Avançar para o conteúdo principal

"Trilhos da Açafa"

Pensamento:
"A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida."
"Eduardo Girão"
.o0o.
Este ano resolvi participar nos "Trilhos da Açafa" em Vila Velha de Rodão, depois dos comentários positivos que tenho ouvido relativamente ao evento do ano passado.
Cheguei a Vila Velha de Rodão pelas 08h30 e fiquei logo impressionado com a recepção.
Parque fechado para viaturas, simpatia, pequeno almoço farto e variado, enfim, um luxo por 15 euros. Quem assim organiza por este preço, que dizer de quem leva 20, 25 e quase 40, como em Portalegre, com prestações nem sempre superiores.
Alí revi alguns amigos que já não via à algum tempo e deu para conversar um pouco.
Dada a partida, lá fomos nós dar a voltinha da "praxe" pela povoação , logo com uma subida para os Bombeiros e saída à direita em direcção ao Coxerro.
O percurso mantinha-se plano e por estradões que nos conduziram pelo Monte do Lucriz e Vale Pousadas.
A partir daqui demos início à primeira dificudade do dia, com a subida da Ladeira de S. Gens até Cebolais de Baixo. Seguimos depois para Sarnadas, passagem no bonito Vale do Morgado, Rodeios, saindo junto à Capela da Senhora da Paz para nos embrenharmos seguidamente num bonito "single track" que abandonámos para rumar a Vale do Homem, Vale da Pereira, Tojeirinha e Alvaiade, onde se encontrava segundo abastecimento.
A partir daqui, salve-se quem puder. Deu-se início à subida para o alto da Serra do Pedrigão, que apesar de ser em estradão com bom piso até à antena eólica, era longa e o pessoal já acusava algum desgaste.
Lá bem no alto, liberdade total para apreciarmos a deslumbrante paisagem que dali se avista.
Indescritível.
Seguiu-se uma descida radical com sobe e desce na vertente oposta da serra que contornámos a 180 graus, seguindo depois à meia encosta, paralelo ao caminho feito anteriormente pelo cume.
Segui-se uma descida perigosa, devidamente assinalada, que nos levou até ao Perdigão. Mas o descanso foi de pouca dura, pois logo ali se iniciou a subida da Serra do Penedo Gordo e no alto, nova descida perigosa, também assinalada e alguns kms depois, a última e mais complicada descida perigosa, a do Cabeço da Achada, algo comprida e que terminou em Vila Velha de Rodão, pondo fim ao suplício que foi o último terço do passeio.
Pessoalmente gostei bastante do trajecto, apesar de o considerar com uma dureza notável, mas as paisagens que nos foram oferecidas durante o percurso e algumas passagens singulares, valeram todo o esforço dispendido e para mim, bastava-me o explendor que pude observar do alto da Serra do Perdigão. Vou lá voltar certamente.
Consegui ler bem o percurso pelas marcações efectuadas e apenas um reparo.
Senti-me abandonado, assim como os meus companheiros na chegada aos Bombeiros, onde as marcações desapareceram, não havia ninguém da organização para dar qualquer informação e já no local da partida, que presumímos que fosse o da chegada, também não havia ninguém. Valemo-nos dum outro participante para nos indicar o local de banhos.
hà que ter presente que o passeio só acaba com a chegada do último participante, que fez a sua inscrição tal como o primeiro.
Em termos gerais adorei o passeio e o almoço foi excelente e servido à vontade de cada um e sem restrições. Foi óptimo.
Para o ano se puder, lá estarei novamente.
.o0o.
Terça Feira, dia 13 de Março, quem quiser dar umas pedaladas, compareça no P. Infantil da Pires Marques pelas 09h, como habitual.
Até lá.
.o0o.


Comentários

BlogdaHistória disse…
Caro amigo como elemento da organização, em primeiro lugar penitenciamo-nos pelo abandono a que vos votámos na parte terminal do percurso, de facto o reduzido nº de elementos e os muitos fogos a que tivémos de acorrer, especialmente no almoço, provocou uma ligeira descoordenação. Prem, é com as vossas criticas e comentários que nós assumimos a necessidade de melhorar.Obrigado pela franqueza!
Relativamente à sua evidente satisfação por ter participado nos Trilhos da Açafa queremos agradecer as palavras amigas e garantir-lhe que para o ano cá estaremos com a mesma vontade de vos servir e de proporcionar as melhores experiências betetisticas.
Algumas novidades surgirão concerteza. Vontade de fazer melhor não nos falta.

Um abraço, ver-nos-emos por aí!

Jorge Gouveia

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…