Avançar para o conteúdo principal

"Um passeio ao Castelo do Rei Wamba"

Na Rotunda da Racha, pelas 08h00, juntaram-se hoje, além de mim, o Nuno Maia, Vasco Soares, Luís Lourenço e Nuno Eusébio.
Resolvemos ir fazer uma visita ao Castelo do Rei Wamba, situado numa escarpa sobranceira ao Rio Tejo, sobre as chamadas Portas de Rodão.
Reza a lenda que, «Wamba, rei visigodo, fundou o Castelo de Ródão, onde vivia com a sua mulher e filhos. A rainha fugiu, certo dia, para os braços de um rei mouro, o que levou Wamba a procurá-la, disfarçado de mendigo.
Ela reconheceu-o, fingiu ser prisioneira do mouro e escondeu o marido no próprio quarto, entregando-o em seguida ao amante.
Pediu Wamba à generosidade do inimigo que lhe concedesse tocar pela última vez a sua corna. Os seus companheiros de armas ouvindo-o, acudiram-lhe. Mataram o rei mouro, e trouxeram a rainha para o Castelo de Ródão.
Por sugestão do filho mais novo, o castigo dela consistiu em ser precipitada pela íngreme encosta para o Tejo. Ao saber do castigo, a rainha proferiu a sua tripla maldição:
Adeus Ródão, adeus Ródão
Cercada de muita murta
E terra de muita ...
Não terás mulheres honradas
Nem cavalos regalados
Nem padres Coroados!»

Diz-se que por onde o corpo rolou nunca mais cresceu mato.»
Abandonámos a cidade pela zona industrial e rumámos ao Perdigão, com passagem por Alvaiade.
No Perdigão fletimos à esquerda para a estrada panorâmica que segue para Vilas Ruivas e Vila Velha de Rodão e foi nesta seção que tivemos um encontro imediato com uma densa neblina, com uma ou outra aberta, que se manteve até à, zona de Lentiscais.
Em Vila velha fizemos a paragem obrigatória na Bolaria Rodense, para o cafezinho matinal e o pastelinho de nata da praxe.
O Luís Lourenço rumou de imediato à cidade, pois ainda pretendia ir ver o Rally da Escuderia.
Por outro lado, o António Leandro sabendo o percurso que hoje iriamos fazer, já estava á nossa espera na pastelaria e regressou connosco à cidade.
Abandonamos aquela vila e tomamos o rumo aos Lentiscais, com passagem por Perais e Alfrívida.
Sem a paragem habitual no café do João, (Pescaça) apontamos o azimute à cidade, descendo ao Rio Ponsul enfrentando a subida final, que nos trouxe de novo ao ponto de partida.
89 kms, um grupinho de malta que gostas destas lides velocipédicas, o friozinho que tem "vestido" estes dias invernosos, mas solarengos e hoje, ainda com um nevoeirinho extra,  para não nos esquecermos de que estamos realmente no inverno, animaram, de uma forma, ou de outra, este nosso passeio asfáltico de hoje.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…