Avançar para o conteúdo principal

"Pelos Vales de Ambroz, Jerte e Alto de la Vera."

Recebi convite do meu amigo facebokiano José Romero Ruiz, para participar na prova, denominada "nor3xtreme", o primeiro GranFondo feito nas terras altas do norte da Extremadura e uma zona que conheço um pouco e me encanta.
Fiquei em "pulgas" para conhecer o percurso, tanto mais que já andava há uns tempos a delinear uma volta por aquelas bandas, em estrada e em btt.
Ao conhecer o percurso, apesar da sua dureza, fiquei logo com vontade de o fazer, mas fora da parte competitiva, apesar de estar classificada como "não competitiva" . . . então mas não é o que todos dizem!!!
3 puertos de 2ª. categoria, 2 de 1ª. categoria e 2 de categoria especial, numa só "tirada" de 158 kms, já fazem uma "boa mossa" e, é sobretudo, uma boa forma de testarmos a nossa superação pessoal, numa boa, de forma lúdica, cultural e porque não gastronómica!
O bom senso, aconselhou-me a levar um grupo pequeno e o mais homogéneo possível e que se identificasse com a minha filosofia, nestas lides das duas rodas a pedal.
Acompanharam-me o Jorge Palma, o Vasco Soares e o Paulo Jalles.
Saímos cedo de Castelo Branco, pelas 05h45, em direção a Hervás, onde fomos dar início a este espetacular percurso montanhoso.
Chegámos aquela bonita povoação pouco depois das 08h00 e pelas 08h30, já rolávamos pela EX205, em direção à N630, que nos levou até Baños de Montemayor, ladeando o bonito embalse de Plasencia em pleno Valle de Ambroz.
A primeira subida até à primeira curva de ferradura deu-nos acesso à CC16, para enfrentarmos a verdadeira primeira dificuldade do dia, com a ascensão a La Gargantada e Collado de Angosturas, um puerto classificado de 2ª. categoria e que nos entreteve durante 9 kms até ao cruzamento da estrada que vem de Hervás a Candelário.
Descemos de novo a Hervás, onde entrámos, depois de cruzar a bonita ponte medieval sobre o Rio Jerte, pelo seu irregular empedrado.
Parámos numa zona de esplanadas e num dos bares locais, tomámos o cafezinho matinal (solo e cortito, ou expresso), enquanto nos preparávamos para a segunda e dura 2ª. parte do percurso.
Já com os estômagos mais aconchegados, voltámos a sair de Hervás, agora "pelo "caminho rural" para La Gargantilla.
Passámos a povoação e num percurso bastante ondulado e algo exigente, seguimos para Segura de Toro e Casas del Monte.
À saída da povoação, o Paulo Jalles, furou o tubular da sua espetacular "lightweight", montado na roda dianteira, que ditou o final da sua aventura velocipédica.
Nenhum de nós o poderia desenrascar, pois usamos rodas de pneu, e por isso, usamos câmaras de ar.
Como não levava consigo nenhum tubular de reserva, nem espuma anti furo, não se pôde tentar remediar a situação.
Tomou a decisão correta de nos mandar seguir. Iria arranjar boleia para Hervás, onde tinha a viatura.
Com o desprazer desta inopinada situação, seguimos o percurso delineado. Nada poderíamos fazer e andar em autonomia é assim mesmo.
 Estes passeios são sempre informais e nada havia que pudéssemos fazer para reparar aquela roda. Interrompermos o passeio e regressarmos todos a casa, após esta longa deslocação, também não seria certamente o que o Paulo quereria.
Descemos à N.630 e pedalámos nesta larga via até entrarmos na CC.V.11.1 para Villar de Plasencia.
Aqui começámos uma dura subida a Cabezabellosa - Pitolero, um puerto de 1ª. categoria, por uma estrada  sinuosa e com bonitas curvas de ferradura, que nos iam alterando a perspetiva sobre o fabuloso Valle de Ambroz, em continua ascensão durante cerca de 10 kms. Estávamos já na comarca do Valle de Jerte.
Ultrapassada esta dificuldade montanhosa, seguimos para El Torno já no alto de La Vera, uma comarca onde pouco pedalámos.
Na praia fluvial de "Benidorm", assim se chamava, comemos algo mais sólido no restaurante local. Um belo "bocadillo" e umas "cañas", deixaram-nos de novo em condições de dar mais umas boas pedaladas.
Descemos à Nacional 110 e parámos no espetacular mirador de El Torno, com as suas esquisitas figuras sobre as rochas.
Terminámos a descida e mais á frente, rumámos a Casas del Castañar, onde iniciámos a mais dura subida do dia, 18 kms constantes pelo Rabanillo até ao Piornal, com a sua terrivel ponta final, denominada pelos "aficionados" de "Mortirolillo".
Chegámos à povoação mais alta da Extremadura e ali parámos numa esplanada para bebermos um fresquinho par de cañas.
A descida do Piornal entre cerejais, pelo fantástico vale de Jerte, foi adrenalínica.
Passámos por Valdastillas e sempre em ligeira ascensão, cruzamos Navaconcejo e mais à frente, Cabezuela del Valle, sempre ladeados pelo belo Rio Jerte.
Passada Cabezuela e um par de kms mais à frente, virámos à esquerda para a última dificuldade do dia, a ascensão do Puerto de Honduras, um categoria especial de uns longos e intermináveis 16 kms, bastante duro para quem já levava quase centena e meia de kms nas pernas.
Mas a beleza do "puerto", as suas curvas em ferradura e as magnânimas vistas sobre o Vale de Jerte, durante a subida, e do Vale de Ambroz na descida, foram amenizando um pouco a coisa.
A última descida do dia, sobretudo nos seus kms finais foi algo espetacular, com a frondosa mata de castanheiros e carvalhos a quase taparem o céu, criando um ambiente deveras fabuloso, para quem desce de bicicleta. Foi a cereja em cima do bolo, nesta maravilhosa aventura de 158 kms, atravessando os vales do norte da Extremadura, Ambroz. Jerte e Alto de la Vera, entre vegetação de alta montanha, florestas de carvalhos, castanheiros e longos cerejais e sobretudo, na companhia dum bom trio de amigos.
Foi mais uma aventura à minha moda, com aquela característica lúdica, cultural e até gastronómica, informal e em completa autonomia.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…