Avançar para o conteúdo principal

"Um visita ao Miradouro da Capela de Sta Cruz"

Numa manhã primaveril e um pouco fria, compareceram na Pires Marques, AC, Álvaro, Filipe, Dino e Humberto, para mais uma terça feira de Btt.
Desta vez "passei a bola" ao Álvaro, que foi o "inventor" do percurso de hoje e que acabou por nos levar ao bonito miradouro da Capela de Santa Cruz no Sobral do Campo.
Partimos inicialmente com rumo ao Maxial do Campo, terra natal do Álvaro, mas mais tarde acabámos por alterar o percurso, por ser demasiado longo e haver necessidade de estar a horas cá no burgo, para o Filipe se preparar para ir trabalhar.
Mas a "coisa" não correu bem, com dois furos, Humberto e Dino e como se não bastasse, enganámo-nos num trilho que nos somou uma série de kms aos inicialmente previstos. "Betêtista sofre. eh eh eh!!!"
saimos então da cidade em direcção a Alcains e rumámos à Lardosa, onde verificámos que mais um dos nossos trilhos preferidos já está a ser alcatroado à saída daquela povoação desconhecendo ainda a sua extensão.
Da Lardosa apontámos os guiadores das nossas bikes ao Louriçal, onde entrámos pelo estradão de S. Fiel para tirarmos azimute ao Sobral do Campo.
Naquela bonita povoação subimos à Capela de Santa Cruz, lá bem no alto e onde no seu adro existe um miradouro que nos abre vastos horizontes com lindíssimas paisagens a perder de vista.
O citado miradouro tem quatro cantos, todos eles com um enquadramento paisagístico diferente.
abandonámos o Sobral em direcção ao Ninho do Açor e aqui a coisa complicou-se, pois tomámos o trilho errado e que terminou abruptamente num extenso matagal.
Para não voltar atrás e como se vislumbrava outro trilho a cerca de duas centenas de metros, resolvemos embrenharmo-nos no matagal e aí é que a "coisa" se complicou.
Era uma barreira com mato denso e alto e lá fomos nós encosta abaixo furando o mato com as biclas às costas, que se prendiam em tudo o que era rama e mato e o trilho que tinhamos visto lá do alto nunca mais aparecia, até que o Filipe gritou.!!! . . .não "Terra à vista.!!!" . . . mas sim, já estou a ver o trilho. Foi um alívio!!!
Mas tudo isto faz parte da aventura e está sempre presente nas nossas "andanças" betêtísticas.
Lá seguimos então o trilho, não em direcção ao Ninho do Açor, pois esse já ficara lá para outras bandas, mas em direcção à Várzea do Porto do Conde, onde virámos à esquerda para o trilho que nos levou ao Barbaído.
Passámos a Povoação e já com alguma pressa em chegar à cidade, cruzámos o Juncal e apanhámos o estradão para a Quinta de Valverde junto ao Lagar, passando pela Lameira do Velho.
Já na N.551, continuámos por asfalto até virarmos para a Tapada das Figueiras e passando o Parque de Campismo, cruzámos a N.18 para entramos na cidade pelas 13h30, com 78 kms percorridos à média de 17,5 kms/h, derivado aos contratempos, que nos obrigaram a acelerar um pouco o ritmo.
Foi muma manhã divertida e cheia de adrenalina e onde a camaradagem mais uma vez foi rainha.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Slideshow

Comentários

FMicaelo disse…
Excelente reportagem e claro, boas fotos como sempre. Tá-me a parecer que foi uma excelente voltinha! E eu que não pude ir!... (O Sócrates não me dispensou da Função Pública....ehehehehe)
Outros bons momentos haverá e eu lá espero estar. Têm que repetir esta comigo! Até terça!

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…