Avançar para o conteúdo principal

"Passeio asfáltico pelo Pião e Vilar Barroco"

Para que o meu passeio montanhoso da passada quinta feira não ficasse solitário, juntei-lhe hoje mais uma volta também com algum perfil de montanha, para ver como é que anda o corpinho cá do "rapaz!" e derreter mais uma camadita do "toucinho" acumulado pelas feriazitas, onde troco, de bom grado, a bicicleta por uns bons "manjares" e um bom par de iguarias . . . depois, bem . . .depois conto com a minha "ézinha" e com a minha "santa", para voltarem a alisar a "coisa" . . . e lá vamos tentando, pois então!
Hoje, com duas baixas de vulto no pelotão, talvez por ainda estarem a soro, fomos dar uma voltinha pela zona do pinhal.
Apareceram na Racha, além de mim, o Nuno Maia, o Rui Salgueiro e o Pedro Roxo e, pelas 07h10, abandonámos a cidade em direção ao Cabeço do Infante, com passagem pela Taberna Seca e Vilares.
À entrada do Cabeço do Infante, parámos no café ali existente, para a matinal dose de cafeína e dois dedos de conversa.
Seguimos depois para Sarzedas, onde fletimos à direita para a Azenha de Cima.
À entrada do Pé da Serra, virámos à esquerda para enfrentar a mítica subida do Pião, evitada por uns e mistificada por outros, mas o que é fato, é que é apenas uma subida como tantas outras, com umas centenas de metros bem puxadinhos, é um fato, mas acho a publicidade um pouco exagerada e a placa indicativa dos 20% é um logro, pois a subida não tem tal inclinação, apesar de não estar muito longe.
Chegámos ao Pião e continuámos para Poeiros e Ribeira da Azenha, para mais à frente entroncarmos na N238, que seguimos até ao cruzamento para as Sarnadas de S. Simão.
Aqui, virámos à esquerda e rumámos ao Orvalho, com passagem por Póvoa da Ribeira, Vilar Barroco e Vilarinho.
No Orvalho, efetuámos no paragem para nos refrescarmos com uma bebida fresca e continuámos em direção à Foz do Giraldo, com passagem pelas Casas da Zebreira.
A partir daqui tudo foi mais fácil com o percurso, agora em sentido mais descendente até quase ao Salgueiro do Campo, onde voltámos a parar para encher bidons com a fresca água do seu chafariz.
Pouco mais de uma dezena de kms já estávamos em Castelo Branco, ainda com tempo para uma pequena tertúlia no café nas traseiras do Continente, onde bebericando um par de "nêgas" fresquinhas, demos por terminado o nosso passeio asfáltico de hoje, que culminou com 105 kms, numa excelente manhã para a prática deste nosso desporto lúdico, com a temperatura e os excelentes companheiros de hoje a contribuírem para que tudo corresse na perfeição.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…