Avançar para o conteúdo principal

"Lisga"

Pelas 07h30 lá me juntei ao  Jorge Palma e ao António Leandro, para mais um passeio com as nossas "anoréticas"
Hoje, resolvemos ir até à bonita zona do pinhal, absorver aquela paisagem encantadora, pedalando pelas suas panorâmicas estradinhas e claro . . . moer um pouco o "cortiço"!!!
Combinámos então ir até à Lisga, via Oleiros.
Saímos da cidade em direção à N.112, com a manhã ainda bem fresquinha áquela hora matinal.
Passámos pelo Salgueiro do Campo e combinámos tomar o cafézinho da manhã no café da Lameirinha.
Mas por ali abrem um pouco tarde, pois á nossa passagem, pelas 08h40, ainda estava fechado.
A solução era parar no Estreito.
Continuámos a subir até à Foz do Giraldo, desviámos à esquerda para a N.230 que nos levaria até Oleiros.
Foi um sobe e desce até ao alto da serra, onde a paisagem serrana já começava a mostrar-nos bonitas e amplas panorâmicas. Aqui o pinheiro ainda é rei!
Começámos então a descer para o Estreito e entrámos na povoação para tomarmos a matinal dose de cafeína no Bar "O Lapacheiro".
Voltámos à estrada e passando ainda por Retaxo, Ameixoeira e Milrico, chegámos à entrada de Oleiros, onde virámos para Bonjardim, passando pelas traseiras da serração.
Aqui, entrámos numa estreita estrada que nos levou por Fozes e Bonjardim até à Roda.
Até então sempre pelo vale, apreciando bonitas paisagens, com algumas pequenas e castiças aldeias espalhadas pelas encostas da serra, ou povoando os vales, onde as imponentes eólicas pareciam assumir o papel de guardiãs.
Chegados à Roda, a coisa complicou-se um pouco, pois ao olhar para a estrada que nos levaria ao Caniçal, rápidamente concluímos que a "coisa" iria aquecer um pouco.
Mas lá fomos conquistando kms, vagarosamente, até chegarmos ao piso empedrado que atravessa a aldeia.
Continuámos a subir até à Lisga, a aldeia de mais altitude do nosso passeio de hoje.
Descê-la obrigou-nos a vencer uma uma pendente um pouco "feroz". Continuámos em subida até quase ao cruzamento para a Bafareira, onde pudemos finalmente aliviar um pouco, na rápida descida ao Pomar.
Até ao entroncamento com a M.548 foi um pouco mais do mesmo, rumando agora às Sarzedas onde pretendíamos atestar os bidons no chafariz recentemente intervencionado.
De fato está muito bonito, mas . . . não deita água. Baahhh!!!
Seguimos viagem e parámos no Cabeço do Infante, onde bebemos algo fresco e atestámos finalmente os bidons.
O fresco da manhã já fora substituído à muito tempo por uma temperatura algo desconfortável e algumas paragens, são reconfortantes e dão-nos algum descanso.
O nosso "prémio" está ganho logo que saímos de casa, independentemente da velocidade média que consigamos, ou o acumulado, positivo ou negativo, a que nos possamos sujeitar. Vamos praticar o desporto que gostamos, de forma lúdica e descontraída e partilhando algumas horas na companhia de amigos, ou mesmo companheiros ocasionais.
Chegámos a Castelo Branco um pouco cansados, é um fato, mas agradados com as horas que passámos pedalando com a nossa "ginga", descobrindo ou revendo outros cantinhos e assimilando bonitas paisagens, durante os 110 kms que hoje percorremos.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…