Avançar para o conteúdo principal

"Btt em estado puro"

Hoje, nem era dia de ir para o campo. Tinha inicialmente planeado uma voltinha asfáltica, ali para os lados do Rio Aravil.
Mas ontem, o Álvaro deu-me "um toque", pois tinha uma folga para dar uma voltinha de bike.
Como aproveito quase sempre a oportunidade de uma boa companhia, como a do Álvaro, propus-lhe uma das minhas voltas vadias. Porreiro . . . "Habemus Companheiro!!!"
Como tenho sempre uns rascunhos guardados na gaveta, resolvi ir dar umas pedaladas para a zona do Rio Erges, pelas suas inóspitas encostas, outrora rasgada de fantásticos trilhos, que hoje constatei terem já desaparecido uma grande parte deles, pelo menos dos que conhecia, pois já há uns bons anitos que por ali não pedalo, vá-se lá a saber porquê! Talvez pelas "vacas loucas", em estado selvagem, maioritariamente já abatidas.
Não havia pressa, nem stress. Apenas a curiosidade de por ali voltar a dar umas pedaladas.
8 horas, foi a hora escolhida para o Álvaro se encontrar comigo, na minha garagem, para carregar bikes e rumar a Salvaterra do Extremo, onde iríamos dar início, ao que seria uma fantástica manhã de btt.
Saímos então pelas 08h e efetuámos uma paragem na Zebreira para a matinal dose de cafeína.
Já em Salvaterra, estacionei a viatura junto ao adro da igreja matriz e preparámos as bikes e restante material, para nos fazermos aos trilhos.
Já prontinhos, abandonámos a vila pela zona da Horta das Almas e contornámos a Tapada da Vinha, por uns antigos single tracks já pouco dissimulados, mas ainda cicláveis.
Sempre à meia encosta e quase sempre em sentido descendente, lá fomos pedalando, quase sempre por belos carreirinhos, em estado selvagem e sem vestígios de que por ali vivalma passasse, em direção ao Batão de Baixo, para a primeiro contato visual com o Rio Erges.
Fomos depois subindo entre veredas e velhos trilhos, alguns em modo de "adivinhação" até chegarmos ao Arraial do Vale das Mulheres, em completo abandono.
Sempre serpenteando por trilhos que nos faziam subir os níveis de adrenalina, pela sua beleza e alguma tecnicidade, passámos a Horta da Amêndoa e pela Panasqueira, descemos ao Vale das Eiras.
Voltámos a subir para apanharmos um estradão que nos conduziu ao Arraial do Vale Coronado, também ele em estado de abandono. Uma Pena!
Mais à frente descemos para a Ribeira de Arades, que ladeámos, em constante sobe e desce, para mais à frente a cruzarmos e subirmos ao Arraial do Velho do Barreiro.
Andámos depois um pouco lá pelas alturas, junto à estrada que segue para as Termas de Monfortinho, para voltarmos a descer ao Rio Erges, que ladeámos durante algumas centenas de metros.
Depois de passarmos pela Azenha do Charco Redondo, enfrentámos nova subida, em direção ao Arraial da Apartadura, para mais à frente, descermos de novo ao Rio Erges, que ladeámos por um single track já muito dissimulado entre as ervas, em algumas zonas até bastante alta, mas que não nos desmotivou. Pelo contrário, foi um gozo, algumas dessas passagens e mesmo uma pequena aventura.
Chegámos ao pontão que cruza o rio e dá acesso à nova estrada para Zarza la Mayor e contornando o parque de merendas, subimos pelo Olival dos Lavradores ao Cabeço da Barca, onde entrámos no asfalto, pela estrada que vem do rio para Salvaterra.
Pouco depois, estávamos de novo junto à igreja matriz, de onde algumas horas antes tínhamos saído.
Que bela manhã de btt. Até eu fiquei surpreendido pela beleza dos trilhos que pisámos hoje com as nossas bikes.
Paisagens inóspitas, trilhos em estado selvagem, avistamento de javali e veado e em plena comunhão com uma natureza que nos purificou a alma e nos limpou a mente.
É este tipo de adrenalina que me faz viver e me incentiva a procurar novos recantos e "embarcar" em novas aventuras, a solo, ou na companhia de amigos que comigo compartilhem esta filosofia.
Apenas 42 kms, mas o suficiente para nos sentirmos saciados e com a sensação de plenitude.
Foi de fato uma boa manhã de aventura, na companhia do amigo Álvaro Lourenço, que comigo partilhou o entusiamo nestas voltinhas vadias, por aí algures, ou alhures.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Filme.
Parte 1
"Ver em HD"
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …