Avançar para o conteúdo principal

"Sarnadas de São Simão"

Hoje foi dia de ir passear a minha "ézinha", na companhia dos amigos Jorge Palma, António Leandro, Nuno Maia e o António, que depois duns treinitos recatados, veio mais uma fez fazer um teste à sua performance. Pois bem! Por enquanto pode ir continuando com os seus treinitos, que nós somos lentitos e trepadores de fim de semana . . . mas nem sempre.
Andar nas calmas, apreciar a paisagem e ir dando ao "lambarão" enquanto pedalamos, é uma opção e não falta de capacidade, para também andarmos a cheirar o rabinho uns aos outros, em bicha de "pirilau". Vemos também na televisão como fazem os profissionais, nas grandes voltas e clássicas de ciclismo. Mas . . . verdade seja dita . . . somos meros cicloturistas, não temos outras aspirações!
Por isso . . . se querem ser corredores e vão fazer testes com cicloturistas . . . algo está errado!!! Gosto de ser cicloturista, mas "de cobaia", fico mesmo fdd!
Já passava das 08h30, quando saímos para a estrada, em direção à Serra do Muradal.
Hoje escolhemos como ponto de passagem, entre outras, a Aldeia das Sarnadas de S. Simão, terra que um amigo nosso, o Silvério, adotou através dos laços matrimoniais.
É uma pitoresca aldeia, situada nas faldas da Serra do Muradal, e cujo nome, parece provir do étimo latino cerno, que significa ver ao longe, uma vez que a serra oferece paisagens únicas, e que hoje, mais uma vez testemunhamos.
A paragem para a matinal dose de cafeína, ficou marcada para o Café do Cabeço do Infante, onde chegamos após passagem pela Taberna Seca e Vilares de Cima.
Entre conversa amena, bolachas e chávenas de café, por ali nos mantivemos algum tempo, pois não temos nada contra o relógio, pelo contrário, gostamos bastante desse instrumento tecnológico, de tal forma, que até o usamos no pulso.
saímos do café e seguimos para as Sarzedas, onde à saída da vila, rumámos à Azenha de Cima, para fazermos o último km até à entrada da Aldeia do Pé da Serra, onde começa a canseira que é subir quase até à aldeia de Sarnadas de S. Simão.
E foi aqui que o António fez a primeira tentativa de mostrar ao pessoal que é um "escalador nato".
Com o "nato" já pode ficar, pois há-de servir-lhe para alguma coisa, mas para trepador! . . . talvez com mais uns treinitos!!! Isto, no que toca à nossa classe de cicloturistas, claro!!! Porque há os "trepadores" cicloturistas  . . . e há os outros!!! Até porque nós, nem trepamos, apenas passamos a serra para o lado de lá!
Depois da passagem pelas faldas da serra, entramos na N238, que seguimos até à Foz do Giraldo.
Parámos na fonte ali existente para beber água, encher bidons e comer algo, dando depois início à longa descida à Ribeira do Alvito, nas proximidades do Chão da Vã, apenas interrompida, na Lameirinha e Reta da Esteveira.
Com uma manhã radiante de sol e temperatura amena, o prazer de pedalar estava hoje no auge, depois de tantos dias amargos, com a meteorologia a lixar-nos os planos.
Parámos de novo no Salgueiro do Campo, no café da curva, e na esplanada, demos início a outro tipo de "treino", cuja época começa agora com mais intensidade . . . o das bjecas e das jolas!!! Também é um pouco duro, só que em vez de ser em Watts, é em Decilitros.
Se a tua capacidade máxima, é por exemplo, 350/400 Watts . . . experimenta "mamar" 350/400 Decilitros . . . e já vez qual é mais difícil!!!
Saímos da esplanada do café e subimos ao alto, ao cruzamento para o Freixial e descemos ao Rio Ocreza para enfrentarmos o último local onde os cranks das bikes oferecem mais resistência.
Entramos na cidade na hora ideal para nos dedicarmos ao banhinho retemperador e almocinho com a família, após 82 divertidos kms pelos belos recantos cá do nosso condado.
(se nos divertimos a pedalar, também o podemos fazer a escrever . . . por isso . . . divirtam-se!!! Mesmo com a "conversa da treta!!!")
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Maravilha de volta e com passagem pela terra, que em boa hora, adoptei, como diz o amigo António!
Só tenho é muita pena de não estar por lá para honrar devidamente a passagem deste pelotão de amigos cicloturistas!
Mas, outras oportunidades virão!
Abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…