Avançar para o conteúdo principal

"Lisga"

Pelas 07h30 lá me juntei ao  Jorge Palma e ao António Leandro, para mais um passeio com as nossas "anoréticas"
Hoje, resolvemos ir até à bonita zona do pinhal, absorver aquela paisagem encantadora, pedalando pelas suas panorâmicas estradinhas e claro . . . moer um pouco o "cortiço"!!!
Combinámos então ir até à Lisga, via Oleiros.
Saímos da cidade em direção à N.112, com a manhã ainda bem fresquinha áquela hora matinal.
Passámos pelo Salgueiro do Campo e combinámos tomar o cafézinho da manhã no café da Lameirinha.
Mas por ali abrem um pouco tarde, pois á nossa passagem, pelas 08h40, ainda estava fechado.
A solução era parar no Estreito.
Continuámos a subir até à Foz do Giraldo, desviámos à esquerda para a N.230 que nos levaria até Oleiros.
Foi um sobe e desce até ao alto da serra, onde a paisagem serrana já começava a mostrar-nos bonitas e amplas panorâmicas. Aqui o pinheiro ainda é rei!
Começámos então a descer para o Estreito e entrámos na povoação para tomarmos a matinal dose de cafeína no Bar "O Lapacheiro".
Voltámos à estrada e passando ainda por Retaxo, Ameixoeira e Milrico, chegámos à entrada de Oleiros, onde virámos para Bonjardim, passando pelas traseiras da serração.
Aqui, entrámos numa estreita estrada que nos levou por Fozes e Bonjardim até à Roda.
Até então sempre pelo vale, apreciando bonitas paisagens, com algumas pequenas e castiças aldeias espalhadas pelas encostas da serra, ou povoando os vales, onde as imponentes eólicas pareciam assumir o papel de guardiãs.
Chegados à Roda, a coisa complicou-se um pouco, pois ao olhar para a estrada que nos levaria ao Caniçal, rápidamente concluímos que a "coisa" iria aquecer um pouco.
Mas lá fomos conquistando kms, vagarosamente, até chegarmos ao piso empedrado que atravessa a aldeia.
Continuámos a subir até à Lisga, a aldeia de mais altitude do nosso passeio de hoje.
Descê-la obrigou-nos a vencer uma uma pendente um pouco "feroz". Continuámos em subida até quase ao cruzamento para a Bafareira, onde pudemos finalmente aliviar um pouco, na rápida descida ao Pomar.
Até ao entroncamento com a M.548 foi um pouco mais do mesmo, rumando agora às Sarzedas onde pretendíamos atestar os bidons no chafariz recentemente intervencionado.
De fato está muito bonito, mas . . . não deita água. Baahhh!!!
Seguimos viagem e parámos no Cabeço do Infante, onde bebemos algo fresco e atestámos finalmente os bidons.
O fresco da manhã já fora substituído à muito tempo por uma temperatura algo desconfortável e algumas paragens, são reconfortantes e dão-nos algum descanso.
O nosso "prémio" está ganho logo que saímos de casa, independentemente da velocidade média que consigamos, ou o acumulado, positivo ou negativo, a que nos possamos sujeitar. Vamos praticar o desporto que gostamos, de forma lúdica e descontraída e partilhando algumas horas na companhia de amigos, ou mesmo companheiros ocasionais.
Chegámos a Castelo Branco um pouco cansados, é um fato, mas agradados com as horas que passámos pedalando com a nossa "ginga", descobrindo ou revendo outros cantinhos e assimilando bonitas paisagens, durante os 110 kms que hoje percorremos.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …