Avançar para o conteúdo principal

"Aí está a chuvinha"

Apesar as chuvadas de ontem e esta madrugada, eu e o Pinto Infante, resolvemos ir dar umas pedaladas descontraídas, sujar as bikes com os primeiros barros e sentir as primeiras escorregadelas.
Pelas 08h e em simultâneo, lá comparecemos na Pires Marques, como préviamente combinado.
Após um compasso de espera, não fosse aparecer algum "bikedependente" como nós, pois o bom senso mandava continuar a "ronronar" no vale dos lençóis.
Mas de facto, não chovia. Apesar das nuvens ameaçadoras, resolvemos ir tomar a matinal dose de cafeína aos Lentiscais.
Numa boa, dando dois dedos de conversa quando o trilho o permitia, lá fomos ganhando terreno, mais ou menos rápidamente, consoante fosse subida ou descida, até que chegámos aos Lentiscais, após passarmos pela base do S. Martinho, Montes dos Cagavaios, Chaveiro, e Picados.
Tomámos o café no Centro de Dia da aldeia, onde áquela hora, já por ali deambulavam alguns idosos e entre eles o "Ti Cabaço",(não é parente) aposentado da Câmara de Castelo Branco, com quem estivemos à conversa durante algum tempo.
Partimos então de regresso à cidade, onde as nuvens que se vislumbravam sobre a cidade, já pareciam estar a descarregar bem, mas nós ainda não tinhamos sido apoquentados pela chuva, porém, aguardávamos a qualquer momento a sua aparição.
Voltámos então à Ponte do Rio Ponsul, mas agora resolvemos aceder à cidade por outros trilhos, pois subir por subir, íamos ver outras paisagens, ou não ver, se assim se pode dizer . . . pois os montes sobranceiros à margem direita do rio e até onde a vista podia alcançar, estão completamente despidos, despojados das matas de eucaliptos que os caracterizavam . . . um completo deserto e uma imagem desoladora!!!
Lá pedalámos então pelo velho estradão que dá acesso à famosa Granjinha, onde se encontra a até há pouco tempo famosa, Quinta de Belgais, da pianista Maria João Pires, propriedade agora mais conhecida pela polémica.
Mas não chegámos lá e, virando à esquerda, entretivémo-nos a ganhar altura, numa arfante subida até à Rebouça e, ladeando o Forninho do Bispo, chegámos ao recinto da Sra de Mécules, onde parámos no bar agregado ao Restaurante do Abílio, para calmamente beber uma cervejola, que ainda eram apenas 11h30
Pelas 12h chegámos de novo à Pires Marques, com 43 kms percorridos, de onde antes tinhamos partido e onde o Pinto Infante tinha a viatura,
Após um até breve regressámos aos "casulos", sem que fossemos incomodados pela chuva.
Porém, lama, essa sim, já existe, aqui e ali e onde algumas escorregadelas, já são indício de que há muito tempo não pedalamos nessas condições.
Há agora que nos adaptarmos a novos ritmos e novas formas de contornarmos os obstáculos . . . em suma . . . uma forma mais divertida de pedalar, isto na parte que me toca.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…