Avançar para o conteúdo principal

"Rei Wamba"

LENDA DO REI WAMBA
«Wamba, rei visigodo, fundou o Castelo de Ródão, onde vivia com a sua mulher e filhos. A rainha fugiu, certo dia, para os braços de um rei mouro, o que levou Wamba a procurá-la, disfarçado de mendigo.
Ela reconheceu-o, fingiu ser prisioneira do mouro e escondeu o marido no próprio quarto, entregando-o em seguida ao amante.
Pediu Wamba à generosidade do inimigo que lhe concedesse tocar pela última vez a sua corna. Os seus companheiros de armas ouvindo-o, acudiram-lhe. Mataram o rei mouro, e trouxeram a rainha para o Castelo de Ródão.
Por sugestão do filho mais novo, o castigo dela consistiu em ser precipitada pela íngreme encosta para o Tejo. Ao saber do castigo, a rainha proferiu a sua tripla maldição:
Adeus Ródão, adeus Ródão
Cercada de muita murta
E terra de muita ...
Não terás mulheres honradas
Nem cavalos regalados
Nem padres Coroados!»
Diz-se que por onde o corpo rolou nunca mais cresceu mato.»

Depois da coça de ontem a engarrafar vinho, hoje ainda hesitei um pouco, na hora de ir ao encontro da minha "ézinha", preguiçosamente suspensa num suporte próprio.
levantei-me e fui encostar o nariz à janela da cozinha ver como estava o tempo. Frio, vento e algumas nuvens ameaçadoras, foi com o que me deparei.
C'um "carago", ainda esta semana não dei uma pedalada . . . vamos lá embora!
Saí de casa pelas 09h15 com a ideia inicial de ir tomar o cafezinho matinal, acompanhado do pastelito de nata, à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão.
Quando cheguei à rotunda, junto à nova ponte da Carapalha, resolvi virar em direção ao Ponsul.
Logo aí, vi que estava lixado . . . o vento frontal era frio e augurava dificuldades.
Cheguei à ponte e parei para tirar uma foto à bonita e abandonada ponte medieval sobre o Rio Ponsul.
Ainda por ali dei uma espreitadela, a ver se por ali via algum pescador, mas nem vivalma.
Pudera, com este frio, os peixes ainda deviam estar com a manta puxada até à guelra.
Continuei a minha voltinha, agora em direção aos Lentiscais, onde hoje não parei e, recordei alguns momentos da passagem por aquela zona, no passado sábado, com alguns amigos, em btt.
Desci ao rio e fui ver o embarcadouro do "Balcon do Tajo", o barco turístico que faz a ligação entre aquele cais e o de Cedillo, e vice versa.
Está bonito e arranjadinho! Tirei um par de fotos e continuei a minha volta matinal, seguindo para Alfrívida, onde mudei o rumo para Vila Velha de Rodão, passando por Perais e Coxerro, já na N.18.
Cheguei a Vila Velha e virei logo o azimute à Bolaria Rodense, para o cafezinho e bolinho matinais.
Encostei a bike e entrei no estabelecimento. Ia a abrir a boca para efetuar o pedido, quando chega uma travessa com bolinhas de Berlim acabadinhas de fazer. Os meus olhos brilharam!!
Fui assaltado por algum saudosismo, ao lembrar  vendedor ambulante, de "caixote" às costas a vender bolinhas de Berlim pelas praias da Costa. «Olhà bolinha. Doces e fofas com"às minhas. Com creme e sem creme. Olhà bolinha...». Velhos tempos!
Então . . . cometi uma maldadezinha e mandei vir uma bolinha de Berlim a acompanhar o café, atraiçoando a minha velha gula pelo pastelinho de nata. Coisas da vida!
Abandonei Vila Velha, agora com a intenção de ir dar uma espreitadela à velha torre - atalaia do Rei Wamba.
Cruzei a linha férrea da Beira Baixa e subi pela bonita estradinha panorâmica, e no alto, fiz então o desvio aquele belo cantinho, onde se encontra o altaneiro castelo do Rei Wamba.
«O Castelo de Ródão, também referido como Castelo do Rei Wamba, constitui-se numa torre-atalaia, erguida numa escarpa sobranceira ao rio Tejo, sobre as chamadas Portas de Ródão, um estreitamento no curso do rio. Do alto de seus muros, miradouro de visita obrigatória, o visitante descortina excecional panorâmica do vale do Tejo.»Por ali me mantive algum tempo apreciando toda aquela espetacular panorâmica, que se estendia até onde a minha vista podia alcançar.
Gosto destes momentos em solitário!
No céu, as nuvens começavam a juntar-se. indicando que a chuva vinha a caminho. O melhor, era ir andando, não fosse ser surpreendido, o que não me agradaria nada, pois tampouco levava capa para a água.
Desci ao cruzamento de Vilas Ruivas e segui para o Perdigão, onde entrei na IP2, que segui até Castelo Branco, com passagem por Alvaiade e Sarnadas.
Eram 12h45, quando voltei a colocar a minha "ézinha"  no local onde horas antes a tinha retirado.
Apesar da pequena hesitação, logo pela manhã, a voltinha de hoje acabou por ser bastante agradável e gratificante, terminando com 85 kms, pedalados por alguns dos bonitos recantos cá do nosso condado.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Linda e interessante volta, por alguns locais encantadores da nossa Beira Baixa, muito bem documentada por esta reportagem!
Abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…