terça-feira, 13 de março de 2007

"Passeio Ameno"

Pensamento:
"Nenhum gesto de gentileza, por menor que seja, é perdido".
"Esopo"
.o0o.

Hoje, apenas compareceu o Paulo para o habitual passeio das terças feiras.
Saímos cerca das 09h30, após alguns minutos de conversa com o Nuno Maia, que não foi connosco, e resolvemos pedalar um pouco ao acaso.
Dirigimo-nos à Carapalha para apanhar o trilho que passa pela Malhada dos Pinheiros e Tapada do Chinque, em direcção ao Forninho do Bispo.
Seguidamente virámos à direita para o Monte do Zeferino, onde o Paulo me propôs fazer uma descida radical, apesar de curta, segundo disse, mas eu cortei-me e seguimos então para o Cutileiro para apanhar a descida para o Monte do Pombal e pouco depois deparamos com o trilho congestionado pelo que parecia uma greve "ovina" contra a tosquia artesanal, tal era a quantidade de ovelhas que saltaram para o caminho quando nos aproximámos e nos guiaram durante uma centena de metros, ou seja, até ao início da descida.
Chegados ao Pombal, fiquei um pouco decepcionado ao ver os terrenos de azinhal todos surribados por uma máquina de grande porte que ali trabalhava e que havia destruído parte dos trihos que ali me levaram, como um single track, que tarde ou nunca voltarei a trilhar.
Mas isso não nos desmotivou, pelo contrário, atacámos o caminho feito pela máquina, seguindo o traçado deixado pelas lagartas, o que nos provocou uma grande tremideira. Mais à frente entroncámos então num dos caminhos que tinha delineado percorrer e seguímo-lo até ao local onde este foi destruído pelas erosão das águas da Ribeirinha e onde esta tem a sua foz com o Rio Ponsul.
A paisagem naquele local é magnífica e eu e o Paulo aproveitámos para tirar algumas fotos, biclas incluídas. O Paulo aproveitou para levar a sua "Canyon" até às águas da Ribeirinha, onde a colocou. Seguidamente tomou várias poses, como se de um ritual se tratasse, o que me levou a pensar a "Canyon" estaria a ser batizada nas águas agora calmas da Ribeirinha. Aquela bike deve ser muito mimada!!!
Após a breve cerimónia, rumámos à outrora Casa do Estrelo, onde tomámos uma suave subida, por entre estevas ainda jovens, que los levou ao caminho principal que dá acesso à Garalheira de quem vem da Granjinha e que acabámos por seguir, por o trajecto que pretendiamos fazer pelos Quintalreis, por alguém denominado "Carrossel" estar impraticável, tal o volume de eucaliptos caídos nos caminhos, fruto das últimas intempéries.
Tentámos ainda seguir um outro trilho para o Casal dos Mourões e Capa Rota, mas não nos atrevemos, por ali estarem a proceder ao corte de eucaliptos.
Mais à frente, nova tentativa, desta vez pelas Sesmarias, mas uma descida demasiado radical e com um socalco assustador, fez-nos desistir e continuar pela Garalheira. Parámos seguidamente na fonte existente junto ao caminho, verificando com tristeza que esta já estava um pouco abandonada e que já fora quase tocada pelo fogo. Ainda assim ali parámos um pouco para a foto e comer algo, para conclusão do passeio.
Sendo já 11h30 regressámos à cidade sem mais delongas, seguindo por asfalto e entrando na cidade pelas Fontainhas cerca das 12h30, com 30 kms percorridos nas almas e em conversa amena com o Paulo, um bom companheiro, que também gosta dum passeio sem "stress".
Haverá muitas mais oportunidades.
Até lá.!!!
.o0o.


Sem comentários: