malta mostrava no rosto a alegria aliada á adrenalina de pedalar nestes fantásticos single tracks. Mas o melhor estava para chegar!!!
Chegámos a Alqueidão da Serra e parámos numa Pastelaria, onde os bolos eram tantos, que acabámos com eles, ou não sei mesmo se chegaram para todos.
A subida ao Parque Eólico, naqueles single tracks em pedra calcária foi um gozo tremendo. Lá do alto a panorâmica era espetacular.
Por ali fomos ziguezagueando, sempre por trilhos fabulosos e com passagem por Alcanadas, chegámos ao Reguengo do Fetal.
Já embrenhados na Serra, fomos pedalando nos mais variados trilhos, onde os singles ganhavam por maioria e extensão.
Depois do Covão da Carvalha e da Lapa Furada, chegámos a S. Mamede, onde alguns estômagos mais impacientes, já reclamavam por comida.
Parámos então na Churrasqueira "Pronto e Apurado" e fomos copiosamente servidos com uma travessa de grelhados, onde nada faltava. Desde a febra e entremeada, aos enchidos, onde não faltou a salchicha e a alheira, além dos mais usuais. Para acabar de enfeitar a travessa, salteámo-la com frango assado e a acompanhar (não aconselhável a profissionais) uma quantidade quase industrial de batata frita.
Para alguns, eu incluido, fizémos o aquecimento alimentar com uma sopinha de caldo verde, em jeito de preparação para os grelhados.
para conclui e dissimular um pouco o sabor dos grelhados, comemos cada um uma sobremsa a gosto, que foi um miminho.
Há que juntar a esta excelente refeição, a excelente simpatia da funcionária, que nos mimou durante a refeição.
Meio inchados e com as pernas a tardarem em responder aos estímulos do cérebro, lá fomos até à Demó Nova e Barrenta, onde mais uma vez os bonitos e adrenalínicos single tracks nos fizeram alhear de tudo o resto embalando-nos para o puro gozo.
Ultrapassar a Serra de Santo António pelos seus pedregosos trilhos, foi um "esbanjar" de adrenalina e, sem despegar, a famosa Escarpa de Alvados e Serra da Pena da Águia puseram-nos completamente mudos e cortaram-nos a respiração. Aquela visão sobre o Vale da Canada e encosta do Patelo, cedo ou nunca vou esquecer!!!
A terminar a nossa passagem lá pelo alto, foi a loucura da passagem pela escarpa do Cabeço da Fórnea, faltando-me já os adjetivos para a descrever.
Depois, foi a loucura total, na longa e tecnica descida em ZZZ ao Vale da Canada, onde para manter o mote do que foi o nosso dia de pedaladas, terminámos esta nossa aventura com um bonito single track até ao Zambujal de Alcaria, onde tinhamos estacionado as viaturas.
Uma primeira "jola" nas bombas de combustivel, deu para chegar ao Snack bar da Videla, onde secundámos com outra "jola" e algo mais sólido, até que o jantar nos saciasse a fome, se é que esta existisse nalgum companheiro.
Como disse em tempos um amigo meu, durante estes próximos dias, vou andar com o esqueleto atado com arames, apesar de ter feito apenas 68 kms!!!
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
.o0o.
Clip de filme.

.o0o.
Clip de filme (parte II)

Comentários

mário manso disse…
foi simplesmente brutal,fantástico ...não foi um sonho,foi realidade.
Não há expressões para descrever os trilhos por onde passamos ...genial!
Amigo A.Cabaço parabéns por todo o trabalho que teve com esta aventura ...um abraço,para o resto do pessoal tudo malta fixe...vemonos por ai nos trilhos ou fora deles
FMicaelo disse…
Excelente local para pedalar, ou eu nao tivesse já por lá andado com o amigo AC. Tive pena de nao poder ir conhecer este cantinho, diferente da outra vez, mas quem sabe se numa outra oportunidade lá irei.
Quanto aos ossinhos abanados, isso é garantido, mas para ver estas paisagens tem de ser mesmo assim!
PNSAC um grande parque a descobrir!
Paulo GR disse…
Belo relato de bela zona onde é (quase) impossível não tirar belas fotos.
A descida em "ZZZZ" chama-se a diagonal da "Costa de Alvados"
Paulo GR disse…
Belo relato de bela zona onde é (quase) impossível não tirar belas fotos.
A descida em "ZZZZ" chama-se a diagonal da "Costa de Alvados"

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…