Avançar para o conteúdo principal

"Hoje foi dia de Romaria"

Quando me levantei de manhã, até era para ir passear a minha "ézinha", pois no domingo passado tinha ido de btt.
Mas, estava já na garagem e lembrei-me do Fidalgo, que tinha mandado um sms no dia anterior a perguntar se alguém ia às Docas.
Um telefonema a perguntar se por lá havia alguém, trocar de sapatos, ir buscar o gps e ala, em direção às Docas.
Quando entrei no Café Sical, já eram 08h10 e á minha espera, lá estavam o Abílio Fidalgo, o Nuno Dias, o Filipe Salvado e a Cristina Salavessa.
Tomámos o cafezinho e fomos dar uma volta com as nossas "obesas" para terminar em grande no recinto da romaria da Sra de Mércules.
Saímos da cidade pela Atacanha e seguimos por Santa Apolónia e direção à Rabaça, um local sempre aprazível, em qualquer altura do ano.
Subimos a Cafede e, sem entrar na povoação, seguimos para o Moinho da Charneca e Barroca do Sapateiro.
Contornámos o vale do Pregado e com passagem pelo Mouco e Moldo, serpenteámos pelos bonitos vales da Grazinda, Escudeiro e Mendinho, subindo depois à Fonte do Ferro e entrarmos no Juncal, já com o azimute virado ao clube para arrefecer um pouco o "radiador" com uns branquinhos.
Hoje a Cristina Salavessa, fez a sua estreia com um branquinho traçado. Ao primeiro, faz-se sempre uma careta . . . mas depois . . . acaba por se gostar!!
Depois de saciados e dois dedos de conversa com o "taberneiro", malta conhecida e sempre bem disposta, descemos à Tapada dos Guerreiros em direção ao Salgueiro do Campo, onde apenas fizemos uma abordagem, subindo para a zona do Valado em direção às bombas do Palvarinho.
Cruzámos a estrada e rumámos à Capela de S. Lourenço.
Contornámos a capela e descemos à Ponte de Ferro, enfrentado depois a complicada subida do Rouxinol até ao Moinho de Vento.
A hora do amoço já se aproximava e a malta ainda tinha que passar pela romaria, por isso, toca a facilitar.
Seguimos para o Monte da Massana e com passagem pela Tapada das Figueiras e Parque de campismo, chegámos de novo á cidade.
Junto ao cruzamento dos serviços de meteorologia, o Filipe despediu-se da malta e seguiu para casa e nós descemos o ponte sobre a via férrea e entrámos no quelha dos Desembargadores até à estrada da Garalheira.
Contornámos a Escola Agrária e entrámos finalmente no recinto da Sra de Mércules.
Aparcámos as bikes no local das motos, no espaço da malta do Tukuku. (Entre motoqueiros e bikeiros, a diferença está no motor . . . o espírito é praticamente o mesmo!)
bebemos umas jolas fresquinhas e saboreámos umas belas fêveras e entremeada assadas. Estavam de estalo! Não sou muito de publicidade, mas, para mim, a melhor grelhada da romaria!!! Quem sabe, sabe!!!
Um excelente momento de convívio, entre bons companheiros, a culminar uma bela manhã de pedaladas campestres.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …

"Augas Blancas - Rabacallos"

"Dia após dia os erros do passado perdem força e os desejos do futuro ganham corpo"
Após um primeiro dia fantástico com uma boa caminhada pelas "Pasarelas del Rio Mao", eu e a minha "Maria" resolvemos manter-nos por mais um dia na região e fazer-mos outro passeio pelas encostas do Rio Sil.
Saímos da pousada após um calmo e tranquilo pequeno almoço e fomos até Chandrexa, já nas proximidades de Parada de Sil para efetuarmos mais um passeio pedestre pelas "Augas Blancas y Rabacallos".
Estacionamos a viatura num parque defronte da igreja de Santa Maria de Chandrexa e ai demos inicio ao percurso que tinha preparado com alguma antecedência.
Por uma estreitinha estradinha "vecinal" passamos A Caseta, A Peña e Purdeus, entre bonitos bosques de castanheiros e chegamos a Calvos, um pitoresco lugarejo com situação priveligiada e panorâmica fantástica sobre o Rio Sil.
Sempre em sentido descendente e por um belo "sendero" rodeado de casta…