Avançar para o conteúdo principal

"A Rota do Gaio"

Pensamento:
"É quando nos esquecemos de nós mesmos que fazemos coisas que merecem ser recordadas.
"autor desconhecido"
.o0o.
Estava espectante quanto à "Rota do Gaio", isto por conhecer alguns dos trilhos nela inseridos.
Fiquei também surpreendido pela aderência do pessoal a este tipo de passeio.
Oh Roberto...!!! 134 participantes.!! Ena pá:!! C'um catano... Isto faz inveja a algumas das ditas maratonas. Ou será que o pessoal já procura mudança. Sejamos coerentes, cá para mim certamente tem também a ver om o facto de ser o primeiro passeio da época cá na zona do "burgo" e o pessoal estar com o "sangue na guelra".
Curioso, lá me dirigi para o local da concentração, junto ao Campo de Futebol do Palvarinho.
Cheguei pelas 08h30 e já bastantes participantes por ali se viam na azáfama da preparação das bikes.
A aldeia tinha uma nova vida.
Bem, dirigi-me ao secretariado e lá paguei os meus 10 euritos, até no preço os organizadores foram modestos e recolhi o meu dorsal, à escolha, onde é que já se viu isto, e fui preparar a minha "burra" para a batalha que se avizinhava.
Hora de partida,. Um breve "breafing" do Roberto e toca a pedalar.
Como era bonito ver toda aquela malta junta a pedalar num longo cordão colorido. mas foi sol de pouca dura. O vício da competição da treta, que ainda se vive no espírito de alguns, foi corroendo toda aquela beleza. hà sempre quem se iluda e tente acompanhar os "TGV'S". Depois, bem depois, é vê-los arrastarem-se pelos trilhos a partir de metade, ou no último terço do passeio, onde qualquer pequena pendente, se torna numa terrível subida.
E o que se ganha? Nada. Absolutamente nada. Pelo contrário. Tudo se perde.
Perde-se o convívio com os amigos nos trilhos.
Perde-se a oportunidade de criar novas amizades.
Perde-se as pequenas peripécias: a partipação nas brincadeiras ao longo do percurso vividas em sã camaradagem: de poder ajudar os outros e sermos correspondidos quando estamos em dificuldade.
Perde-se toda a grandeza da paisagem envolvente, a magnitude das pequenas coisas: percursos de água, trilhos semi-inventados no arvoredo: single tracks que nos fazem delirar.
E o que vêm?? Nada. Apenas terra, pedras água e lama.
Chegam em primeiro lugar, é certo: e depois??
Depois: esperam: esperam e tornam a esperar, até que o pessoal começa a chegar e vai contando as histórias que protagonizaram durante a jornada, ou que presenciaram.
E eles?? Nada têm para contar, apenas que foram os primeiros.
E o que ganharam?? Nada. Eu acho que perderam tudo...!!!
Bem: um desabafozito de vez em quando não faz mal a ninguém e eu já desabafei.
Agora, relativamente ao passeio e ao percurso, a nota média/alta ajusta-se, mas não no sentido que o Roberto lhe quiz dar, a dureza.
Para mim, nota alta na forma como organizou o percurso, bem cuidado e todo ele ciclável. Nota alta na escolha dos trilhos, na forma com inseriu os single tracks no percurso, um mimo, creio que toda a gente se divertiu, uns com mais adrenalina, outros com mais receio. A lama, nesta altura do ano, onde a não hà?? Então não é divertido dançar-se um pouo em cima da bicla e tentar ultrapassar aquela zona enlameada. E depois..!! Se cairmos apenas se suja o fato e algum ferimentozito no orgulho. E as descidas, quem não se divertiu!!! Duma forma ou de outra todos as fizémos, assim como as subidas. Como é que se desce sem ter que se subir antes, ou depois.
Criticas sempre as haverá: é inultrapassável. hà sempre quem tenha algo a dizer.
Mas eu gostei plenamente do traçado, da paisagem, da camaradagem, do abastecimento: farto, bem programado e para todos os gostos. O almoço estava porreiro. Quem não gostasse ou entendesse que a feijoada, que estava óptima, era algo pesada, tinha os grelhados.
Amigo Roberto, para mim apenas terás que mudar uma coisa no próximo ano: o último digito do ano: de 2007 para 2008.
Parabéns e bem haja pelas horas de puro divertimento que me proporcionaste.
Não desistas. A malta iria ficar arreliada.
Até breve
Quem ainda não ficou saciado com a Rota do Gaio, no Palvarinho e queira continuar a dar umas pedaladas, compareça na próxima terça feira, dia 6, no P.Infantil da P. Marques pelas 09h para pintarmos a manta, algures por aí...!!!
Até lá.


Comentários

Jorge disse…
Concordo plenamente com essa história do espírito competitivo. Só leva a desavenças nos trilhos, enganos no trajecto, roubos de fitas ou alteração de setas, criticas injustas às organizações, etc, etc, etc...
Concordo contigo, tudo se perde. Por essas e por outras é que hoje em dia prefiro meter um trilho no GPS e partir à aventura com 3 ou 4 amigos.
Poppi disse…
Boa, Sr. Cabaço!
Parabéns pela dissertação que fez do passeio "A Rota do Gaio".
Concordo plenamente consigo quando refere que quem vai apenas para competir e chegar em primeiro lugar não se diverte.
Eu pertenço ao grupo dos últimos, ou quem sabe, dos primeiros, pois eu, sim, diverti-me com este passeio. Explorei a paisagem, fiz o reconhecimento do terreno com o meu corpo e "saboreei" o gosto da lama. Sim, caí e não me envergonho, pois apesar de tudo, do cansaço, dos pés molhados que levaram a algum desânimo, consegui chegar ao fim dos 20, o que, para mim, é uma vitória. VITÓRIA, VITÓRIA!!! Venham mais passeios destes! Poppi

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…