Avançar para o conteúdo principal

Rota do Gaio 2008

Depois do excelente passeio dos Bombeiros Voluntários de Castelo Branco, a tão esperada Rota do Gaio.
Nada de novo a assinalar!!!
A qualidade que o RARN já nos habituou, ficou evidenciada nesta III edição da Rota do Gaio e onde não só a qualidade e diversidade dos trilhos percorridos e o enquadramento paisagístico, com a visita a dois importantes cursos de água da região, o Rio Ocreza e a Ribeira do Tripeiro tiveram nota de destaque, mas também a qualidade dos participantes, e aqui não cabe referir os seu dotes técnicos, ou a sua performance desportiva, mas sim a capacidade de conviver e animar um dos melhores "PASSEIOS" da região, onde a camaradagem e divertimento foi uma constante na maioria dos que aderiram a este passeio.

Todos nós que gostamos de pedalar, ficamos rendidos a estes eventos, que quase podemos apelidar de "familiares" e onde se convive desde a partida até à chegada.
Encontramos amigos que já não víamos hà algum tempo, conversamos sobre variados temas, mesmo nos trilhos e no final, o almoço é um dos pontos altos, onde nos sentamos à mesa, quase sempre preferencialmente junto dos amigos e malta conhecida, onde "atacamos" a comidinha e "bebericamos" animadamente, sem nos preocuparmos com prémios e outras "tretas", que são sempre a parte "menor" destes acontecimentos.
Revi amigos, conheci outros companheiros, falei dos meus temas preferidos, convivi e diverti-me "à brava" com as mais diversificadas situações, devorei um excelente almoço em animada cavaqueira, conheci belos trilhos e explêndidas paisagens, que melhor prémio poderia aspirar!!!
Apenas que o Roberto não desista e continue a animar a malta com Gaios, Xistos, de dia ou de noite, com mais ou menos kms, a subir ou a descer, tanto faz!!! A malta quer é curtir e conviver.
Quando é o próximo?????????????????????????
Estive presente, com alguns dos meus amigos.
Saí de casa pelas 07h55 e fui buscar o Marcelo junto ao Terminal onde carregámos a sua "bike" na minha "jipose".
Já não fomos ao encontro com a restante malta que se reuniu na Padaria de Montalvão, junto ao Modelo, por já ser um pouco tarde e presumirmos que já tivessem abalado.
Chegámos ao Palvarinho e já havia movimento com as "descargas" e verificação das "máquinas".
A malta foi chegando, foram-se cumprimentado e fomo-nos aproximando do secretariado para receber o dorsal.
Pouco depois o Roberto já "esbracejava" no coreto chamando o pessoal, pois a hora da partida tinha chegado.
A malta juntou-se e notou-se a preocupação de alguns participantes em se manterem na linha da frente, prontos para o arranque.
Eu e a "rapaziada" com quem costumo pedalar, mantivemo-nos afastados dessa "guerrilha" e ficámos nas "covas" com as digitais afinadas e prontas a atacar uma ou outra paisagem e alguns "instantâneos" para mais tarde recordar.
Deu-se a partida a a malta "arrancou" em busca do Gaio e logo ao segundo km um single espectacular que infelizmente não pude desfrutar derivado ao "engarrafamento", mas vou lá voltar!!!
seguiu-se uma espectacular descida a necessitar chegar o "rabinho" um pouco atrás, não fosse por ali acontecer algum "mortal" inopinado e depois da subidinha seguinte segui-se uma sequência de sobe e desce que animou a malta, com as devidas excepções, pois há rapaziada que "resmunga" quando é a subir e "resmunga" quando é a descer, vá lá um "gajo" perceber!!!
Depois da descida para o Rio Ocreza, onde até a pala do capacete estorvava a visão, eh eh eh, aquela "pedalada" a acompanhar o rio foi linda e logo a subidinha "marota", para tornar a descer para a Ribeira do Tripeiro e pedalar naquele belo e "artesanal" single track.
Foi pena foi eu ter-me "cortado" um pouco na passagem das pedras, mas ganhei coragem e finalizei passando a ponte e a zona de saída a pedalar para afrontar depois nova subida que nos levou até aos Pereiros e mais à frente o esperado abastecimento à entrada da aldeia de Mendares, farto e diversificado, que até tive dificuldade em escolher o que haveria de comer. eh eh eh!!!
Depois foi "llanear", como dizem "nuestros hermanos" até à Serrasqueira, onde nos esperavam uns "miúdos" que nos ofereciam um "copito de bela aguardente" e mais à frente, numa garagem, a "injecçãozinha bebível de sagrespan", vulgarmente conhecida por sagres mini, para dar coragem aos mais necessitados, na rápida descida para a Praia Fluvial do Muro, onde nos rendemos aquela beleza selvagem.
Para ajudar a afrontar a "subidita" que se seguia, havia necessidade de passar pelo grelhador, onde se poderia "degustar" umas rodelitas de chouriço, morçela, ou farinheira, assadinhas na brasa e podendo ser acompanhadas com um tintol de "autor desconhecido" e que eu, feito "ceguinho" não me apercebi!!!! Irra, estou cada vez mais cegueta. Como é que fui passar ao lado da "chouriça assada, sem me aperceber!!! Acho que estou a perder qualidades!!!
Depois da subida e já com o "casario" do Palvarinho à vista, seguimos pela esquerda em direcção a Salgueiro do Campo, por trilhos entre estevais, até entrarmos em asfalto que seguimos uma centena de metros para entrarmos de novo nos trilhos, numa bela passagem e aí, apercebí-me que ía-mos mesmo desfrutar os espectaculares "singles" que são, se assim se pode chamar para a malta betêtista, o "ex-libris" do Palvarinho, o que equivale a dizer, que foi um final em grande e cheio de adrenalina.
Segui-se o almoço nas instalações da Associação, a que ninguém ficou indeferente, quer pela qualidade, quer pela simpatia dos cooperantes, culminando com a "malta" toda em alegre cavaqueira e salutar convívio. Pudera, já com a barriguinha cheia. eh eh eh!!!

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Album fotográfico
(clique na imagem)
Rota do Gaio 2008

Comentários

Anónimo disse…
Excelente reportagem!Excelentes fotos!O sr.Cabaço tem mesmo jeito para a coisa eh!eh!Os meus parabens!MATEUS

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…