Avançar para o conteúdo principal

"Cerejal, Tostão e Atalaia"

Hoje, até era para praticar um pouco de "clinomania", para aí uma duas horitas a mais que o habitual, mas um telefonema do Nuno Eusébio, veio alterar esta situação . . . e ainda bem!!!
Depois da voltinha descontraída de ontem, com a minha "ézinha", a solo, combinámos hoje ir dar uma betêtada, à moda das minhas voltas vadias.

Fui ter com o Nuno à Padaria do Montalvão, junto à sua residência e ali tomámos o cafezinho matinal.
Entrámos nos trilhos junto à Decathlon e fomos pedalando calmamente até à Caseta dos Maxiais.
Subimos depois às Olelas, pela vertente mais musculada e descemos à Represa, seguindo paralelos ao IP2 até ao desvio para os Poços Fundos.
Subimos às traseiras das bombas das Sarnadas, passámos pela Fonte Nova e entrámos na povoação.
Estávamos a curtir esta bela manhã solarenga e já um pouco acalorada.
Fomos até aos Rodeios e depois de nos divertirmos num par de veredas na zona, passámos junto à Capela de Nossa Senhora da Paz e cruzámos a singela Aldeia do Vale do Homem, com destino ao Vale da Pereira.
A Tojeirinha era o nosso próximo destino e, depois da adrenalínica descida à Ribeira do Açafal, subimos à povoação.
Nem vivalma. Cruzámos a IP2 e seguimos para Alvaiade, e, já à entrada da povoação, voltámos a cruzar a Ip2, pela sua passagem superior, para o Cerejal, onde pretendíamos comer algo mais sólido no Restaurante "O Graça".
A contas saíram furadas, pois além de estar fechado, ficámos com a impressão de que já não volta a abrir.
Mas tudo bem. Sem stress! Descemos ao pequeno vale e subimos até à Rotunda de acesso à Távila, que contornámos e entrámos nos estradões, em direção ao Tostão. Aquela zona tem uma panorâmica fantástica. É quase obrigatório parar para apreciar aquelas, quase inóspitas paisagens.
No Tostão, mais do mesmo, a maioria das casas denotam já abandono e muitas já em ruinas.
O Clube da terra, também se encontrava fechado, pelo que continuámos a nossa aventura de hoje, descendo de novo à Ribeira do Açafal, para subir ao Monte do Vale da Pereira, um bonito arraial, cujo casario, que também já teve os seus tempo áureos, encontra-se agora ao abandono.
Rumámos à Foz do Vale, onde voltámos a cruzar a Ribeira do Açafal, após uma descida, que nos fez suar um pouco, pelo mau estado do piso e subimos ao Monte dos Ratinhos, pelo velho caminho, agora bastante degradado pelas lagartas das máquinas de retirar a madeira das encostas da herdade.
Depois de passar pelo VG do Mulato, entrámos no Vale do Gamão e continuámos até ao Retaxo, onde parámos na "Tasca" para um par de bjecas minis e um bolinho achocolatado, cujo nome não recordo, mas que gostei à brava.
Voltámos às Olelas, subindo agora por uma zona mais suave, e com umas veredinhas interessantes e, com passagem pelo Monte do Rei, chegámos de novo à Caseta dos Maxiais, onde horas antes tínhamos passado.
Até à cidade, fomos já pelo antigo troço da N.18, que agora ladeia a Ip2, nas calmas e a absorver todo o gozo, que foram estes 79 kms de puro e lúdico btt, por alguns dos bonitos recantos cá do nosso interior.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …