Avançar para o conteúdo principal

"Até à Foz da Líria"

Hoje, quando acordei, não tinha a certeza de ir pedalar. Só quando espreitei pela janela, verifiquei que, apesar do céu bastante nublado, antevia-se uma manhã de pouca chuva.
Lá me juntei ao Álvaro Lourenço, que já me esperava à saída da minha garagem e fomos ter com a rapaziada às Docas. Já ali se encontravam o Nuno Eusébio e o Luís Lourenço.
Entretanto chegaram também o Abílio Fidalgo e o Pedro Barroca.
Tomámos logo ali o cafezinho matinal e divertimo-nos um pouco com uma das empregadas do café Sical, uma sportinguista de gema, que defende o seu clube com unhas e garras!
Deixámos as Docas e descemos a Avenida 1º. de Maio, em direção à Piscina Praia, para passarmos pela Barragem da Talagueira em direção ao Baixo da Maria.
Seguimos para o Vale da Cruz e subimos ao estradão junto à A23, para rumarmos às Benquerenças.
Andámos entretidos num par de veredas, enlameadas e escorregadias, com passagem pela abandonada aldeia da Azinheira, tomando depois o rumo ao VG do Canto Redondo, onde entrámos no estradão para a Foz da Líria
.
Cruzámos o leito da Ribeira da Líria e quando chegámos ao Rio Ocreza, logo ali a duas centenas de metros, hesitámos e transpor o seu ainda volumoso caudal.
Já dava para passarmos, não a pedalar, mas a molhar a meinha e o resto. Resolvemos guardar para outro dia, tanto mais que o Álvaro queria estar em casa pelas 12h00.
Subimos à cumeada, e com a linda panorâmica sobre os Vales da Ribeira da Líria, à nossa direita, e do Rio Ocreza, à nossa esquerda, fomos absorvendo os kms que nos separavam da Aldeia da Taberna Seca.
Já que ali estávamos, fomos desmistificar o enigma da aldeia. Será que a taberna era mesmo seca??
Não era! Esta é a pura das verdades e para o provar, bebemos um par de branquinhos e o Pedro tintinhos. Tiramos umas fotos para comprovar o fato e seguimos viagem.
Está desmistificado enigma.
A Taberna não é Seca! Tem, pelo menos, um branquinho e um tintinho que até se bebem!!!
Satisfeitos com a nossa grande descoberta, seguimos viagem e junto à quinta do Bicho, virámos à direita para a Ribeira da Velha.
Cá no alto, o Álvaro seguiu logo para casa, quase que a adivinhar que ainda íamos perder algum tempo.
Pois foi. Quase no final da descida . . . PUM!! o pneu de trás da minha "Santa", entregou a alma ao criador. Ele bem me avisava de que já tinha cumprido a sua missão e que estava na hora de o substituir . . . com a reformazita . . . mas, agora com esta moda de ir aumentando a idade da reforma, quis entrar na onda . .  lixei-me!!!
Ainda experimentei um taco XXL dos que o Fidalgo trazia, mas não deu resultado. Tive que colocar uma câmara de ar, manter os tacos, comprimidos com a câmara e esperar chegar a casa sem assistência. Safei-me mais uma vez. Ainda não foi desta!
Já na cidade, fizemos uma derradeira paragem na Pastelaria do Montalvão, para mais um branquinho, acompanhado duns salgadinhos e uma mistela que o Fidalgo mandou vir. Devia ser a comida que ele dá ao canário. Baahhh!!! Gostei mais dos salgadinhos!
43 kms divertidos, uns trilhos catitas e muita "galhofa", preencheram esta manhã de btt, onde o S. Pedro também alinhou, lixando as previsões aos meteorologistas.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…