Avançar para o conteúdo principal

"Aí está a chuvinha"

Apesar as chuvadas de ontem e esta madrugada, eu e o Pinto Infante, resolvemos ir dar umas pedaladas descontraídas, sujar as bikes com os primeiros barros e sentir as primeiras escorregadelas.
Pelas 08h e em simultâneo, lá comparecemos na Pires Marques, como préviamente combinado.
Após um compasso de espera, não fosse aparecer algum "bikedependente" como nós, pois o bom senso mandava continuar a "ronronar" no vale dos lençóis.
Mas de facto, não chovia. Apesar das nuvens ameaçadoras, resolvemos ir tomar a matinal dose de cafeína aos Lentiscais.
Numa boa, dando dois dedos de conversa quando o trilho o permitia, lá fomos ganhando terreno, mais ou menos rápidamente, consoante fosse subida ou descida, até que chegámos aos Lentiscais, após passarmos pela base do S. Martinho, Montes dos Cagavaios, Chaveiro, e Picados.
Tomámos o café no Centro de Dia da aldeia, onde áquela hora, já por ali deambulavam alguns idosos e entre eles o "Ti Cabaço",(não é parente) aposentado da Câmara de Castelo Branco, com quem estivemos à conversa durante algum tempo.
Partimos então de regresso à cidade, onde as nuvens que se vislumbravam sobre a cidade, já pareciam estar a descarregar bem, mas nós ainda não tinhamos sido apoquentados pela chuva, porém, aguardávamos a qualquer momento a sua aparição.
Voltámos então à Ponte do Rio Ponsul, mas agora resolvemos aceder à cidade por outros trilhos, pois subir por subir, íamos ver outras paisagens, ou não ver, se assim se pode dizer . . . pois os montes sobranceiros à margem direita do rio e até onde a vista podia alcançar, estão completamente despidos, despojados das matas de eucaliptos que os caracterizavam . . . um completo deserto e uma imagem desoladora!!!
Lá pedalámos então pelo velho estradão que dá acesso à famosa Granjinha, onde se encontra a até há pouco tempo famosa, Quinta de Belgais, da pianista Maria João Pires, propriedade agora mais conhecida pela polémica.
Mas não chegámos lá e, virando à esquerda, entretivémo-nos a ganhar altura, numa arfante subida até à Rebouça e, ladeando o Forninho do Bispo, chegámos ao recinto da Sra de Mécules, onde parámos no bar agregado ao Restaurante do Abílio, para calmamente beber uma cervejola, que ainda eram apenas 11h30
Pelas 12h chegámos de novo à Pires Marques, com 43 kms percorridos, de onde antes tinhamos partido e onde o Pinto Infante tinha a viatura,
Após um até breve regressámos aos "casulos", sem que fossemos incomodados pela chuva.
Porém, lama, essa sim, já existe, aqui e ali e onde algumas escorregadelas, já são indício de que há muito tempo não pedalamos nessas condições.
Há agora que nos adaptarmos a novos ritmos e novas formas de contornarmos os obstáculos . . . em suma . . . uma forma mais divertida de pedalar, isto na parte que me toca.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…