Avançar para o conteúdo principal

"Passeio Ameno"

Pensamento:
"Nenhum gesto de gentileza, por menor que seja, é perdido".
"Esopo"
.o0o.

Hoje, apenas compareceu o Paulo para o habitual passeio das terças feiras.
Saímos cerca das 09h30, após alguns minutos de conversa com o Nuno Maia, que não foi connosco, e resolvemos pedalar um pouco ao acaso.
Dirigimo-nos à Carapalha para apanhar o trilho que passa pela Malhada dos Pinheiros e Tapada do Chinque, em direcção ao Forninho do Bispo.
Seguidamente virámos à direita para o Monte do Zeferino, onde o Paulo me propôs fazer uma descida radical, apesar de curta, segundo disse, mas eu cortei-me e seguimos então para o Cutileiro para apanhar a descida para o Monte do Pombal e pouco depois deparamos com o trilho congestionado pelo que parecia uma greve "ovina" contra a tosquia artesanal, tal era a quantidade de ovelhas que saltaram para o caminho quando nos aproximámos e nos guiaram durante uma centena de metros, ou seja, até ao início da descida.
Chegados ao Pombal, fiquei um pouco decepcionado ao ver os terrenos de azinhal todos surribados por uma máquina de grande porte que ali trabalhava e que havia destruído parte dos trihos que ali me levaram, como um single track, que tarde ou nunca voltarei a trilhar.
Mas isso não nos desmotivou, pelo contrário, atacámos o caminho feito pela máquina, seguindo o traçado deixado pelas lagartas, o que nos provocou uma grande tremideira. Mais à frente entroncámos então num dos caminhos que tinha delineado percorrer e seguímo-lo até ao local onde este foi destruído pelas erosão das águas da Ribeirinha e onde esta tem a sua foz com o Rio Ponsul.
A paisagem naquele local é magnífica e eu e o Paulo aproveitámos para tirar algumas fotos, biclas incluídas. O Paulo aproveitou para levar a sua "Canyon" até às águas da Ribeirinha, onde a colocou. Seguidamente tomou várias poses, como se de um ritual se tratasse, o que me levou a pensar a "Canyon" estaria a ser batizada nas águas agora calmas da Ribeirinha. Aquela bike deve ser muito mimada!!!
Após a breve cerimónia, rumámos à outrora Casa do Estrelo, onde tomámos uma suave subida, por entre estevas ainda jovens, que los levou ao caminho principal que dá acesso à Garalheira de quem vem da Granjinha e que acabámos por seguir, por o trajecto que pretendiamos fazer pelos Quintalreis, por alguém denominado "Carrossel" estar impraticável, tal o volume de eucaliptos caídos nos caminhos, fruto das últimas intempéries.
Tentámos ainda seguir um outro trilho para o Casal dos Mourões e Capa Rota, mas não nos atrevemos, por ali estarem a proceder ao corte de eucaliptos.
Mais à frente, nova tentativa, desta vez pelas Sesmarias, mas uma descida demasiado radical e com um socalco assustador, fez-nos desistir e continuar pela Garalheira. Parámos seguidamente na fonte existente junto ao caminho, verificando com tristeza que esta já estava um pouco abandonada e que já fora quase tocada pelo fogo. Ainda assim ali parámos um pouco para a foto e comer algo, para conclusão do passeio.
Sendo já 11h30 regressámos à cidade sem mais delongas, seguindo por asfalto e entrando na cidade pelas Fontainhas cerca das 12h30, com 30 kms percorridos nas almas e em conversa amena com o Paulo, um bom companheiro, que também gosta dum passeio sem "stress".
Haverá muitas mais oportunidades.
Até lá.!!!
.o0o.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…