Avançar para o conteúdo principal

"Btt em estado puro"

Hoje, nem era dia de ir para o campo. Tinha inicialmente planeado uma voltinha asfáltica, ali para os lados do Rio Aravil.
Mas ontem, o Álvaro deu-me "um toque", pois tinha uma folga para dar uma voltinha de bike.
Como aproveito quase sempre a oportunidade de uma boa companhia, como a do Álvaro, propus-lhe uma das minhas voltas vadias. Porreiro . . . "Habemus Companheiro!!!"
Como tenho sempre uns rascunhos guardados na gaveta, resolvi ir dar umas pedaladas para a zona do Rio Erges, pelas suas inóspitas encostas, outrora rasgada de fantásticos trilhos, que hoje constatei terem já desaparecido uma grande parte deles, pelo menos dos que conhecia, pois já há uns bons anitos que por ali não pedalo, vá-se lá a saber porquê! Talvez pelas "vacas loucas", em estado selvagem, maioritariamente já abatidas.
Não havia pressa, nem stress. Apenas a curiosidade de por ali voltar a dar umas pedaladas.
8 horas, foi a hora escolhida para o Álvaro se encontrar comigo, na minha garagem, para carregar bikes e rumar a Salvaterra do Extremo, onde iríamos dar início, ao que seria uma fantástica manhã de btt.
Saímos então pelas 08h e efetuámos uma paragem na Zebreira para a matinal dose de cafeína.
Já em Salvaterra, estacionei a viatura junto ao adro da igreja matriz e preparámos as bikes e restante material, para nos fazermos aos trilhos.
Já prontinhos, abandonámos a vila pela zona da Horta das Almas e contornámos a Tapada da Vinha, por uns antigos single tracks já pouco dissimulados, mas ainda cicláveis.
Sempre à meia encosta e quase sempre em sentido descendente, lá fomos pedalando, quase sempre por belos carreirinhos, em estado selvagem e sem vestígios de que por ali vivalma passasse, em direção ao Batão de Baixo, para a primeiro contato visual com o Rio Erges.
Fomos depois subindo entre veredas e velhos trilhos, alguns em modo de "adivinhação" até chegarmos ao Arraial do Vale das Mulheres, em completo abandono.
Sempre serpenteando por trilhos que nos faziam subir os níveis de adrenalina, pela sua beleza e alguma tecnicidade, passámos a Horta da Amêndoa e pela Panasqueira, descemos ao Vale das Eiras.
Voltámos a subir para apanharmos um estradão que nos conduziu ao Arraial do Vale Coronado, também ele em estado de abandono. Uma Pena!
Mais à frente descemos para a Ribeira de Arades, que ladeámos, em constante sobe e desce, para mais à frente a cruzarmos e subirmos ao Arraial do Velho do Barreiro.
Andámos depois um pouco lá pelas alturas, junto à estrada que segue para as Termas de Monfortinho, para voltarmos a descer ao Rio Erges, que ladeámos durante algumas centenas de metros.
Depois de passarmos pela Azenha do Charco Redondo, enfrentámos nova subida, em direção ao Arraial da Apartadura, para mais à frente, descermos de novo ao Rio Erges, que ladeámos por um single track já muito dissimulado entre as ervas, em algumas zonas até bastante alta, mas que não nos desmotivou. Pelo contrário, foi um gozo, algumas dessas passagens e mesmo uma pequena aventura.
Chegámos ao pontão que cruza o rio e dá acesso à nova estrada para Zarza la Mayor e contornando o parque de merendas, subimos pelo Olival dos Lavradores ao Cabeço da Barca, onde entrámos no asfalto, pela estrada que vem do rio para Salvaterra.
Pouco depois, estávamos de novo junto à igreja matriz, de onde algumas horas antes tínhamos saído.
Que bela manhã de btt. Até eu fiquei surpreendido pela beleza dos trilhos que pisámos hoje com as nossas bikes.
Paisagens inóspitas, trilhos em estado selvagem, avistamento de javali e veado e em plena comunhão com uma natureza que nos purificou a alma e nos limpou a mente.
É este tipo de adrenalina que me faz viver e me incentiva a procurar novos recantos e "embarcar" em novas aventuras, a solo, ou na companhia de amigos que comigo compartilhem esta filosofia.
Apenas 42 kms, mas o suficiente para nos sentirmos saciados e com a sensação de plenitude.
Foi de fato uma boa manhã de aventura, na companhia do amigo Álvaro Lourenço, que comigo partilhou o entusiamo nestas voltinhas vadias, por aí algures, ou alhures.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Filme.
Parte 1
"Ver em HD"
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …