Avançar para o conteúdo principal

"Lisga"

Pelas 07h30 lá me juntei ao  Jorge Palma e ao António Leandro, para mais um passeio com as nossas "anoréticas"
Hoje, resolvemos ir até à bonita zona do pinhal, absorver aquela paisagem encantadora, pedalando pelas suas panorâmicas estradinhas e claro . . . moer um pouco o "cortiço"!!!
Combinámos então ir até à Lisga, via Oleiros.
Saímos da cidade em direção à N.112, com a manhã ainda bem fresquinha áquela hora matinal.
Passámos pelo Salgueiro do Campo e combinámos tomar o cafézinho da manhã no café da Lameirinha.
Mas por ali abrem um pouco tarde, pois á nossa passagem, pelas 08h40, ainda estava fechado.
A solução era parar no Estreito.
Continuámos a subir até à Foz do Giraldo, desviámos à esquerda para a N.230 que nos levaria até Oleiros.
Foi um sobe e desce até ao alto da serra, onde a paisagem serrana já começava a mostrar-nos bonitas e amplas panorâmicas. Aqui o pinheiro ainda é rei!
Começámos então a descer para o Estreito e entrámos na povoação para tomarmos a matinal dose de cafeína no Bar "O Lapacheiro".
Voltámos à estrada e passando ainda por Retaxo, Ameixoeira e Milrico, chegámos à entrada de Oleiros, onde virámos para Bonjardim, passando pelas traseiras da serração.
Aqui, entrámos numa estreita estrada que nos levou por Fozes e Bonjardim até à Roda.
Até então sempre pelo vale, apreciando bonitas paisagens, com algumas pequenas e castiças aldeias espalhadas pelas encostas da serra, ou povoando os vales, onde as imponentes eólicas pareciam assumir o papel de guardiãs.
Chegados à Roda, a coisa complicou-se um pouco, pois ao olhar para a estrada que nos levaria ao Caniçal, rápidamente concluímos que a "coisa" iria aquecer um pouco.
Mas lá fomos conquistando kms, vagarosamente, até chegarmos ao piso empedrado que atravessa a aldeia.
Continuámos a subir até à Lisga, a aldeia de mais altitude do nosso passeio de hoje.
Descê-la obrigou-nos a vencer uma uma pendente um pouco "feroz". Continuámos em subida até quase ao cruzamento para a Bafareira, onde pudemos finalmente aliviar um pouco, na rápida descida ao Pomar.
Até ao entroncamento com a M.548 foi um pouco mais do mesmo, rumando agora às Sarzedas onde pretendíamos atestar os bidons no chafariz recentemente intervencionado.
De fato está muito bonito, mas . . . não deita água. Baahhh!!!
Seguimos viagem e parámos no Cabeço do Infante, onde bebemos algo fresco e atestámos finalmente os bidons.
O fresco da manhã já fora substituído à muito tempo por uma temperatura algo desconfortável e algumas paragens, são reconfortantes e dão-nos algum descanso.
O nosso "prémio" está ganho logo que saímos de casa, independentemente da velocidade média que consigamos, ou o acumulado, positivo ou negativo, a que nos possamos sujeitar. Vamos praticar o desporto que gostamos, de forma lúdica e descontraída e partilhando algumas horas na companhia de amigos, ou mesmo companheiros ocasionais.
Chegámos a Castelo Branco um pouco cansados, é um fato, mas agradados com as horas que passámos pedalando com a nossa "ginga", descobrindo ou revendo outros cantinhos e assimilando bonitas paisagens, durante os 110 kms que hoje percorremos.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…