Avançar para o conteúdo principal

"Até à Foz da Líria"

Hoje, quando acordei, não tinha a certeza de ir pedalar. Só quando espreitei pela janela, verifiquei que, apesar do céu bastante nublado, antevia-se uma manhã de pouca chuva.
Lá me juntei ao Álvaro Lourenço, que já me esperava à saída da minha garagem e fomos ter com a rapaziada às Docas. Já ali se encontravam o Nuno Eusébio e o Luís Lourenço.
Entretanto chegaram também o Abílio Fidalgo e o Pedro Barroca.
Tomámos logo ali o cafezinho matinal e divertimo-nos um pouco com uma das empregadas do café Sical, uma sportinguista de gema, que defende o seu clube com unhas e garras!
Deixámos as Docas e descemos a Avenida 1º. de Maio, em direção à Piscina Praia, para passarmos pela Barragem da Talagueira em direção ao Baixo da Maria.
Seguimos para o Vale da Cruz e subimos ao estradão junto à A23, para rumarmos às Benquerenças.
Andámos entretidos num par de veredas, enlameadas e escorregadias, com passagem pela abandonada aldeia da Azinheira, tomando depois o rumo ao VG do Canto Redondo, onde entrámos no estradão para a Foz da Líria
.
Cruzámos o leito da Ribeira da Líria e quando chegámos ao Rio Ocreza, logo ali a duas centenas de metros, hesitámos e transpor o seu ainda volumoso caudal.
Já dava para passarmos, não a pedalar, mas a molhar a meinha e o resto. Resolvemos guardar para outro dia, tanto mais que o Álvaro queria estar em casa pelas 12h00.
Subimos à cumeada, e com a linda panorâmica sobre os Vales da Ribeira da Líria, à nossa direita, e do Rio Ocreza, à nossa esquerda, fomos absorvendo os kms que nos separavam da Aldeia da Taberna Seca.
Já que ali estávamos, fomos desmistificar o enigma da aldeia. Será que a taberna era mesmo seca??
Não era! Esta é a pura das verdades e para o provar, bebemos um par de branquinhos e o Pedro tintinhos. Tiramos umas fotos para comprovar o fato e seguimos viagem.
Está desmistificado enigma.
A Taberna não é Seca! Tem, pelo menos, um branquinho e um tintinho que até se bebem!!!
Satisfeitos com a nossa grande descoberta, seguimos viagem e junto à quinta do Bicho, virámos à direita para a Ribeira da Velha.
Cá no alto, o Álvaro seguiu logo para casa, quase que a adivinhar que ainda íamos perder algum tempo.
Pois foi. Quase no final da descida . . . PUM!! o pneu de trás da minha "Santa", entregou a alma ao criador. Ele bem me avisava de que já tinha cumprido a sua missão e que estava na hora de o substituir . . . com a reformazita . . . mas, agora com esta moda de ir aumentando a idade da reforma, quis entrar na onda . .  lixei-me!!!
Ainda experimentei um taco XXL dos que o Fidalgo trazia, mas não deu resultado. Tive que colocar uma câmara de ar, manter os tacos, comprimidos com a câmara e esperar chegar a casa sem assistência. Safei-me mais uma vez. Ainda não foi desta!
Já na cidade, fizemos uma derradeira paragem na Pastelaria do Montalvão, para mais um branquinho, acompanhado duns salgadinhos e uma mistela que o Fidalgo mandou vir. Devia ser a comida que ele dá ao canário. Baahhh!!! Gostei mais dos salgadinhos!
43 kms divertidos, uns trilhos catitas e muita "galhofa", preencheram esta manhã de btt, onde o S. Pedro também alinhou, lixando as previsões aos meteorologistas.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…