Avançar para o conteúdo principal

"Passeio das Palmeiras"

Pensamento:
"Nenhum caminho é longo demais quando um amigo nos acompanha."
"autor desconhecido"
..o0o.
Hoje fui experimentar a minha nova Trek EX9.5 no Passeio das Palmeiras.
Pelas 08h15 lá compareci junto à sede da Associação como indicado e onde já se encontravam alguns companheiros.
Efectuei o pagamento da minha inscrição no Secretariado, revi alguns amigos a colaborar no Passeio e mantive-me por ali na conversa até ser dada a partida, após um breve "breafing" do Martin.
Compareceram a este passeio menos betetistas que o esperado, derivado talvez por amanhã ser o Passeio de Vila Velha de Rodão, denominado "Os Trilhos da Açafa", que bastante êxito teve o ano passado e ainda por ter havido na semana passada no Palvarinho "A Rota do Gaio". Isto tudo na nossa zona e com intervalo de uma semana.
Foi pena, o Martin merecia melhor para a sua primeira vez, segundo creio, na organização de passeios de BTT. Mas mais vale margem para subir do que para descer.
Haverá que ponderar no próximo ano a data para o passeio.
Contudo, quem participou gostou, pelo que me apercebi, e eu fui um deles. Apesar de conhecer bem os trilhos por onde foi delineado o passeio, notei haver cuidado na escolha do percurso e hà que referir que quando se vai para os lados do Ponsul o nível de dificuldade é sempre mais elevado. O abastecimento estava óptimo e bem situado. As sandes e os bolos cortados em metades foi ideia de mestre, pois evita desperdício. Para mim apenas um pequeno senão, que não pretendo seja crítica e se for considerada, que seja construtiva: o facto de não haver um sumozito a acompanhar a sandocha e o bolito. Mas o facto não é assim tão relevante. Não participei em toda a dinâmica do passeio por pedalar quase sempre com os últimos, por opcão, neste caso, com o Roberto e com o Filipe e um ou outro companheiro ocasional.
Entretanto o Filipe a seguir ao abastecimento teve que ir mais rápido por necessidade de chegar mais cedo.
Assim continuámos eu e o Roberto e mais à frente um outro companheiro cujo nome desconheço e que apenas sei residir em Benquerenças.
Na subida da Ribeirinha fomos brindados com algo simplesmente espectacular. Dois veados resolveram atravessar o caminho mesmo à nossa frente, a poucos metros e que permitiram que a nossa visão os comtemplasse cerca de uma centena de metros. Mas não fomos só nós que ficámos estupefactos. Um dos animais ao correr e olhar para nós, acabou por dar um valente trambolhão ao tropeçar num tronco de eucalipto. Foi divertido.!!.
Nos últimos 6 ou 7 kms o Roberto teve que acelerar também um pouco por ter recebido uma chamada de casa e eu fiquei com o companheiro de Benquerenças, que decidi não abandonar por este já vir em bastante dificuldade e condicionado pelas cãibras pelo que os últimos kms foram percorridos a uma média de 4/5 kms/h. Mas chegámos e isso foi o mais importante.
Tive imensa pena de não poder almoçar nas Palmeiras e poder desfrutar de toda aquela camaradagem, mas fica certamente para o ano. Não irei faltar.
Amanhã é outro dia e lá vou eu conhecer pela primeira vez "Os Trilhos da Açafa", pois o ano passado não pude participar.
Até amanhã.!!!
.o0o.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…